A Gruta do Lou

O deserto falante


Como o Paulo Brabo já comentou é melhor não tentar tapar o sol com a peneira.
Na verdade, derrapei e deixei um post sem post. Talvez, tenha sido um ato falho ou até um impulso descontrolado da vontade.

Vai ver, era isso mesmo a fazer. Mostrar que as vezes não penso em nada. É a mais pura verdade. Pior, em outras, só penso bobagens. Mas, não estou sozinho nessa. Gente como Nietzche, Einstein, Beethoven, Paulo Brabo, Volney e tantos outros grandes já declararam ter tido esses lapsos, vez ou outra.

Nesses momentos, eles teriam sido ricamente inspirados. Ócio criativo, again.

As vezes o deserto fala, sem nada dizer. Melhor aproveitar.

3 thoughts on “O deserto falante

  1. Serviu como uma espécie de sutileza, certo?
    Ainda aprenderei a lidar com esse negócio…
    # posted by Luiz Henrique Mello : 1/19/2006 10:35 AM

  2. Voltando ao Planeta Terra,onde moram os mortais como eu,sem Nietzsche,Einstein,Bethoven,Paulo Brabo,Volney e outros… pequenos, também, nesses momentos de deserto onde não pensam em nada,são enriquecidos pelo acontecido/não acontecido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *