A Gruta do Lou

Se a igreja não clamar, as pedras clamarão

Querido Lou

Minha esperança e fé é de que você, Dedé e as crianças (sic) estejam bem, dentro do possível. É véi, o tempo passou… Laila e eu já somos avós de dois netos, isso porque nossos filhos são adeptos do planejamento familiar. Embora você não esteja mencionando mais na Gruta ou em seus E-mails, o fato de vocês ainda estarem em Sorocaba é uma evidência clara de que estão sofrendo muito. Pois é, naquele dia em que nós dois saímos daquele mar, vivos, milagrosamente vivos e, ajoelhados na areia da Praia em Ilha Bela, oramos e dedicamos nossas vidas ao serviço do Senhor, pois naquele momento mesmo sem trocar palavras, sabíamos que nosso Senhor estava nos dizendo: Sigam-me, implicitamente assumimos sofrer com Ele. Assim, não há porque reclamar, só aceitar nosso desígnio.

Vocês sabem que minha vontade era tê-los aqui conosco, alias, não só minha, mas todos aqui os amam muito e vivem perguntando quando é que virão passar mais algum tempo conosco, para matar as saudades enormes. Até o Peter Miller, agora nosso presidente da missão, lá de Londres vive me cobrando o dia em que conseguirei trazê-lo para cá, com escala na matriz, lógico. Ontem, como fazemos todos os sábados, celebramos nosso shabat, sempre com o toque magistral dos judeus convertidos, a maioria entre nós. Li seu post sobre a páscoa para todos e depois praticamos o perdão. Cada um disse em voz alta o que estava perdoando e alguns aproveitaram para pedir perdão por um pecado ou outro. Foi um momento lindo e emocionante. No final, para minha surpresa, um deles propôs levantarmos uma oferta para enviar a você. Cara, eles são convertidos, mas foram todos educados na cultura judaica, portanto, fui testemunha de um grande milagre. Não deu muito, afinal são todos missionários, a começar por mim, entretanto, esse mês você receberá uma porção dobrada. Afinal era sábado e agora você não deve sair para colher. Todo mundo riu muito com suas ideias, como sempre, mas trataram de assimilar tudo com grande respeito.

Sei muito bem que isso não fará grande diferença em sua necessidade. Minha mãe me inteirou dos fatos e vocês precisam muito de nossas orações além de nossas ofertas, que não cessarão enquanto estivermos vivos e sua necessidade persistir. Você sabe muito bem que eu choro cada vez que o inimigo te impede no serviço ao Senhor, obrigando-o a fazer bicos e serviços para pagar as contas e suprir tudo, embora sempre falte muito. Nada me entristece mais do que não ter você por inteiro no trabalho para Deus. Você se lembra aquela vez que estava para assinar contrato com uma empresa, salário ótimo e Deus me mandou sair daqui de Jerusalém e ir a São Paulo para dizer-lhe: Não faça isso? Como sempre, você já sabia qual era a vontade de Deus e, por um momento pareceu-me ter feito uma viagem cara e inútil, até que percebi que o alvo era eu. Foi mais uma lição na matéria “Ouvir a Deus”, na qual você é Mestre. Talvez o propósito do seu sofrer seja nos manter em pé, embora isso nunca me conforme.

Não se iluda, sabemos muito bem que assisti-los em suas dores nos mantém humildes, por isso sei que vocês sofrem por nós, também. Viu como suas aulas sobre Corpo de Cristo foram contundentes? Por aqui, seus estudos sobre o ministério de Cristo nessa região são famosos e a turma não se cansa de pedir para você vir repetir a dose. Cara, aquela narrativa do Evangelho de Marcos em sintonia com o livro de Atos ainda está ecoando em nossos ouvidos. Pena que o pessoal por aí não lhe honre como profeta. Santo de casa…

Bom, imagino que as coisas por aí não estejam nada bem, para Deus estar nos fazendo sentir tanto peso em nossos corações por vocês. O Peter me informou que as contribuições do Brasil caíram vertiginosamente e isso é um indício de fraqueza de nossa igreja, no mínimo. Que saudade dos anos oitenta, quando a igreja cristã no Brasil se engajou… Mas os lobos devoradores fizeram um serviço muito eficaz e conseguiram esse resultado lamentável. Ah, encontrei o Tony na cidade velha, ele quase passou por mim sem me cumprimentar. Quando perguntei se ele ainda mantinha contato, respondeu que não se lembrava de vocês. Fiquei perplexo! Na mesma hora, lembrei de você, lá em Lisboa, abrindo sua carteira e dando a ele todo o dinheiro que havia nela. Eu jamais esqueceria uma pessoa que fizesse isso por mim. Confesso que senti ódio do cara.

Olha Lou, sei que você não gosta de fazer propaganda de sua generosidade, mas eu gostaria que você publicasse esse meu E-mail em seu blog, algo me diz que deve ser assim. Entende?

Todos aqui enviam beijos e abraços apertados à família e a você de forma especial. Mesmo tão longe, estamos com vocês, sempre.

Laila e eu, sempre com amor incomensurável,

Seu irmão e amigo

Khalil

6 thoughts on “Se a igreja não clamar, as pedras clamarão

  1. Pingback: Lou Mello
  2. Pingback: Lou Mello
  3. Eu fico emocionada sempre que leio algo que o “Khalil” escreve.Ele é um ser incrível.Senti um arrepio quando li:
    “nada me entristece mais do que não ter você por inteiro no trabalho para Deus”,parece que ele está se referindo a uma profecia.

  4. Khalil é um bom homem. Assim como você, Lou.

    Seguir a vida, nos moldes de Cristo é nossa meta, desde que a entregamos ao Senhor.

    Quiçá um dia fazermos obras maiores que a do Mestre Galileu.

    Abraço Lou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *