A Gruta do Lou

Um pai irresponsável

081212_1738_Heranasdeum1-300x234

Meu pai irresponsável está nessa foto

A característica fundamental de qualquer pai é o fato dele ter filhos, óbvio. Uma vez nessa condição caberá ao felizardo a tarefa de suprir as necessidades da vítima (s), de forma compulsória, queira ela ou não, pelo menos, até certo ponto. Se tiver sorte e souber educar bem, o check out dar-se-á aos dezoito anos, liberando o pai, em parte, de suas responsabilidades.

Essa é a parte que desejo focar aqui: a responsabilidade ou, como propus no título, a irresponsabilidade como outra opção. Falando em responsabilidade, o pai tratará de manter-se em posição geradora de renda a fim de suprir os reclames do (s) membro (s) da aljava. Ele descobrirá que, a cada ano vencido, sua responsabilidade se tornará maior. Entretanto, um pai responsável irá até onde os limites da sanidade lhe permitirem. Um pai responsável não se endividará e jamais perderá o controle do lar e das finanças. Manterá seu emprego mesmo que seja necessário engolir a sapolândia inteira, todos os dias. Como quer a bíblia, será bom administrador de sua casa.

O Talmude é um pouco mais progressista e liberal do que a bíblia, pois ensina: “O homem deve comer e beber de acordo com a sua renda, vestir-se de acordo com a sua fortuna e honrar a sua esposa mais do que a sua fortuna permite”. Traduzindo esse texto para o pai, ficaria assim: “Uma pai deve comer e beber de acordo com a sua renda, vestir-se de acordo com a sua fortuna e honrar e cuidar de seus filhos mais do que a sua fortuna permite”. Diria que essa é a instrução ao pai irresponsável, segundo as expectativas globais.

Caso o pai tenha sob sua responsabilidade um filho especial, com necessidades especiais, como é o meu caso, essas palavras serão como água no deserto. Em nossa caminhada, pude perceber que familiares (avos, tios, primos, etc.) e amigos ajudarão somente o pai responsável e dentro dos parâmetros de responsabilidade aceitáveis, nada além disso. Farão visitas em feriados e fins de semana, doarão de suas sobras alguma coisa que não lhes pese e farão orações rápidas em favor de seu filho, antes de fazer sexo na calada da noite. Caso deixe de pagar suas contas em dia e se endivide, toda a ajuda será cortada sumariamente e ao invés de perder tempo orando por seu filho, eles irão direto ao sexo. Não os condeno, pois o problema é meu e eles são pais responsáveis e eu precisei mudar minha opção nesse ponto.

Diante disso, comecei a pensar (faço essa loucura às vezes) em minha posição paterna. Até onde estaria eu disposto a ir por meu filho? Quais seriam meus limites? Resolvi determinar que o céu seria o limite (nada a ver com o antigo programa do padrinho de casamento de meus pais: Sr. J. Silvestre). Isso permitiu dar ao meu filho algo muito além de minhas possibilidades. Acabei fazendo alguns parceiros involuntários, nessa ordem. Por exemplo, o Banco Itaú S/A, o Bradesco, o HSBC, a Cia de luz, a de água, Telefonica e os senhorios de nossas casas, sem falar no governo. Claro que eles imaginam, sempre, bobagens como a restituição do investimento deles. Prefiro transformar esses valores em doações a fim de obter bênçãos para essas pessoas jurídicas, mesmo porque sou um pai irresponsável agora e, como tal, contraí dívidas que não poderia pagar, mas dei algo mais ao meu filho.

Endividado, avançado em dias, sem qualquer fonte de renda estável e cansado distanciei-me da possibilidade de fazer parte do quadro de funcionários de alguma empresa ou mesmo de alguma sociedade civil, com ou sem sapos. Minha única sócia é a Dedé, outra que aderiu ao programa de pais irresponsáveis. Mesmo assim, estamos muito longe de dar ao nosso filho tudo que gostaríamos, tanto em termos de seu tratamento de saúde, quanto da satisfação dos desejos dele. Meu propósito de permitir-lhe viver cada dia como Deus quiser se cumpre em parte, então.

No entanto, a vida de nosso filho não teria sido nem sombra do que tem sido se, ao invés de ser um pai irresponsável, tivesse me mantido um honorável pai responsável. Estranho né?

ops: Essa postagem está sendo realizada nos computadores da mansão. A situação ainda é precária já que a Telefonica instalou uma linha sem disponibilidade de banda larga. Como tenho o direito ao restabelecimento do número antigo, fiz a solicitação a ser respondida em três dias úteis, com alguma chance de recuperar a banda larga, nesse caso. Por enquanto, estamos operando em conexão discada (no fim de semana e após à meia noite, vide tarifa).

lousign

 

10 thoughts on “Um pai irresponsável

  1. Lou…. se eu tivesse tido um pai tão irresponsável como vc , certamente eu seria uma pessoa bem melhor… tenho certeza absoluta que teu filho pensa igual ou melhor do que eu. Pense bem: se vc é uma benção para quem não te conheçe, imagine para quem tem a honra de ser teu filho ??

    mil bjkasss (apareçe lá no País de vez em quando..)

  2. Que saudades, Lou,
    que bom ler sua saga novamente. Não é sadismo mas é como Alice escreveu acima, vc é uma bênção para mim, que ainda só te conheço virtualmente,
    um beijão de ermano,
    Roger

  3. Roger

    Estamos perto de voltar à normalidade, creio. A minha saga deve ser vista como a nossa saga. Apenas um jeito mais direto do divino se comunicar com o povo. Você sabe. Imitar o Mestre, como recomendou Paulo, o apóstolo, não é necessariamente um mar de rosas, mas vamos tentando, seguindo e imitado os passos dele, ou os seis passos dele, como ensinou nosso mentor Paulo Brabo (vide texto ao lado). Grande abraço.

  4. gosto de uma frase que sentencia sua postagem: “um pai de virtude segue o rumo pela sombra do filho”. por isso que, de uma forma ou de outra, faz muito sentido sua preocupação.

    abçs

  5. Amigo Lou

    Não sei como é ser pai, tampouco responsável ou não..

    Mas percebo que tu és um bom pai, sempre atento e preocupado com o bem-estar dos três…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *