A Gruta do Lou

Quase fechado para férias do proprietário

Blogando
Blogando

Ultimamente, o blog tornou-se uma faca de dois legumes, como diria nosso finado presidente, o saudoso Vicente Mateus. Se de um lado, obtive ajuda imprescindível para o tratamento de meu filho, por outro, sinto não estar dando conta do texto. Para tanto, como todos sabem, é preciso manter o rito de leituras, reflexões e atualizações e não tenho conseguido. Não posso ler os livros necessários, quando deveria refletir, meus credores me assaltam a mente com suas chantagens e intransigências, e para atualizar, precisaria continuar percorrendo a blogosfera, lendo, analisando e comentando, mas quando e como?Além disso, não tenho conseguido declinar a transparência e sinceridade que desejaria. Há muitos temas, ligados ao sofrimento e mendicância que não posso nem pensar em mencionar. As traições, marginalizações, preterimentos e menosprezos não são moeda corrente em um mundo cristão de prosperidade, positivismo e vitória.

Estou inclinado a tirar férias blogais por tempo indeterminado. Ficar na moita, visitar blogs anonimamente, rir das bobagens, chorar com as tristezas, espantar-me com a coragem, enojar-me com a conivência, vomitar com o cordão dos puxa-sacos e desistir da leitura dos textos enfadonhos, antes da metade.

Se for para chegar aqui e não ver mais do que pena, compaixão e dó, não quero vir. Pior do que a discórdia é a indiferença, a reprovação silenciosa e a falta de uma palavra honesta de um amigo leal.

O peso que carrego, nesses dias, é meu. Não conseguiria deixar de mencioná-lo, de alguma forma, todas as vezes que escrevo. Então é melhor calar. Deixar que não saibam as minhas inseguranças e os meus medos, tomando-me por forte, ainda que me esmague pelos cantos do quarto, durante as madrugadas. O dia vem e preciso bancar o durão, de novo. Alô! E aí, tudo bem? Sim, tudo bem. Deus é grande. Fique em paz. Obrigado por ter ligado. Você teve sorte, nem sempre o telefone está funcionando.

O que direi aos leitores nesse natal? Feliz natal! Santa hipocrisia, se o fizesse. Ninguém teve coragem de montar aquela nossa velha e ridícula árvore artificial de natal. Não puseram as surradas luzinhas na janela, estamos à espera da Cia. de luz com seu alicate mágico. Tormento ainda maior, será assistir minha sogra suprir a geladeira com aquelas malditas aves natalinas, como tem feito nos últimos anos. Não me compete negar tal dádiva. Acho que seria linchado. Odiado serei, de um jeito ou de outro.

A garagem está vazia, nosso gol não voltou. Acho que Deus não me considerou suficientemente merecedor. Pior é que devo concordar com ele. Se nenhum ser humano desejou meu trabalho, em mais de um ano, por que o Criador deveria me absolver. Meu lugar é naquele ônibus, junto com os outros condenados, amigos do Lula, amigo do Chaves, amigo do Morales, amigo do Fidel. Justo eu que odeio transporte coletivo. Aliás odeio tudo que é coletivo: banheiro, escola, prisão, hospital, moradia, etc…

Ontem estive com o Adalberto que ligou me chamando para fazer algum serviço para ele. Quando lá cheguei e indaguei o que ele queria, me disse: Só queria tirá-lo de casa, um pouco. Não há nada para você fazer aqui, mas é melhor do que ficar lá sem fazer nada, com a desculpa de que está cuidando de seu filho.

E o desapontamento em ver um filho com o cabelo cortado à moda moicana? Nunca imaginei semelhante decepção.

Como posso escrever nesse estado? No ano passado as coisas não estavam muito melhores, mas havia troca de afetos, de opiniões, de informações e de comentários. Agora, muitos deixaram de escrever, alguns de comentar e outros não permitem mais meus comentários. Isso machuca. Não sei a razão, mas todas as possibilidades de amar têm uma contrapartida indesejável de sofrimento e essa é mais uma, portanto.

Não acredito em diabos, mas que eles existem, não há dúvida. Por alguma razão que não entendo, eles adoram me espancar sob a complacência de seu maior desafeto. Duvido que Paulo (o apóstolo) fosse mais miserável do que eu.

121413_0141_Amoref2.jpg

16 thoughts on “Quase fechado para férias do proprietário

  1. Lou, quando as pessoas não passam das palavras para a acção, então na realidade, o melhor é calar.
    Uma coisa que a blogosfera me ensinou a mim, é que não preciso dos comentários.
    Sabe bem, é verdade, receber palavras de ânimo, conforto, estímulo.
    Mas mal de nós se dependermos delas.
    Esse peso é teu mesmo Lou. E de Deus. Só Ele mesmo pode levar o teu peso . Mais ninguém.
    Deixo contigo o Salmo 37 que li hoje e que foi forte para mim.
    A Palavra é vida e é ela que nos pode sustentar.
    Que a paz de Deus seja contigo, Lou.
    Continuo a orar pela vossa familia.
    DVA

  2. Descobri que existem ações nobres e misteriosas que ninguém vê. O sábio Pe. Antonio Vieira escreveu que essas pessoas são cireneus encontrados no caminho que levam as cruzes… já pensou nesta possibilidade? Ou, quem sabe entregar a sua?

  3. .. Oi Lou !! .. não para de escrever por causa desses boçais não !! qdo a gente escreve a gente desabafa, põe pra fora o que muitas vezes não podemos falar.
    É uma M…mesmo toda essa sua situação, e eu sei como a gente se sente impotente e incompetente nessa hora, como já te disse, vivi isso por 15 anos…(fiquei sem carro, sem casa, morando de favor,os credores no meu pé, os oficiais de justiça penhorando até meu liquidificador, os crentes me roubando até a dignidade, meus filhos tendo que comer de favor da cesta básica que alguem tinha a misericórdia de me dar, eu tendo que vender café e pães na rua, meu marido desempregado e não conseguindo nada por anos a fio, minha sogra tendo “piti” na minha casa, meus “amigos” indo embora pelo ralo, … ufa !!… uma M… mesmo)…eu pensei que ia morrer, que não ia acabar nunca e queria mais era que todos fossem pra PQP….mas passou, acabou ( ainda tem um pouquinho, mas nada que assuste)…descobri que rica nunca mais serei, pois precisaria de outra vida pra isso, mas hoje estamos caminhando e não mais nos arrastando. Estamos juntos, e isso é muito importante, enfrentamos tudo junto, nos sujeitamos ao que devíamos nos sujeitar, e aprendemos a esperar em Deus só quando ELE mandar esperar, no mais, tive que correr muito.
    Já pensei que ia morrer de tanto chorar(e bem que eu queria),mas estou aqui e uma nova historia começou pra mim, não sei o final, mas é uma nova história, nem boa e nem má.
    Lou,aprendi a amar vc e sua familia e te desejo todo bem do mundo. Tudo vai mudar, porque apesar de muitas vezes não parecer, Deus é fiel.
    Com carinho,
    beijos e abraços a todos.

  4. Oi Lou, falo de uma lan house. Não fui trabalhar por puro desânimo. Mas segunda feira terei de retornar,porque não posso me dar ao luxo de ficar desanimada chutando lata por aí. Terei de afivelar minha máscara de otimismo ao rosto, usar minha cara de paisagem, enfim. Mas hoje estou aqui, passando tempo, pois em casa todos pensam que saí para trabalhar.

    Lou, fiquei numa época desempregada por dois anos e meio; não tinha mais dinheiro para procurar emprego. As pessoas não entendem isso – procurar emprego tem um custo: jornal, impressão de currículos, envelopes, selos, condução, uma água ou café que se toma na rua, enfim. Não tinha mais dinheiro. Na igreja, começaram a me olhar como se eu fosse uma vagabunda, que queria ficar desempregada. Começaram a “arrumar” empregos estúpidos para mim. Certa vez um pastor me disse a seguinte pérola: “Irmã”, essa porta já está aberta para você, mas se você não pára na frente dela, algo está errado em sua vida… Pode?

    Fora os conselhos estúpidos, gente mencionando minha falta de fé, citando versículos que eu conhecia de cor e de trás pra frente desde a infância, usando a bíblia como pistola pra me acusar de desanimada, coisas assim.

    Por isso sei como você se sente.

    Mas não deixe de blogar não. Ninguém aqui está atrás de erudição, de citações inteligentes (embora você as tenha naturalmente). Não estamos atrás de comentários sobre assuntos da moda. Estamos aqui para chorar e sorrir com você, para nos indentificarmos com esse cristão incompreendido, sofrido, atrapalhado ou que se faz de atrapalhado para nos alcançar, endividado como nós, otimista num dia e desanimado noutro, e pra complicar, assessorado por um anjo pra lá de incompetente…

    Fique aqui. Senão, para onde iremos nós?…

  5. Descanso não é opção, é mandamento.

    E há coisas piores que seu filho ainda pode fazer para afrontar seu conservadorismo. O cabelo cresce novamente, mas tatuagens não se apagam.

  6. Entendo a falta de vontade de postar. Achei sei blog por acaso, e tenho sido anônima na internet, ultimamente. Aliás, em todas as áreas da minha vida. Tive um esgotamento total de tudo. Cansei de blogs, de chats, de conversar e principalmente de escrever. Fiquei 2 meses sem computador e sem internet. E agora tenho economizado tempo fazendo outras coisas que não navegar na net… e olha, tem sido um ótimo tempo.

    Do mais, não sei o que dizer, mas vou orar pela sua família, acho que não tem nada melhor do que isso.

    Sei lá, bom descanso. Existe vida lá fora.

  7. Oi Lou,
    Siga o conselho do Anderson, relaxa um pouco. Visite os sites, fique de bobeira. Pior do que moicano ou tatuagem é ter um couro cabeludo todo tatuado e cabelo moicano como meu primo. Quando ele foi visitar minha mãe na ala de pacientes com câncer no pescoço e cabeça ele conseguiu ser o centro das atenções.
    Um abraço, estamos orando por você e o Thomas, continue orando pela minha mãe, a prótese está quase pronta.
    Um abração.

  8. Agradeço a cada um de vocês pelo carinho e preocupação. Vocês não têm idéia como isso me faz bem. Agora já posso descansar em paz. Tentarei remover esse vírus que abre essas propagandas indesejáveis, mas isso será uma operação arriscada, pois removerei todas as pastas do banco de dados e depois as trarei de volta. Não sei o que pode acontecer.
    Não tenho previsão do tamanho das férias. Como ensinou o grande filósofo Nick Lauda, a coisa é boa enquanto dá prazer. Então voltarei quando o prazer voltar.
    Um beijo e um abraço muito, muito apertado a todos.

  9. Lou, quando vc reclama da falta de comentários e apoio mais concreto, ponho a carapuça. Mas não é descaso não, mano. É pura incompetência mesmo.
    No mais, tô com vc, com a Alice, com a Vilma, com o Anderson, com o Mauricio.
    Mais ainda, tô na Gruta.
    Ab
    r

  10. Cadê o meu comentário? Escrevi duas vezes e ele nao entrou. Aff!!! Estao me boicotando por aqui???

    Tá tudo bem por ai? Olha, sevc pára isso aqui, eu vou ficar sem teto. Serei mais uma na fila dos sem teto….

  11. Lou

    O seu jejum não funcionou, não acredito que a abstinência blogante lhe fazer fazer algum bem.

    Cara, deixa de auto-flagelação. A vida já não está mole, não precisa que você agregue um componente masoquista.

    Navegue, reflita, fuja dos credores. E escreva, mais do que ser útil a nós, seus leitores, isso lhe faz bem.

    De resto, espero sua próxima vinda a São Paulo para te servir algumas taças de vinho.

    Abraço

  12. Que é isso…???
    Papai do Céu não vai nos castigar, nos privando das santas ironias encontradas aqui na Gruta. Afinal de contas, eu fui uma boa menina… não fiz xixi na cama e até passei direto na escola (ops, facul) e até tirei dez na monografia.
    Mereço continuar a encontrar coisa interessante por aqui.

    Quanto a estar desempregado… sei o que é isso. Larguei o enprego (professora de música, regente de corais) por opção, a escola estava me tirando a paz, só que eu não sabia que o marido ia me largar também por opção. Aí… imagine como a coisa ficou braba?
    Terminei a facul a duras penas, apoiada no braço do papai da terra e no colo do Papai do Céu. (Deixa o noel fora dessa). Agora estou programando o mestrado pra fazer concurso pra prof substituto na minha facul. Quem sabe eu passo, né?
    Mas antes disso vou ver minha filha e visitar a mãe da Geórgia em Natal… hehehehe ó aí a blogosfera funcionando até pra a gente ter férias sem precisar pagar hotel? Qualquer coisa, eu lavo os pratos! 😉

    Um abraço, meu amigo… (já me sinto íntima o suficiente para usar essa palavra) e uma semana abençoada, creia!

  13. Aproveite as férias, pois periodos sabáticos são muito bons e nos dão força para o que há de vir.

    Já dizia Elias, que dormiu muito, e foi alimentado pelo anjo, para então caminhar sem parar até a caverna.

    Abraços Fraternos.

  14. Tô com o Brabo, irmão a gente não escolhe, é e pronto.
    Eu te entendo, pode acreditar. Acho que o teu filme já foi reeditado miles de vezes (eu e a Alice já participamos). Conheço “uns par de crente” que passam por situações assim, e dóóóóóiii, caramba!!!
    Deixa quieto…
    Dizer que Deus está no controle nessas horas é como levar um tiro na perna, mas Ele está Lou.
    Faça o que quiser, seja o que vier, você tem minha mão e a do Má.
    O dentista (genro) topou ver o Thomas, mas tem que ser no consuiltório. Ele não tem equipamento para tratamento domiciliar. Se precisar de ajuda, transporte, sei lá, é só dizer.
    Amo você Lou!
    Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *