O que o LSD tem em comum com a justiça de Deus?


Arte de Morgan Weistling

“Olhai as aves do céu; não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros e, contudo, nosso Pai celestial as alimenta”… “Olhai como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem fiam. Eu porém lhes digo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer um deles”

Jesus estava sob efeito de oração quando disse essas palavras, ou pode ter sido a mistura de pães ázimos e vinho que ele vivia fazendo. Cientistas judeus teriam descoberto que essa mistura produz efeito igual ao LSD, em quem as ingere. Claro que os agentes da ANA trataram de acobertar esse detalhe. Mas só pode ter sido algo assim, o elemento capaz de levar Jesus Cristo em pessoa a pronunciar palavras tão injustas. Coitados dos caras que ralam feito uns loucos para colocar comida na mesa de suas casas.

Steve Jobs lamentava que Bill Gates nunca tivesse tomado um pouco de LSD. Pensando bem, acho que Deus lamenta por a maioria das pessoas nunca ter experimentado o bom e velho LSD ou um pouco de oração puxada em pães ázimos com vinho. Quem sabe isso não desse alguma noção a certos vira-latas que andam por aí bancando sabichões. Tem caras capazes de ofender o Criador com palavrões ou aneurismas (diferente de aforismas) do tipo: Deus é justo.

Taí uma matéria na qual, jamais, nos formaremos e onde Deus nunca se imiscuirá. Claro, também creio em um Deus justo, mas não da maneira como suponho a justiça. Pra falar a verdade, nunca entendi grande coisa desse tema, mas tenho certeza, não é nada parecido com algo que imaginemos. Para mim, Deus não perde tempo em fazer justiça, tudo que Ele faz é criar alternativas à nossa injustiça. Mas isso está longe de ser a justiça divina. Se é que me entendem.

Hoje fui ao posto do INSS local, todo animadinho. Pensei duas coisas, primeiro em me aposentar com, digamos, uns quatro salários mínimos mensais. Isso me serviria como uma base que somada aos meus outros rendimentos, nos tranquilizaria. Depois, conseguir uma certidão com a qual a Caixa Econômica Federal me permitiria sacar meu saldo de cotas do PIS em favor do Thomas. Depois de um tempão esperando o cara pesquisar toda a minha vida profissional (mais de quarenta anos) e descobrir que todo o tempo dedicado às missões, igrejas, escolas teológicas, recuperação de dependentes químicos, marketing para organizações sem fins lucrativos (filantropia da boa) e aulas de Educação Física para alunos de escolas públicas do Estado de São Paulo não contam tempo para a minha aposentadoria. Sim porque, junto com as minhas duas empresas, nunca houve recolhimento de INSS por essas atividades espúrias. Sabe, nesses ramos, vivemos pela fé e quem tem fé não precisa e nunca precisará de INSS. Só me sobraram nove anos de tempo de serviço com recolhimentos. Devo ter os comprovantes de mais uns quatro, que não constam dos arquivos deles, ou seja, ainda faltariam dois para atingir o limite mínimo para conseguir uma honrosa aposentadoria de um salário mínimo por mês, para o resto de minha vida, que seja eterna enquanto dure, posto que é chama.

Felizmente consegui a certidão para liberar minhas quotas de PIS e ajudar em alguma coisa no tratamento do meu filho. Saí um pouco radiante, já imaginando ele com todos os dentes tratadinhos e bonitos, uns óculos novos bem legais na cara dele e até pensei em convidá-lo para sairmos na noite do recebimento para comer uma pizza da hora. Imagine! Isso durou só até chegarmos à Caixa Econômica Federal, onde fui devidamente informado que não poderia sacar minhas quotas do PIS para uma pessoa portadora de cardiopatia congênita complexa, apenas. O regulamento desse porcaria só permite o saque destinado às pessoas portadoras do vírus da AIDs ou Neoplasia (Câncer). Nesse caso, meu filho teria a doença errada. Quem mandou não saber escolher? Filhos da Puta!

Em todo o nosso nefasto planeta, a cada dez nascimentos, um bebe nasce com cardiopatia congênita e desses, oitenta por cento são graves, por causa da complexidade. Isso significa que, só no Brasil, deveríamos estar convivendo com algo em torno de dezenove milhões de cardiopatas congênitos. Mas fique tranquilo, sobreviveram bem menos do que todos esses bebes cardiopatas e, pela preocupação das “autoridades políticas” às voltas com Copa do Mundo e Olimpíadas, isso ainda continuará assim por muito tempo. É justo? Não é para nós e nossa justiça de merda.

O cara do banco me deu a má notícia com cara de boi. Perguntou-me se eu não poderia conseguir mais grana por outros meios e deu murro na mesa, p da vida. Expliquei a ele que não anda muito fácil para eu trabalhar, mesmo sem recolher o INSS e os outros impostos e fica pior quando meus clientes e/ou patrões descobrem que sou envolvido na causa dos cardiopatas congênitos. Certamente eles nunca tiveram coragem de dizer isso na minha cara. Bem, o Robson chegou a dizer algo parecido, mas por telefone. Já o perdoei. Com isso virei um eterno endividado e meu legado será um monte de dívidas, se Deus continuar a não ser justo como nós gostaríamos. Nessa altura o homem estava com os olhos cheios de lágrimas e resolvi poupá-lo, estendendo-lhe a mão para um até-logo. Ele respondeu dizendo: Deus te abençoe.

Se essa gente tivesse tomado um pouco de LSD ou, ao menos, orado mais (o ácido autoimune dos crentes) quem sabe poderíamos ver o mundo com outros olhos, com mais música, poesia, flores no campo, aves nos céus e outra justiça, quem sabe a de Deus, que ainda não conhecemos. Meu, nem Salomão em toda a sua glória jamais viu algo assim. O que Jobs teve foi só um vislumbre, mas foi o suficiente para mudar o mundo.

OPS: Claro que isso é, em grande parte, um desabafo. Não se preocupe comigo, com meu filho e essas ninharias. Não espero nada, nem de minha mãe que sempre usei como uma ultima opção, quando tudo mais falhava, me aguentou e me desertou forevis à beira do último natal. Mas saberei esperar a alternativa de Deus, ou quem sabe, a justiça divina.