A Gruta do Lou

O sonho e o anjo

Nessa madrugada, dois acontecimentos mudaram a rotina das minhas noites de sono intenso e tranqüilo. Primeiro foi um sonho daqueles que você seria capaz de jurar ser tudo real, embora tudo nele era absolutamente irreal. Depois, quando finalmente despertei do sonho, ouvi o hum hum característico de um anjo desalinhado e exótico ao qual já me acostumei. Ele estava em pé ao meu lado e impaciente para me dizer alguma coisa.

No caso do sonho, penso que precisarei alguns dias para ruminar e compreender seu significado. Outro dia tive um sonho muito claro onde um antigo amigo dos tempos de juventude estava me dizendo quão ridículo e chinfrim era o nosso Projeto Coração Valente. Precipitado, conclui pelo significado mais inadequado, ou seja, considerando a boa situação financeira do excomungado, resolvi acreditar no caráter sinalizador do sonho e enviei E-mail para o desgraçado solicitando uma reunião urgente. Acertei em metade da interpretação, era um sonho sinalizador sim, a parte mal interpretada foi a segunda, esse era um fulano a ser esquecido em termos de participar do projeto.

Quanto ao Raniel a conversa foi a seguinte:

– Então você está aí, novamente? Estava sonhando um lindo sonho.
– Eu sei, por isso não o acordei e decidi esperar ele terminar.
– Obrigado. Como vão as coisas lá no céu.
– Tudo na mesma. Muito trabalho, os trabalhadores são poucos, a seara grande, etc…
– O que o trouxe aqui, afinal? Quando você aparece sem insistência, fico preocupado…
– Também estou preocupado com vocês… Quando vi uma mensagem a ser entregue em seu endereço tratei de apressar-me.
– Mensagem do céu? Isso é bom…
– Espere! Ouça primeiro e tire suas conclusões depois.
– Manda.
– Há um cavalo, quase um jerico. Sua mãe está ao lado dele perguntando: Lou, você viu as patas desse cavalo? Você olha e vê as quatro patas sangrando, sendo que uma delas está decepada, da metade para baixo.
– E que mais?
– Como o que mais? Há vinte e um dias estou com essa mensagem no bolso tentando entendê-la e nada. Espero que você me diga, antes de ir embora, o significado dela.
– Bobagem, sonhei com essa imagem há anos atrás. Cada pata era uma das pessoas de minha confiança da época. Quatro homens presentes em meu dia-a-dia, todos machucados e um deles muito arrebentado. Sobre eles eu depositava minha confiança e esse foi o alerta para eu rever minha base de vida profissional.
– Deus! É isso mesmo. Mas agora não estou entendendo porque essa mensagem estava em sua caixa-postal, de novo, tanto tempo depois.
– Você olhou a data dela?
– Sim, janeiro de 2008, traduzindo para a data da terra.
– Com assim? Deixe-me ver.
– Você sabe que não posso fazer isso. Mas acredite em mim. Mentir não está entre os meus defeitos.
– Atualmente não estou confiando em ninguém. Você sabe quanto estou só. Não tenho nenhuma base pessoal ou profissional. Estou mais sozinho, perdido e pressionado do que cego em meio a um tiroteio, na favela de Heliópolis.
– Então é isso.
– O que?
– Você continua sem base confiável alguma.
– É mesmo, isso é verdade.
– Agora posso ir embora tranqüilo. Já dei uma olhada no Thomas. O Blog dele já repercutiu no céu. Ele precisa dormir mais à noite e se exercitar, diga a ele. O resto virá no tempo certo. Fiquem em paz.

Então sumiu. Só Deus sabe quando aparecerá novamente. Coloquei outro travesseiro sob o titular para poder erguer mais minha cabeça. Penso melhor assim. Então me lembrei do meu sonho. Era uma reunião do Pai, do Filho, do Espírito e eu. Estávamos sentados sobre a relva e a volta de uma toalha repleta com alimentos saborosos e taças de vinho cheias.

[O sonho e o anjo]

לּהּמּ

12 thoughts on “O sonho e o anjo

  1. Olá Lou,

    Cada vez que aqui chego, há uma surpresa á minha espera.

    Tenha um bom resto de dia

    Uma braço

    Viviana

  2. Viviana

    Ainda temos metade do dia pela frente, por aqui.
    Difícil é aproveitá-lo bem.
    Quanto às surpresas grutenses concordo com você. Eu mesmo me surpreendo muito, mesmo sabendo antes o que acontecerá. 🙂
    Obrigado e um braço para você também.

  3. de acordo com o manual demoniólogo que tenho em mãos, um anjo que não fala na segunda pessoa do singular em seu “tu fazes”, “tu conhecestes” é na verdade o Tinhoso.

    abçs

  4. Filipe

    O Raniel arrebenta com todos os manuais sobre anjos existentes. Demorou para nós o aceitarmos como tal. Mas ele já deu provas da autenticidade e, melhor, abriu nossos olhos sobre a verdade dos anjos. Caso tenha tempo, pesquise coma a ajuda da nossa busca digitando Raniel. Quem fez isso garante que a diversão é garantida.

  5. Hehehehehe
    Esta madruga, aconteceu algo quase parecido comigo: perdi o sono e então virava-me pra lá e pra cá e nada de encontrá-lo. Contei ovelhas…1000…desisti…olhei para o notebook me olhando ao lado na cabiceira da cama, e pensei: será que preciso escrever alguma coisa coisa? Então, acendi a lâmpada do abajour e lá foi eu, primeiro ler e ler e depois escrever, escrever…até que a coisa foi ficando compreensível e saiu aquele texto lá. Hehehehehehehe

    Depois de pronto e meio revisto (regras gramaticais às 2, nem sempre são seguidas…rs…), virei-me e perguntei ao Senhor ou anjo:- posso dormir agora, posso, posso, posso?…rs…e aí acordei quase às 10 hs. rs…

    Vou conhecer o blog do Thomas…

  6. Chris

    É isso aí! Você esta pegando jeito. Daqui a pouco você estará chamando cada um deles pelo primeiro nome. Quanto à profecia, não esqueça: sou profeta. 🙂

  7. Alex

    Como dizem aqui em casa, não sou confiável. Sendo assim, o fato de um post ser classificado sob a rubrica ficção não quer dizer muito. Pode ser que o autor esteja tentando minimizar o impacto junto aos leitores mais ortodoxos que não crêem em anjos ou se resguardando de possíveis comentários nada simpáticos ou da fama de herege. Como você já deve ter reparado, não tenho nada de herege, tirando uma ou outra postura mais exótica. 🙂

  8. Lou e seus mistérios…

    Voce está até bem com o Raniel, afinal por cá, não passa nem sombra de anjo, e se olhar pra cima capaz de cair um míssil oriundo de uma das pombas da cidade…hehe

    abraços Lou

  9. Wander

    Na verdade os anjos andam por aí. Sei que não é fácil vê-los ou falar com eles. Até os anjos precisam vencer algumas barreiras deles para conseguir comunicar-se com os humanos. Se você me perguntar como eu consigo, sinto muito, não conseguiria lhe dar uma resposta adequada. Como já narrei aqui, aconteceu quando o Thomas nasceu, ainda na maternidade, comecei a ver anjos por todos os lados. Nunca questionei sobre como isso é possível. A princípio pensei estar sonhando, mas depois acostumei-me com eles, mesmo com aquelas roupas exóticas, alguns com asas imensas, etc. Quando você esteve aqui, eu vi seu anjo da guarda e falei um pouco com ele. Não precisa acreditar. Você sim está melhor que eu. Meu anjo foi retirado quando eu ainda era um menino, devido à escassez de anjos. Ele foi cuidar de um menino que acabara de nascer e era uma promessa na expansão do evangelho. Gente assim não pode passar por grandes problemas para não perder o foco. Parece que o recém nascido chama-se Ed alguma coisa. Sem anjo fui incluído no serviço público de proteção angelical, um departamento burocrático lá do céu, que nunca funciona.
    O fato de você ter seu anjo pessoal intacto, embora não possa vê-lo e tenha que confiar no meu dom, demonstra que os céus e seu chefe supremo tem grandes planos para você, o que nunca foi o meu caso.
    (ficção)

  10. Pingback: Lou Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *