A Gruta do Lou

Os rebeldes

Ontem, hora avançada, meu celular tocou. Pelo identificador de chamadas percebi que era o Daniel. Atendi. Assim como fez no natal, ele estava ligando para me desejar um feliz ano novo. Esse cara é um judeu errante, mesmo. Onde já se viu ligar para um rebelde como eu? Ninguém explicou para ele que devemos ligar desejando feliz ano novo só para pessoas em ascendência, capazes de nos facilitar a vida no ano que vai nascendo e, sobretudo, aquela gente alinhada, estereotipada, incapaz de rezar fora da cartilha. Rebeldes devem ser evitados, rejeitados e crucificados. Essa sim, é a regra máxima.

O mundo estaria muito melhor sem os rebeldes. Veja o caso do Mahatma Gandhi. Se não fosse sua insistente e incomoda rebeldia, a Índia estaria feliz sob o domínio Inglês, até hoje, ao invés dessa insana luta por encontrar seu próprio caminho e viver suas próprias experiências de liberdade. Um bilhão de indianos estaria consumindo os produtos ingleses e servindo-os como mão de obra escrava. Outro rebelde desnecessário foi o insano e imprudente pastor batista Martin Luther King com suas longas e cansativas marchas, discursos sorumbáticos e aquelas pregações heréticas sempre mencionando a necessidade de igualdade entre negros e brancos nos Estados Unidos. Não fosse sua rebeldia, o preconceito racial na América do Norte estaria vivendo livre e solto até hoje, matando e injustiçando aos milhares, e aquele povo não seria obrigado a engolir um presidente negro, agora. E o imprudente rebelde sul africano Nelson Mandela, então? Onde já se viu passar dezessete anos na prisão devido a bobagens como não sujeitar-se ao regime de segregação racial imposta pelos afrikans (minoria branca)? Pior ainda foi sair para tornar-se o primeiro presidente negro de um país soberano na África, onde até então só governavam orindos das raças brancas imigrantes  e onde todo mundo sabe que há a predominância negra, apesar disso,  fazer um governo democrático e sem rancores.

Considero Jesus de Nazaré o maior dos rebeldes e péssima influência às crianças, adolescentes e jovens. Ninguém foi mais rebelde, mais dissidente e mais intransigente em viver em completo desacordo com o status quo vigente em seus dias. Imagine que ele ousou peitar seus familiares, os pastores (rabinos e sacerdotes) da sua igreja, as autoridades e a mídia daqueles dias. Foi um rebelde unânime. Se ele, ao invés desse insano modo de vida desajustado, falando coisas que as pessoas não desejavam ouvir, realizando seus inoportunos milagres, houvesse se mantido na linha, trabalhando obedientemente em seu emprego na carpintaria de seu pai, cuidando da sua mãe em sua viuvez e de seus irmãos mais novos e casado com uma boa moça judia para ter a quem deixar sua herança de bom cidadão, não teria sido preso, torturado, cuspido e crucificado. Hoje, ninguém mais se lembraria dele.

Viver em rebeldia é pecado. O Zenon falou-me disso incansavelmente. O Deus de nossa igreja não abençoa os rebeldes, nem os psicólogos o fazem. Gente equilibrada é gente que anda na linha, na linha estabelecida pelos senhores desse mundo. Onde já se viu ficar escrevendo contra os pastores do Morumbi e adjacências? Pior, muito pior é criticar o bispo de Saddleback Valley com sua filosofia de ministério inteiramente vendida ao “Zeitgeist”, propondo a homogeneização das igrejas e um pragmatismo de dar medo, segundo Ricardo Gouvea. Como pode alguém viver, se dizer cristão e não ser alinhado com nenhuma das propostas vigentes e aceitas, tais como o Calvinismo, o evangelicalismo, o pentecostalismo, o neo-pentecostalismo, G12 ou a moda: a igreja e a vida com propósitos?

Portanto sou um grande pecador, pois sou rebelde e não alinhado. Meu maior propósito é nunca ser fiel aos meus propósitos e muito menos aos do senhor Rick e seus macaquitos de imitação. Claro, diante desses gigantes citados, sou um humilde e mero aprendiz de rebelde. Quem me conhece a mais de quarenta e cinco anos, como a Neli e meus familiares, há de testemunhar o fato de que sou um rebelde persistente, pois nunca deixei de sê-lo. É mais forte do que eu, sempre foi. Toda vez que alguém me diz para ir para a direita, teimo em perguntar por que não para a esquerda. Se não me respondem de forma consistente, sigo pela esquerda para ver onde vai dar. Sei que estou errado, como meus companheiros dessa história o foram. Isso tem arrastado muitas pessoas ao sofrimento e a essa vida de limitações e vergonhas. Se ficasse quieto em meu devido lugar, estaríamos todos bem. Principalmente, por não incomodar ninguém. Rebeldes incomodam muito.

Não me subestime nesse ponto. Sei muito bem que se escrevesse coisinhas aceitáveis aqui, como aquela blogueira cubana cuja média de comentários aos seus posts fraquinhos é sempre superior a mil, ou mesmo como a consistente crooner do Diante do Trono, campeã em comentários entre os blogueiros cristãos, isso quando escreve, geralmente, uma ou duas vezes por ano e você pode imaginar as pérolas de que ela é capaz. Bom , mas elas não são rebeldes, aliás, a cubana é, em relação a Fidel e seu país de merda (com todo respeito ao povo cubano e à blogueira) construído por um bando de assassinos de Sierra Mestra, liderados por aquele velho tarado que insiste em não largar o osso.

Mas não há o que fazer. Continuarei minha senda rebelde até o fim de meus dias e, se me mantiver blogando, terei que sobreviver a escassez de comentáristas e a diminuição de links à Gruta nos outros blogs, afinal não sei cantar, moro do Brasil e, sobretudo, sou um miserável rebelde.

3 thoughts on “Os rebeldes

  1. Lou lOU

    O insulto vertical ta sendo bem aproveitado por aqui…hhehe

    abraçoss

    Ainda não, insulto vertical, em nosso caso, seria insultar o Brabo, Rubinho, Alysson, Bete, Neli, você, Volney e todos os grutenses. Gente cult e culta. Os citados são ídolos de pano da gentalha que corre atrás do vento.
    Feliz ano novo. Benção abundantes de Deus para você. Vê se planta soja por mim e por você, este ano.
    Abraço

  2. Eu não sou blogueira,nem cult e nem culta.Porém tenho sido uma grutense insistente e presente.Se tudo correr nos conformes,estarei sempre aqui, comentando e dando os meus bolas foras.Pode contar comigo,pelo menos pra fazer número.(ahahahaha)Agora,com relação à rebeldia,essa meu amigo,num dá pra abrir mão.

    FELIZ 2009 BEM REBELDE.

  3. Pois é: podemos ficar numa posição confortável e olhar só para as coisas bonitas,frases bem estruturadas,coisas que caem bem aos nossos
    ouvidos,assim não nos aborrecemos, a vida passa mais leve…
    Também nos é permitido contestar,não aceitar, brigar mesmo e com nossa
    rebeldia tentar mudar o que nos incomoda…
    Para quem não escolhe lado algum, pode ficar em cima do muro mesmo.

    ” A vida é algo que passa, enquanto ficamos pensando e não nos decidimos por nada”

    ” A fila anda”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *