Sonhos de Primavera

A miséria religiosa é, de um lado, a expressão da miséria real e, de outro, o protesto contra ela. A religião é o soluço da criatura oprimida, o coração de um mundo sem coração, o espírito de uma situação carente de espírito. É o ópio do povo. A verdadeira felicidade do povo implica que a religião seja suprimida, enquanto felicidade ilusória do povo. A exigência de abandonar as ilusões sobre sua condição é a exigência de abandonar uma condição que necessita de ilusões. Por conseguinte, a crítica da religião é o germe da critica do vale de lágrimas que a religião envolve numa auréola de santidade.” Karl Marx em Introdução à crítica do direito de Hegel

“A revolução é colhida no caos.” Lenin

Quais são os pressupostos reais de um governo e seus governantes? São conhecidos? Existe alguma obrigatoriedade em apresentá-los ou decliná-los?

Onde é possível encontrar ensinamentos capazes de mostrar-nos o caminho para obter-se o domínio total?

O que me impede de obter o controle completo de um povo?

Não é preciso nenhum diploma para responder isso: A restrição das liberdades individuais e coletivas.

Como?

Marx.

Primeiro: o povo não pode deter a liberdade de ir e vir. Nos dias de hoje, há uma facilidade enorme para viajar, especialmente para fora do país. Claro que o risco de perder cidadãos em situação de iminente restrição das liberdades, especialmente os mais ricos, com capacidade de transferir valores para fora das fronteiras, é muito grande.

O que fazer?

Qualquer ignorante, mesmo tendo só o curso primário e incompleto, sugeriria: Assumir o controle do tráfego aéreo.

Como?

Lênin.

Segundo: Controle sobre os meios de comunicação. Esses caras não podem sair falando o que quiserem, especialmente, se forem denúncias ou críticas contra nós.

O que fazer?

Até um ex-metalúrgico sabe a resposta: Assumir o controle dos meios de comunicação.

Como?

Lênin.

Terceiro: A verdadeira “felicidade” do povo implica na supressão da religião, enquanto felicidade ilusória do povo. A religião é o ópio do povo.

O que fazer?

Qualquer ateu ímpio, mesmo disfarçando algum tipo de religiosidade, é capaz de resolver esse incômodo problema: Transformar os objetos de culto em peças de museus ateístas.

Como?

Lênin.

Por conseguinte, a crítica da religião é o germe da critica do vale de lágrimas que a religião envolve numa auréola de santidade.