A Gruta do Lou

Plano B

Nunca em minha vida tive tanta certeza de ganhar na loteria como hoje. Antes de conferir, elaborei o plano todo, em detalhes. Seria a grande salvação da lavoura, dava até para ver minha cara no espelho com a sobrancelha direita levemente levantada e um sorriso lindo no canto esquerdo de minha boca. Isso tem um poder incrível de aumentar o tamanho da frustração. E ela veio a cavalo, ao conferir, percebi que não havia acertado, nem o finalzinho, para recuperar a grana apostada, deu as caras. É, fazer o que? Agora é partir para o plano B. Onde raios eu o coloquei? Não está em parte alguma de minha memória. Será que não preparei o maldito plano B? E agora?

Adalbertooooooooooooooo!

Desse jeito já estou até vendo… Acabarei cedendo aos caprichos de Deus outra vez e me humilharei praticando aquelas bobagens, tais como jejuns,  orações, etc.; e pedirei a intervenção celestial. Se não tiver outro jeito… Ficar parado esperando a casa cair, não vai dar.

15 thoughts on “Plano B

  1. Lou

    Da próxima vez acredite mais na estatística e olhe para o denominador e não para o numerador da probabilidade

    Pior é que estou careca de saber a diferença. Mas, passei três dias melhores devido a esperança, ainda que fugaz.

  2. Acertar na loteria? É mais ou menos como pegar papel na ventania…ou acreditar em livro de auto-ajuda, que só ajuda mesmo
    quem teve a idéia de escreve-lo, nem precisa ter muito conteúdo,
    pois o desespero corre solto no mundo…

    Acharam que eu tinha ido embora? Me garantiram mais algum tempo
    por aqui, dá pra acreditar?

    Se depender de nós, você será a última a sair. Deixaremos as chaves com você. Pelo menos, nossas orações estão enlouquecendo o pessoal do céu, nesse sentido. Sua ausência foi notada.

  3. As orações me ajudam, e muito…tenho me fortalecido por conta
    disso… chego a me sentir uma barata: levo vassouradas, recebo
    doses cavalares de inseticida (mortal?), fico com as perninhas
    pra cima, o pessoal acha que estou morta, me embrulham com certo
    nojo, me jogam no lixo…quando acham que está tudo terminado,
    eu saio lentamente, meio tonta, e eles ficam horrorizados!
    Esse pessoal não tem fé…

    Lou, obrigada pela paciência, pelas orações. Os seus créditos,
    lá em cima, devem ter aumentado muito esta semana, bem que o
    velhinho poderia permitir que você resgatasse um pouco para
    usufruir AGORA…

    Tá limpo, o que importa mesmo é sua saúde (física, mental e espiritual) o resto não tem a menor importância. Os seres humanos formam uma das piores espécies sobre a terra, auto-destruidores, predadores e insensíveis. Nos centros de tratamento de saúde, igrejas e essas instituições para “cuidado humano” a coisa fica pior. O lugar onde costumo ser melhor tratado é no boteco do Waldemar, onde sou respeitado e admirado, até. Passe lá para tomar umas e outras com a gente. 🙂

  4. Um de meus exercícios favoritos é ficar gastando mentalmente o dinheiro do prêmio da loteria.

    Gostei muito do comentário da Raquel.

    Ah! Eu sabia. Depois não sabe a causa do transtorno, né?

  5. … Lou, podemos começar uma “corrente” (!!!???) de jejuns e orações a favor de um premio da mega sena só pra nós….. difícil vai ser dividir o bilhete….heheheeee

    beijos pra vc

    Bom, esse problema não seria difícil resolver, pelo método hindu. O mais velho, entre nós, ficaria com tudo. 🙂

  6. RAQUEL VOCÊ VOLTOU, FICAMOS FELIZES, SENTIMOS SUA FALTA! Eu sei que se ganhasse na loteria, DEIXARIA DE SER EU MESMA (seria uma milionária!!!!!!!!!) Fazê uma fezinha de vez em quando não faz mal a ninguém, né? Pro caso de não ganhar, recorremos ao Plano B. Plano B? Alguém falou em Plano B? Bem, o Plano B, esquece. Negócio é vivê a vida assim memo. Mió, istraga…

    O bom da loteria é manter nosso moral elevado, até o dia do sorteio. Depois voltamos a ser nós mesmos, os imorais de sempre, fora a culpa. 🙂

  7. Lou, só posso de dizer uma coisa, tente de novo e continue sonhando.
    … mas mantenha sempre o plano B bem a vista!

    Acho que menosprezo tanto esse plano que quando preciso dele não consigo encontrá-lo.

  8. Só mais uma coizinha:
    como a coisa estava tão feia ultimamente eu tive que adaptar a técnica. Sonhava a semana inteira como gastaria o plano. Mas evidentemente não jogava.
    Pouco antes do jornal divulgar os números eu escrevia minha fezinha e conferia para ter ainda por cima a sensaçãozinha gostosa de ter economizado o dinheirinho do bilhete. São coisas do cotidiano como cantou bem Vinícius e Toquinho.

    “depois faço a loteca com a patroa,
    quem sabe nosso dia vai chegar,
    e rio porque rico ri atoa,
    também não custa nada imaginar”.

    Estou mesmo com Vinícius e Toquinho, pois faço o jogo. Esse negócio de anotar os números e não jogar parece coisa de alemão. Tô fora! 🙂

  9. Lou Deus prefere que vc se humilhe procurando emprego, qualquer um, garçon, professor,técnico de qualquer coisa, ou assistente de coisa nenhuma, o que Ele não aprova, de maneira nenhuma, é emprego de pastor, porque aí o pagamento só do “lado de lá”. Os que recebem aqui estão todos fora da graça, permanecem na lei dos homens que dão o maior dizimo. Caia nessa não. Melhor continuar fazendo sua “fezinha”.

    Cofessarei algo. Não há nenhum dia em que não sonhe com o telefone tocando ou um E-mail chegando com alguma notícia de emprego. Sou um dos sócios mais velhos da CATHO e do EMPREGO.COM e, tirando umas ofertas para ser gerente de loja na Baixada Fluminense, nunca fui contatado para nada.

  10. Cuidado comigo, se vc se confessar eu vou interpretar e aí seus amigos vão ter que dizer foi sequestrado…ahahahahaha.

    Minha carteira de vacinas está em dia. Estou tranqüilo.

  11. Lou,
    vc já pensou na possibilidade de Deus estar querendo vc na baixada fluminense em vez de com seu amigo na faixa de Gaza?

    Nem Deus seria capaz de uma maldade dessas.

  12. Lou,

    É que Ele escreve certo por linhas, que “nóis” pensamos, que são tortas. Eu li a história verídica de um cara a quem Deus pediu que sacrificasse o seu proprio filho e aí, esse homem, daqueles que não se fabrica mais, foi lá, sem sequer questioná-lo sobre a possibilidade do mal…o resto da historinha vc sabe no que deu.

    E como nunca fui a Gaza, não entendo porque a turma quer ir prá lá e não se dispõe a ir as “baixadas” da vida. Será que porque lá a terra é Santa?

    A diferença que eu conheço entre as duas regiões é que enquanto na baixada fluminense as balas se perdem, em Gaza as balas são certeiras.
    Falando sério, não tenho nada contra os missionários enviados à baixada fluminense e eles têm todo meu respeito, se existirem. Minha história se passa em Israel e adjacências, esse é o cenário dela. Mas é só literatura fictícia evangélica de segunda. Missões nacionais não interessam aos leitores. Houve um tempo onde havia algum interesse em missões entre os índios, mas a área é muito disputada por interesses políticos, atualmente, e quase não se fala mais nisso.
    Sou um cristão auto excomungado ultrapassado, dos tempos em que se fazia missões, internacionais ou nacionais, com risco da própria vida, e isso me levou aos rincões tupiniquins e a outros quadrantes em latitudes e longitudes distantes. Hoje em dia o pessoal faz mestrado lá na faculdade metodista de cunho mais liberal, escreve algum livrinho de propósitos ou criticando os pobres neo-pentecostais e procura alguma igreja exótica nas regiões mais ricas das grandes cidades. Coisas do mundo globalizado pós moderno.

  13. Realmente Lou,

    É melhor se excomungar do que está aí, atravessar as portas do inferno, enquanto há tempo, e seguir o Senhor Jesus, único pastor, a quem o Pai abrirá a porta verdadeira. O resto é pirataria!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *