A Gruta do Lou

O caos criador

Guernica – P. Picasso

No principio Deus criou os céus e a terra. Era sem forma e vazia: trevas cobriam a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.

Em 1983 li A Quarta Dimensão, livrinho escrito por um pastor sul coreano que se chamava Paul Yonggi Cho. Recentemente, esse autor – pastor mudou de nome. Eu queria ser coreano para poder mudar de nome de acordo com meu humor. Agora, por exemplo, ao invés de Lou Mello, eu me chamaria Lou Bello. Não ficaria mais próprio?

Esse livro deu o start oficial à Teologida da Prosperidade, batendo o pai da idéia, o pastor norte-americano Kenneth Hagin, todos da Igreja do Evangelho Pleno. O Cho que era originário da Assembléia de Deus, teria retornado às origens, depois. Participei de uma grande conferência em São Paulo, no Estádio do Pacaembú, promovida pela Igreja Assembléia de Deus do Belém, com o Cho pilotando o púlpito. Cheguei a profetizar que o livro dele seria precursor de acontecimentos impactantes.

Há um monte de besteiras nesse livro. Uma das que causou mais danos na criançada foi uma longa afirmação sobre os significados das palavras logos e rhema que são sinônimos e significam: palavra. O Cho inventou significados diferentes para as duas e fez um estrago danado.

Entretanto, o Primeiro capítulo do livro me assustou. Não sei o que o Cho leu da filosofia e da teologia. Uma coisa é certa, bobo ele não é. Pode ter lido os gregos, Agostinho, Heideigger e Nietzsche, mas, dificilmente, tenha lido o Pe. Antonio Vieira. O fato é que ele espiritualizou a criação como nunca tinha visto e o fez de forma brilhante. Em outras palavras, ele disse: Deus fez a mais completa e maravilhosa ordem universal a partir do caos existente.

Pablo Picasso é o autor de uma das mais belas pinturas conhecidas. Seu famoso Guernica representa o equilíbrio a partir do desequilíbrio. Uma das razões da minha total sucumbência à cidade de São Paulo é o caos. É uma cidade que cria na desordem. Ela me fez ver a tempestade, o trânsito, os buracos, o crescimento desordenado, etc… com outros olhos. São Paulo é uma grande cidade, como poucas no mundo. Tem uma diversidade impar e uma pungência inigualável. Eu amo aquele caos porque ele é criador.

Assim vejo o caos. Deus adora trabalhar assim. Virar a lata de parafusos no chão e achar aquele parafuzinho ideal é sua marca registrada. Sei bem o que estou dizendo. Minhas grandes soluções nasceram em meio ao mais completo caos.

Agradeçam o caos em suas vidas, amigos. Ele é criador.

Powered by ScribeFire.

8 thoughts on “O caos criador

  1. Fico com o cinema coreano. Um dos filmes destes malucos fala de caos e criação. Casa vazia, o nome do filme. O argumento: um coreano doido entra na casa de pessoas que estão viajando e desorganiza todos objetos sem roubar nada. Desta tara pela desordem ele cria uma coisa muito interessante: o relacionamento com uma belíssima modelo. Detalhe: os protagonistas não falam um “a” em todo o filme. E não é cinema mudo, é cinema oriental. Loucura.

  2. Oi Lu, falando em caos, estou aqui, saudades da casa. Bom te ver. Não tenho coragem de aderir ao jejum, mas bem que precisava, se não pelo lado espiritual, pelo menos pelo lado de minha camada adiposa, que insiste em se acumular à minha volta. Tome sucos.

  3. kkkkkkkkkkkkkkk,

    tô indo dormir.

    Li esse livro na década de 80 ele foi tão bom que nem me lembro nadinha do que estava por lá. Somente o título do livro. Isso já é alguma coisa, não?

    Bom fim de semana e me aguarde, vou te surpreender novamente.

    Abraços Georgia

  4. Gente, preciso dar um jeito da minha família não ler este post. Minha casa já é um caos, sem justificativas. Caso tenham uma tão boa quanto esta – o caos é criativo – aí é que não arrumam mais nada mesmo!!!
    Deus me livre!!! Vai ser o Caos!!!

  5. Eu dizia à minha mãe que a bagunça no meu quarto tinha uma ordem filosófica. Ela, que até já me deu um livro do Cho e me fez ler outro de um companheiro dele durante a fila do alistamento militar, não deu crédito às minhas justificativas. Talvez por isso eu tenha me tornado um filósofo de botequim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *