Pornoteologia imobiliária e carnavalesca

Todo homem tem suas incoerências e idiossincrasias. Não sou diferente. Alias, não faço esforço algum para evita-las. Suponho-me charmoso quando contrario expectativas. Há certo charme em deixar o decote um pouco insinuante, capaz de permitir aos curiosos verem um átimo de nossa beleza interior. Ainda que muitos pensem ao contrário, quando os outros reparam nossa humanidade indisfarçável, nos valorizam e sentem mais confiança em nós.

Não estou podendo dar a atenção desejada à Gruta, nesses últimos dias. Estou muito empenhado em nossa volta a São Paulo, às voltas com toda a burocracia que esses eventos requerem, a insanidade latente dos atores envolvidos e essa ansiedade do pessoal que me assusta, diante da sempre presente possibilidade das coisas não darem certo, nas primeiras tentativas e gerar uma baita frustração.

Por outro lado, pessoalmente, estou com aquela sensação de que dessa vez vamos. Se não for para ali, será para acolá, mas estou certo que essa mudança sairá. Mas se der certo nessa primeira tentativa será uma grande vitória. Acho que todos vocês deveriam depositar alguma oração em nosso favor nesse momento, pois a chance de ganharmos é alta, apesar das montanhas a serem vencidas. Sendo assim, o sucesso será de todos nós e seu também.

Tenho em mente o que toda a minha família fará em São Paulo, depois da mudança. No meu caso, faço uma ideia, mas ainda não detalhei um plano. Certamente o farei, embora funcione melhor sentindo o cheiro dos meus instintos. Há certa dúvida se partirei para A, para B ou farei A e B juntos. Claro, preciso manter uma certa possibilidade de incluir uma terceira ou uma quarta opção em meu futuro.

Quero muito captar recursos em beneficio dos cardiopatas congênitos, quem sabe encontrar uma forma não institucional de palpitar mais militantemente na teologia cristã, além do que já faço no blog e nas redes sociais. Gostaria de fazer outros clientes que precisem de fato de um bom fundraiser, mas sempre em causas ligadas às pessoas sofredoras, seja por doença, seja por necessidades, o que parece dar no mesmo. Mas se ninguém desejar a minha ajuda, quem sabe posso trabalhar para o meu Corinthians. Quando chegar no lugar para onde serei designado para cumprir a pena eterna, informarei aos meus inquisidores que tentei, mas ninguém interessou-se. Não posso enfiar goela abaixo os meus préstimos. Eles que punam os mal agradecidos todos.

Embora já estejamos entrando no segundo mês desse ano, ainda estamos em um ótimo momento para esses recomeços. Afinal, o Carnaval ainda não chegou. Estranho é que ninguém me convidou para realizar as minhas heréticas palestras carnavalescas, ainda. Minha intuição não está nada otimista a esse respeito. Será que amargarei mais um período de Momo tentando não ver aquelas abominações na passarela do Anhembí, com outro olho no Marquês de Sapucaí, enquanto leio um monte de livros pornoteológicos?

OPS: Enquanto fazia a septuagésima revisão no texto acima, recebi o livro do Tuco Egg, que ele gentilmente me enviou com dedicatória e tudo. Ninguém, mas ninguém mesmo, que tenha algum tutano poderá deixar de lê-lo. Então vai lá e peça o seu já. A Edição está se esgotando rápido.