A Gruta do Lou

The Day Before

Gostaria de esclarecer algumas dúvidas, mas não tenho sido feliz. Creio ter chegado o momento de Deus fazer algum recall urgente na Bíblia, pois algumas partes não estão funcionando nada bem, em nossas unidades de todos os tipos e línguas. Talvez ele deva enviar algum profeta, embora a tarefa seria mais apropriada a algum filho único, ou unigênito (seja lá isso o que for), desses capazes de amar mais a humanidade do que a si próprio, coisa rara por aqui, hoje em dia.

Mesmo com o efeito Haiti, parece haver mais desejo de promoção pessoal ou corporativa do que solidariedade autêntica. Alguém precisa parar a tempestade assistencialista com cheiro de urânio e cair na real, a única ajuda válida para uma pessoa ou uma nação é aquela mais chinesa, menos cristã samaritana, em que você ensina os caras a pescar (trocaria a palavra pescar por pensar) e a auto produzir suas próprias soluções, buscando a participação maciça dos interessados, ao invés de dar-lhes tudo pronto. Eles não aprenderiam nada com toda essa benevolência pagã expiatória e continuariam ignorantes, dependentes e miseráveis.

Logo depois do terremoto, minha mãe me perguntou (acho que ela me vê como uma espécie de sacerdote) se o fim do mundo estaria perto. A minha Bíblia informa que quando ouvíssemos sobre terremotos, ainda não seria o fim, apenas propaganda dele, uma espécie de aviso do dia anterior. Parece que o pessoal do céu conhece muito bem a questão das placas geológicas (tectônicas) e nos sonegou boa parte da informação necessária para evitarmos que elas fiquem se acomodando, por aí. Nessa altura os Estados Unidos já teria tomado as devidas providências, enquanto nosso Congresso estaria adiando a decisão para o próximo governo.

Mas nem os gringos sabem o que fazer e estão cheios de culpa, vivendo sob a angústia de um possível “Big One” para qualquer dia desses. O Obama deve estar ansiosíssimo para reconstruir o Haiti rapidinho, com ou sem a ajuda risível brasileira, antes que Deus resolva lembrá-lo disso. Pior para os haitianos, depois do terremoto, nada menos aconselhável do que o assistencialismo paternalista de alguma nação imperialista e colonizadora.

Se posso dar um chute na pergunta de mamãe, diria que o Criador não pretende acabar com nosso planeta na base do sacolejo trepidante. Conhecendo seu histórico recente, acho que ele preferirá algo mais sutil, como entregar tudo para a gestão do diabo, cujos métodos incluem muita conversa ao pé do ouvido, intrigas, eleições, copas do mundo, olimpíadas, Fashion Weeks, Big Brothers, guerras, rumores de guerra e muito, mas muito sofrimento, só então virá o fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *