A Gruta do Lou

Onde Deus está?

Gosto de pensar em Elias e Jonas e quanto eles têm muito em comum. Pelo menos, posso afirmar que os dois ousaram discordar de Deus. Elias voluntariamente engrutou, enquanto Jonas, compulsoriamente, empeixou. Deus usou um de seus milhares de atributos para lidar com esses dois malandros. Pacientemente, mostrou onde ele estava e o que realmente desejava deles, esclarecendo a confusão por eles armada, cada qual em seu contexto, devidamente municiadas pelas noções equivocadas por eles acalentadas. Deus não estava onde Elias queria e, muito menos, desejava dar ao Criador aquilo que ele esperava dele. Com Jonas deu-se exatamente o mesmo. Deus veio e à Gruta e desconstruiu as noções equivocadas do profeta. Fez o mesmo com Jonas e, duas vezes, na barriga do peixe e ao lado da aboboreira.

As pessoas engrutam-se ou empeixam-se ao longo da história da civilização. Esses personagens bíblicos não foram os primeiros e, muito menos, os últimos. A razão ou a justificativa capaz de levar tantos a essa exclusão voluntária ou compulsória começa e termina nas falsas crenças de cada um.

Nesta páscoa, resolvi trocar os ovos de chocolate, afinal eles não chegaram por aqui, por textos politicamente incorretos, contrariando as crenças vigentes sobre a morte, a vida e a ressurreição. Os leitores, que não foram poucos, não manifestaram opinião. Um ou outro, com maior cuidado, sinalizou. Mas ninguém criou coragem para contestar veemente o velho e sofrido escritor. Puro respeito a um quase moribundo.

O velho Hamlet fora assassinado por seu irmão Cláudio que usurpou as duas coroas dele, a de por na cabeça e a de por na cama. Morto, não teve outra alternativa a não ser aparecer em espectro ao seu filho e revelar as imagens do assassinato e de seu autor, legando assim ao jovem a sinistra missão de vingar-lhe e restaurar-lhe a honra.

Considerado um louco, tanto ou mais que Hamlet, ando movido pelo espectro de um Senhor que me legou a tarefa de restaurar-lhe a honra, revelando ao povo (meus preclaros leitores) a face oculta de alguém como Cláudio que usurpou o trono da Dinamarca e tomou as duas coroas para si. Penso que o trono do reino de Deus na terra foi usurpado e o usurpador tomou para si o reino e a noiva, como fez o cretino do Cláudio.

As pessoas desconfiadas correm para a Gruta ou são levadas à barriga do peixe, temerosas de não estarem mais vendo ou ouvindo a voz do Senhor. Pior, só um espectro lhes aparece com imagens tenebrosas de água manchada com sangue, sexo ilícito e dinheiro de origem maligna. Então, elas ouvem a voz que lhes chama pelo nome e lhes diz: “Não estou onde você pensa que estou. Você tem me procurado nos lugares errados“.

“Eu moro no silêncio”.

5 thoughts on “Onde Deus está?

  1. Como não demonstrar respeito por alguém que é movido a espectros ?

    Dessa vez você foi quase nietzscheniano, só faltou declarar que Deus morreu e alguém precisa vingá-lo…ou a analogia parou antes e eu não percebi ?

  2. Fábio
    Ainda não declarei a morte de Deus, mas Ele precisa aparecer, com seus milagres, presença, sutilezas, enfim, do jeitão que lhe é peculiar. Ele tem andado muito distante. Não sei se tem outros planetas habitados mais interessantes, mas o fato é que Ele tem nos deixado na mão, ainda que não totalmente. Eu que o diga.

  3. Deus está na sombra.Onde menos se espera,está.A mim não tem deixado totalmente,nem a você com certeza.Seu silêncio é por vezes desalentador,mas como Ele é dono de todas as coisas,sabe sempre o que faz,como e quando…o difícil é esperar.

  4. Pensar, sentir, ou saber Deus é trabalho para uma vida inteira, eu acho. Pelo menos tem sido para mim. Muitos são os questionamentos que faço constantemente. Mas um certo dia esse turbilhão de idéias se acalmou quando eu lia o livro “Memórias, Sonhos e Reflexões”, de Carl Gustav Jung, psicólogo suíço (contemporâneo de Freud). Na sua casa próxima ao Lago de Zurique, sobre a porta de entrada há uma frase esculpida em latim: “VOCATUS ATQUE NON VOCATUS DEUS ADERIT” – “Invocado ou não Deus está presente”. Essa foi a resposta que o Oráculo de Delfos deu para Lacedemonians quando eles estavam planejando uma guerra contra Atenas… Essa idéia me tocou profundamente e então eu me senti tranquila para ora acreditar, ora duvidar ou indagar todas as minhas dúvidas, com uma certeza apenas: “Invocado ou não, Deus está presente”…

    1. Eliana

      Obrigado pela visita e por seu comentário muito bom e absolutamente pertinente. Sem falar na ilustração interessantíssima sobre Jung e a inscrição na porta da casa dele. Imagino que para os psicólogos isso se reveste de importância ainda maior.
      Deus está presente, sempre.
      Legal, fique conosco sempre e comente à vontade.
      Saudações
      Lou

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *