A Gruta do Lou

Reflexões sobre a tal Missão Integral


Anos atrás, falou-se em Missão Holística e apareceu o movimento Fraternidade Teológica Latino Americana e o gringo Gutierres fazia parte do negócio. Parece que surgiu em sequência ao mover das águas causado pela Teologia da Libertação, mas sem o mesmo charme, posto que não tinha a participação de pesos pesados como Ruben Alves e Leonardo Boff e ficava mais no âmbito protestante. Cheguei a participar de algumas reuniões lá na casa do Ari Velloso.

O Julio Zabatiero era o mais engajado, tanto é que herdou o negócio e fundou a Faculdade de Teologia Latino Americana lá em Londrina, para onde se exilaram os holísticos hermanos. Há outros nomes daquela época que tenho ouvido de novo aqui e ali. Os mais jovens, desses que pensam que o primeiro campeonato mundial de futebol aconteceu em 1994, ouvem esses discursos pensando ser coisa nova e se maravilham.

Trocando em miúdos, era um movimento com alguma influência de pensamentos de esquerda que convidavam a Igreja a um engajamento social. Cada vez mais, países em desenvolvimento (antigamente conhecidos pela alcunha de subdesenvolvidos) multiplicam suas mazelas sociais e esses organismos ganham vida. Da criança ao idoso, passando por todo tipo de doentes, dependentes e presidiários, o contingente de pessoas com a mão estendida pedindo uma esmolinha pelo amor de Deus, seja por grana, socorro ou amor, é cada vez maior.

Naquela época, não apenas a Teologia da Libertação e a Fraternidade Teológica tentaram fazer a Igreja incluir essas atividades em sua Missão, mas o famoso encontro de Lausane em 1974 e depois o de Amsterdam em 1983 fizeram a mesma coisa. Não demorou muito a cair tudo na vala do esquecimento, com raríssimas exceções. Só eu mesmo para recitar o Pacto de Lausane e o discurso do Stott em uma convenção missionária, lá na Igreja Metodista de Santo Amaro, com presenças ilustres como o saudoso Jorge Rehder, Ted Limpic e muitas outras figurinhas carimbadas.

Engana-se a Igreja em imaginar algum tipo de ação em favor desse contingente de necessitados. As iniciativas conhecidas não passaram de tacanhas e logo a Igreja fechou as portas de acesso às ruas e voltou à sua tendência de fechar-se em si mesma. Pastores ortodoxos para cá, liberais para lá, neo-ortodoxos e neo pentecostais na TV e boa. Todo mundo percebeu rápido que era muito melhor fazer dinheiro do que gastar, ainda que Jesus se revirasse em sua Gruta, digo túmulo.

Desisti de participar das reuniões logo que percebi o equívoco. Jesus nunca pensou em missão a partir de alguma Igreja. No tempo equivocado em que ele visitou nosso planeta, seus seguidores eram formados basicamente de dissidentes da igreja da época, estavam livres para cuidar do povo, sem contas institucionais para pagar, pastor personalista para sustentar e igrejas suntuosas a construir. Para o Nazareno, missão era coisa para homens e mulheres dispostos a pegar a própria cruz e seguir a dele, sem ter onde reclinar a cabeça.

Até o melhor dos apóstolos pensava assim: pedras vivas somos nós! A Igreja é um amontoado de pedras mortas, infelizmente, um bando de gente que insiste em não ouvir o que o espírito lhes diz.

Tenho enorme dificuldade em levar a sério esses caras burgueses, pastores de igrejas ricas vestindo Prada e Lacoste, falando em Missão Integral. Meu, vai doar tudo aos pobres, depois venha e siga-me.

Isso me lembra Oséias, aliás Jesus sempre se lembrava dele, também, em seus discursos nada palatáveis. Deus estava com dificuldade de se comunicar com seu povo, ninguém mais conseguia discernir sua voz, então mandou Oséias escolher uma boa prostituta e casar com ela. Ele era imprudente o suficiente para obedecer e foi. Casou com uma das boas e teve filhos e filhas com ela, até que a mulher sentiu saudades dos prazeres da prostituição, pois isso era algo possível, e largou o mala do marido falando sozinho, com a filharada e completamente deprimido.

Psiquiatras da época correram dar-lhe antidepressivos e os psicólogos logam diagnosticaram TOC nele. Como era um crente abnegado, obsessivo sim, Oséias buscou a Deus, mas o fez reivindicando milagre e socorro, cheio de auto piedade. Para sua surpresa o Pai de Jesus Cristo veio e o enviou a procurar a ex-esposa com perdão e resignação, se possível com alguma generosidade. Então Oséias ouviu a Deus.

Essa é a Missão Integral proposta por Jesus, também. À igreja não sobrou muito a fazer pelos excluídos. Psicólogos e Psiquiatras, cristãos ou não e Assistentes Sociais já ocuparam todos os espaços via primeiro ou terceiro setor. Querer competir com eles é ledo engano. Essa gente está potencializada por poderes infernais e rapidamente ridicularizam-nos com nossos discursos bíblicos ultrapassados e nossas mãos encolhidas. A esquerda não pode conviver com a igreja, a não ser hipocritamente ou não ouviram quando Marx sentenciou a Igreja como o ópio do povo.

Mas sobrou algo para Igreja que a esquerda não está interessada e despreza: a boa e velha família, uma organização pela qual Deus tem enorme carinho e está disposto a investir boa parte de seus tesouros celestiais. Talvez esses senhores dos púlpitos de acrílico e seus Rolex da hora pudessem gastar mais fosfato com pais e maridos com mais de quarenta anos, totalmente desempregados e humilhados em suas próprias casas enquanto suas esposas e filhos saem para o trabalho, alguns tem filhos cardiopatas congênitos ou cancerosos e estão morrendo de medo de perdê-los por não ter como tratá-los.

Há as esposas frustradas com seus maridos gordos, sujos e velhos, , com suas menopausas precoces que as afastaram do sexo e do amor, abandonadas pelos filhos adolescentes em favor do crack e do punk, envergonhadas por serem obrigadas a declarar sua condição de donas de casa, em um mundo onde a mulher ganhou o status de profissional em igualdade com os homens.

Agora elas são escravas do capital, também. Finalmente, a Igreja tem à sua mercê os filhos, desnorteados, tendo agora que optar até pela sexualidade, antes patente em nossos corpos.

Entretanto se desejarmos nos meter nas obras sociais, a porta está escancarada para fazê-lo informalmente. Conheço um monte de blogueiros desempregados clamando por uma boa esmola, blogueiras solitárias pela distância de seus maridos bêbados e abandonadas por seus filhos ingratos, sem falar na juventude digital totalmente alienada da quase extinta organização divina conhecida como família.

Eles estão aí aos montes, nos blogues, no Twitter, Facebook e até no Orkut ainda é possível encontrar muitos. Não é preciso uma nova instituição com sua missão integral, holística ou qualquer outro nome difícil. É você e eles, cara a cara, com a cruz pesada nos ombros, sofrendo na pele o que eles sofrem, para entender a dor deles.

Isso sim, tem a cara de Deus.

morcego-12

13 thoughts on “Reflexões sobre a tal Missão Integral

  1. É. Tem mais a cara de Deus mesmo. Pelo menos aquela que ele mostrou uns 2 mil anos atrás.

    Além do mais, em nossos dias fica difícil Ele mostrar a cara… Valeu a replicada.

  2. Acertou na mosca, bateu no cravo, pisou o calo, deu a carapuça.
    E eu senti vergonha de mim, porque sei – e como sei – tudo isso desde meus 20 anos – há mais de 30, portanto – e não consigo ter uma atitude nem de perto parecida com a do Mestre ou a do doido Oseias…
    Quem sabe, um dia, de tanto martelar, entra alguma coisa nesse meu coração de pedra e eu faça alguma coisa.
    Continue tentando…

    Chamaria esse sentimento de síndrome de Tolstoy. Ele também sentia isso. Segundo o Dr. Shedd, a idéia é essa mesmo. Nós nunca conseguiremos, por isso Jesus precisou fazer o trabalho sujo.

  3. Lou, sou outro que senti vergonha de mim.
    Enquanto pensamos em aumentar igrejas e construir novos templos, não que pensar nisso seja errado, pessoas estão em busca de uma solução para sua miserável vida. Muitas vezes nem damos o ombro para conforto, se preocupando com o salário que está pra chegar para poder comprar um “tênis da moda”.
    Misericórdia de nós.
    Repito o comentário dito anteriormente: Quem sabe, um dia, de tanto martelar, entra alguma coisa nesse meu coração de pedra e eu faça alguma coisa.

    Ps: Desculpe a minha gramática

    É a mesma solução para o mesmo problema. Síndrome de Tolstoi X Jesus suficiente.

  4. Lou,

    Os teólogos protestantes são unânimes em afirmar ser a Igreja Católica A Grande Prostituta do capítulo 17 do Apocalipse… Porquê não conseguem identificar as filhas da prostitutas ???

    A prostituta de Oséias era uma caricatura do povo de Deus, na época os judeus. Se fosse hoje, seriamos todos nós, judeus cristãos.

  5. parece haver uma revolta em voce com o mundo atual e com as instituições, mas eu acho que nossa revolta deve ser contra o pecado e a falta de temor a Deus.

    Ué, não entendi a diferença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *