A Gruta do Lou

Seria o fim da Gruta?

Hora de mudar?

Page views

Visits

2006

10,946

3,937

2007

39,930

21,477

2008

76,559

50,236

2009

94,716

62,857

2010

31,865

21,776

Total

254,016

160,283

Faz algum tempo que venho monitorando o gráfico da Gruta. Até o ano passado, crescíamos ano a ano, mas em 2010 uma curva descendente teve início. Pelo andar da carruagem, digo, da blogoagem, no final do ano teremos voltado à performance de 2007, se o nível de visitação e olhadas nas páginas se mantiverem. Tenho um amigo, cujo cunhado era dono (filho) de uma grande fábrica de colchões e móveis, quando o gráfico entrou na descendente o cara pegou a grana e levou para a Suíça,Quando a fábrica faliu, os funcionários só encontraram móveis usados e máquinas velhas para repartir entre eles.

Sendo assim, estou propenso a levar a grana da Gruta para as ilhas Caimã (o paraíso fiscal da hora) e, se minha filha tiver casado, nomear meu genro como gerente geral e quando falir, morrer de rir com o pessoal se matando por mobilia velha. Certamente levarei cigarros para o genro na cadeia, afinal ele era o gerente. Outra medida, que me parece sensata, é parar de jogar enquanto ainda detemos alguma evidência e influência.

O plano é descontinuar a Gruta, sem tirá-la do ar, deixando todo o material publicado nos arquivos da WordPress e visíveis em “luizhmello.wordpress.com” e, talvez com um pouco de sorte, conseguindo incluir o domínio agrutadolou.blog.br direcionado para esse endereço.

Se encontrar alguma editora nesse mundo cristão, insana o suficiente para publicar o livro da Gruta, então farei o esforço de organizar isso, mediante um pequeno adiantamento capaz de colocar minhas contas em dia, porque ninguém é de ferro e será trabalho para várias juntas de boi.

A partir daí, seguiria escrevendo minhas bobagens em um novo blog com meu nome, por exemplo Blog do Lou Mello ou algo assim.

Qual a diferença?

Aparentemente, deixaria de ser o Lou da Gruta e voltaria a ser eu mesmo, assim poderia escrever tudo que vai nessa minha cabecinha oca em um único blog, não só as coisas teológicas, mas as minhas idéias subversivas sobre ONGs, Corinthians, etc., em um único canal. O melhor seria escrever em um rítmo mais brasileiro, como uma vez por semana, ou por mês. Tanto faz, ninguém iria ler mesmo. Também poderia assumir alguma bandeira, algo bem original como “Lou Mello, uma nova espécie de cristianismo” ou alguma coisa parecida, onde eu incluiria (ou manteria, pois já está na bílbia) o corinthians e a captação de recursos ética e bíblica, para azarar com o resto dos militantes dessa área, nada éticos e muito menos bíblicos.

Que ninguém se iluda, sob as instruções secretas de meu guru em blogs, sempre foi minha intenção, com esse blog, me promover e alcançar o sonhado Eldorado de “viver como as aves do céu e os lírios do campo”, segundo orientações expressas de nosso Mestre. Não posso dizer que não funciona, de vez em quando Deus até me manda algum alimento e algumas roupas usadas. O problema é que Ele não faz a menor idéia de que precisamos pagar aluguel, prestação do carro, luz, água, telefone com banda larga, TV por assinatura, plano de saúde, propinas para todos os atendentes, fiscais, oficiais de justiça e policiais, etc. Tão pouco sabe o que fazem com a gente quando não cuidamos desses detalhes menos importantes, ou os servidores dele não andam obedecendo ordens como antigamente, se não estiverem guardando algum para os tempos de vacas magras, enquanto já estamos nesse tempo. Quando comecei a Gruta já estava fora do Egito, mas nada satisfeito. Bem, você sabe como o povo de Deus detesta sair das terras do Faraó.

Então queria voltar ao velho padrão egípcio-capitalista e trabalhar como um escravo qualquer, fazendo consultorias, palestras, consertando computadores, ou outra dessas loucuras qualquer e tive a esperança de receber ajuda do blog, pelo menos em termos de propaganda. Bom, fiquei mais conhecido, pelo menos como um cristão subversivo nada alinhado com as ortodoxias vigentes, seja da direita ou a da esquerda. Todos eles querem minha cabeça em uma bandeja, acho. Não entenderam que eu os criticava aleatoriamente, apenas para angariar notoriedade, afinal só nos dão atenção quando batemos em cachorros grandes. Uma coisa é certa, nesses mais de quatro anos, continuei a não receber nenhum convite para preletor de Conferências de Pastores da Sepal, acampamentos de jovens, encontro de casais, marcha para Cristo, marcha gay, wathever, nem mesmo em uma igrejinha qualquer de beira de barranco, apesar de todas as minhas cambalhotas e malabarismos nessa direção.

Depois desse tempo todo, penso ser prudente não esperar mais do que já consegui. Espero que da próxima vez que encontrar o Ariovaldo em alguma editora ele me apresente como Lou Mello, sem referências à Gruta. Melhor deixá-la para o Saramago.

É isso, sabe como sou, pode ser que faça mesmo isso ou não. Agora estou com raiva, mas depois posso mudar de opinião, quando a poeira baixar, se baixar.

3 thoughts on “Seria o fim da Gruta?

  1. Pra começo de conversa, vc não é dono de Gruta alguma, se fosse, já teria pago seus devedores negociando-a com algum empreendimento de turismo de aventura;
    Segundo, que bom que tem menos gente! Isso aqui tava meio crowded mesmo. Assim sobra mais espaço na Gruta para nós, os grutenses genuínos;
    Terceiro, quer sair? Saia! Eu não arredo pé daqui… te vira, meu!

    Bem lembrado, a Gruta não pertence a ninguém, pois é um conceito, onde Jesus nasceu e renasceu, onde Davi reuniu suas forças para conquistar o Reino, onde Elias encontrou com Deus e vai por aí. Enquanto eu mencionava um blog, apenas e as lutas de um blogueiro, insistentemente solitário, para mante-lo. Espero mesmo que você e todos os grutenses nunca deixem a Gruta.

  2. Meu amigo seu blog é espetacular, show, not°10 desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
    Um grande abraço e tudo de bom
    Ass:Rodrigo Rocha

    Muito obrigado, pela visita e pelos votos. Continue conosco. Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *