A Gruta do Lou

Prisão, que bom teres feito parte de minha vida…

Aleksander Solzhenitsyn
Aleksander Solzhenitsyn

Arquipélago Gulag

Não, essa frase não foi dita por Jesus Cristo. Quem a disse foi Alexandre Soljenitsin. Tanto quanto o mestre, o escritor russo foi preso injustamente, sob falsas acusações e, nem por isso, foi privado das calamidades da prisão, bem ao contrário.
A prisão não é, nem de longe, o lugar que as pessoas imaginam. Creio, em meu intimo, que o Nazareno incluiu a prisão em seu roteiro de viagem por que desejava experimentar todas as piores misérias humanas para tornar-se um digno representante daqueles que haveria de redimir. Afinal ele foi um cara duro, sempre desempregado, não teve namorada, não casou, o traíram, foi preso, torturado, morto e sepultado. O negócio de ressurreição carece de provas documentais.

Há muito tempo que as prisões, no Brasil e em muitos lugares, servem como cenário para todo tipo de prática criminosa. Na prisão entra tudo que os prisioneiros possam pagar, de drogas e álcool a prostitutas e não começou agora. Não é só no Pará, nas prisões das grandes cidades, também. A inovação paraense foi a ousadia de entregar aos presos meninas menores para viver (fazer sexo) com eles todos os dias, na qualidade de prisioneiras. Não me espantaria se a moda chegasse aos grandes centros.

Sem direito a julgamento justo, sem advogado de defesa, julgada por policiais e juízes treinados no inferno, uma garota de quinze anos foi atirada em uma prisão masculina de adultos. Ali foi torturada, afinal ser estuprada diariamente por mais de vinte presos só pode ser encarado como uma forma de tortura. Dificilmente essa jovem voltará a aproximar-se de algum homem, mesmo de alguém que lhe jure amor. Ninguém diz a quanto tempo isso vinha acontecendo e, pior, a prática já é comum naquele estado.

Claro que não estou muito preocupado com isso. Afinal tenho as minhas preocupações e não são poucas. Minha filha está aqui e vivo reclamando dela ser muito dependente dos pais e não dar indícios de que sairá de casa para viver a própria vida. Então o problema lá do Pará não tem nada a ver comigo. Jesus com aquela mania de salvador Emanuel é o interessado, então é melhor deixar o problema com ele. Provavelmente, o Galileu levantará um pastor assembleiano, muito comum naquela área, para amparar a menina e, se bobear, a levará para casa sob o pretexto de ampará-la, e também irá traçá-la. Os pastores assembleianos costumam ter o bilao desgovernado, como diria a Ofrásia. Mais um pecado a ser perdoado pelo enorme saco do Criador.

Para mim tanto faz, contanto que esses problemas permaneçam bem longe daqui. Qual será a prisão justa? Onde não aconteçam as torturas? Dizem que na Finlândia as prisões são diferentes. Em minha opinião, quem nasceu na Finlândia é prisioneiro congênito da maldade celestial. Não deve ter lugar pior nesse mundo infernal para se viver. Lá os caras chegam a ter dias de apenas quatro horas com luz solar. Se lhes dessem prisões como as nossas seria a maldade das maldades.

Sabe, o Soljenitsin acertou em cheio no que disse. A inspiração dele só pode ter vindo de Cristo. Essas experiências ruins que incluem os sofrimentos mais horrendos são excelentes para a formação de nosso caráter. Acho que aquela jovem virá a ser uma nova Santa Clara ou Tereza (a de Ávila), se bem que Tereza nunca fez sexo. Isso se escapar do pastor. Todo mundo deveria passar um tempo da vida na prisão. Não na Finlândia, mas no Pará ou em São Paulo ou em qualquer prisão russa. Garanto que a criminalidade iria diminuir. Meu vizinho e meu cunhado facistas vivem dizendo isso. Adoro a lógica facista. Escreveu não leu, se f…errou.

Acho que a tal igreja já foi e o trouxa aqui esperando a volta de Cristo. Tudo bem, recebi um telefonema do Pacablog me convidando para participar de um debate entre os Lous. É, eu e o pastor Marlou (que o pessoal chama de Lou), um pastor do evangelho quadrangular de Feira de Santana. O nosso tema será A influência da Tapióca na compreensão bíblica. Acho que o Paca está de sacanagem comigo. Mas eu pego ele na curva. Tudo bem se todos nós acabarmos na prisão, se o Mestre passou por lá, quem sou eu para evitá-la?

102913_1540_Maisumadmir3.jpg

Powered by ScribeFire.

7 thoughts on “Prisão, que bom teres feito parte de minha vida…

  1. Então tá…um dia só em Marabá..assim no meio da estrada, com 50 graus na moleira e um bando de desgarrados famintos do garimpo rodeando feito urubú. Ah, meu caro. Eu já fui lá, e também “visitei” no 4º DP na Augusta 🙁
    -(que meda)-

    Fiz um esboço do site e mandei o url por email.
    Dá um alô!

  2. Xiii, meu, tá difícil concordar com você!
    Cadeia? Eu?
    Eu, não!!!
    Tadinha da moça, mas eu não quero virar “moça” de marginal, não!!!
    Mas, cá com os meus botões: será que não tem um jeito de acabar, ou, pelo menos, aliviar esse estado das coisas (ou, coisas do estado) ?!?!?!
    O acontecido é muito triste, mas ainda por ser “comum”!!!

  3. Eu fico me perguntando o que ta faltando acontecer pro povo fazer alguma coisa!
    Já fizeram tudo.Tudo!
    Até colocar uma menina numa cadeia pra “acalmar” os presos ..
    =(
    Povo de Deus rs
    Fique contente.
    Hoje nós não vamos ás prisões visitar os encarcerados,
    mas não fiquemos tristes… o Senhor vai nos mandar la pra dentro.Está chegando a perseguição.

  4. hm…
    É muito clichê dizer que é o fim do mundo?

    Gostaria de saber o que fazer sobre isso(injustiças) além de orar e falar rs

  5. Oi Lou….. concordo contigo…. mas não a gente , somos bons e corretos demais (???), não precisamos de prisões (???) mais do que as que já temos(!!!), mas bem que conhecço lá umas 3 dúzias de pessoas que teriam uma grande oportunidade de melhorar num lugar como esse…. se quiser uma lista delas posso te enviar …hehehheeee….. 🙂
    bjkassss

  6. Lou, só vc mesmo para escrever sobre um assunto que chocou muita gente desse jeito. Sei que vc toma o lugar de alguém e transforma esse alguém em palavras. É uma pena que essa moca passou por isso, caso ela nao tivesse cometido o primeiro ato, no caso roubar, ela teria lhe poupado o segundo ato.

    Abracos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *