A Gruta do Lou

Por uma globalização construtiva

“A internet é incrível” é o novo post do Thomas em seu blog. Um exemplo de como a ferramenta mais significativa da vida globalizada pode ser útil e bem aproveitada. Um pai pensa em voz alta e seu filho faz disso o tema para um excelente texto, que minutos depois está à disposição de mais de seis bilhões de pessoas, de todas as línguas, raças, cores e credos.
O professor Milton Santos escreveu “Por uma outra globalização” onde defendia a instrumentalização positiva da globalização. Por que não? E nós o que temos feito com ela?

Tenho acompanhado o desempenho da Gruta em termos geográficos e, dia desses, fiquei impressionado com a quantidade de leitores provenientes da América do Norte. Depois do Brasil e Portugal aparecem os norte-americanos, só espero que na final não dê Brasil e Estados Unidos, de novo. Bom, pelo menos ganhamos uma deles, a primeira. Dizem que onde passa um boi, passa uma boiada. Tomara.


A globalização está reestruturando o modo como vivemos, e de uma maneira muito profunda. Ela é conduzida pelo Ocidente, carrega a forte marca do poder político e econômico americano e é extremamente desigual em suas conseqüências. Mas a globalização não é apenas o domínio do Ocidente sobre os demais; afeta os Estados Unidos tanto quanto outros países. (Guidens 2000, p. 15)

Sentiu? A Gruta, este despretensioso blog, habitando em meio a milhões de outros blogs, está interagindo fortemente com norte-americanos e não pense você que são apenas brasileiros residindo lá, o que já seria ótimo, são gringos mesmo. O Thomas acaba de propagar uma frase que eu disse em menos de um segundo por todo o mundo conhecido e, principalmente, capaz de afetar a maior nação de nossa era. Cada um de nós é responsável pela globalização. Você, meu filho e eu.

Cada vez que leio um dos meus companheiros dizendo que pretende parar de postar em seu blog, meus olhos se enchem de lágrimas. É o risco de mais uma grande chance de globalizarmos a nosso favor que se vai.

Uma brasileira doente, que está na Suécia, soube do Thomas, do Projeto Coração Valente e enviou sua contribuição para participar da nossa luta. Isso não seria possível se o mundo não fosse globalizado. Já imaginaram se um Projeto África sem AIDs fosse detonado via Internet?

O Thomas sabe o que está dizendo. Vivendo praticamente como o menino da Bolha, entrou mundo a dentro, via internet, como se fosse um Marco Polo. Mas gerenciar e direcionar esse fenômeno é tarefa que nos cabe e o blog é a nossa arma. Até a evangelização poderia dar-se por aqui, mas não ficarei falando isso por aí porque não quero acabar com o mundo agora. Sou um mundano incorrigível.

Atenção: Não deixe de ler as notícias sobre o Projeto Coração Valente, ao lado, clicando em NOTÍCIAS. Obrigado.

Powered by ScribeFire.

5 thoughts on “Por uma globalização construtiva

  1. opa! olha a música para a amada aí =]

    pelo analytics, do google, é possível observar as fontes dos leitores, pelas respectivas cidades ao redor do mundo. acontece o mesmo aqui o que parece ser uma realidade invariável em diversos blogs: leitores brasileiros, seguidos pelos americanos. uma realidade interessante. portugal, com certeza pela língua, em terceiro.

    a globalização proporciona grandes aventuras.

    abçs

    A música veio por sua sugestão. Utilizo o Analytics, no caso da Gruta, ele funcionava bem até que precisei trocar de provedor. Ainda não acertei o lugar da tag e ele não está funcionando bem aqui. Mas o fenômeno globalização está gritando por mais atenção de nossa parte, certo?

  2. é mesmo impressionante Lou…
    🙂
    beijinhos,
    saudades,
    alê

    Já meti o bedelho no tema de setembro dos seus adolescentes. Podia?

  3. Oi, Lou!
    Não tive a aula da hora do almoço, então vim te visitar, ler teu post, relaxar com esta música lindíssima do Josh Groban(que eu adoro!), e aproveitei para dar um pulinho no Coração Valente e no Blog do Thomas.
    Parabéns aos dois! Pai e filho escrevem muito bem! Tenho orado por vocês sempre, Lou!
    beijoca carinhosa,
    Sua amiga Neli

    Acredito que essa cooperação em oração é indispensável e capaz de nos dar vitória nessas questões. Agradeço muito, perplexo em ver uma colega lá dos tempos de Vocacional participando de nossa vida atual. Só Deus mesmo. (Tô de olho em seu blog)
    Grande abraço

  4. Ahhhhhhhhh naaaaaaaaaaaao, alguém tá de brincadeira, verdade Lou e família??? Eu vou é orar CONTRA a tele foníca, muito pode, por sua eficácia, a oração de uma justa.

    Nossa, você encarnou o calo da rainha Vitória do Reino Unido, agora. Em seu tempo ela disse: Só há uma coisa que eu temo, a saber, o Sr. Charles Finney e suas orações, um justo.

  5. Pingback: Lou Mello

Deixe uma resposta para bete pereira da silva Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *