Caminho da espiritualidade na Gruta é o início de uma vida em conformidade com Deus, através do Espírito Santo. 

Como os padres do deserto (eufemismo de monges que vivem enclausurados) sou adepto do ensino de uma espiritualidade a partir da base.

Eles nos mostram que o ideal é principiar em nós e em nossas paixões. Para eles, o caminho para Deus sempre conduz ao auto-conhecimento. Certa vez, Evágrio Pontico disse isso assim: “Se queres conhecer a Deus, aprende a conhecer a ti mesmo, antes de qualquer coisa”.

Cá entre nós, e que ninguém mais nos ouça, tenho fortes e irresistíveis suposições de que aquela orientação famosa de Jesus sobre os mandamentos, a saber: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”, seja uma frase hebraica, escrita de trás para frente e que significa exatamente o que dizem os monges, o caminho para Deus começa em nós mesmos.

Eles dizem mais, sem autoconhecimento corremos o risco de que nossos pensamentos acerca de Deus serem só meras projeções. Algumas pessoas piedosas, diante de sua própria realidade, refugiam-se na piedade. Elas tendem a não se transformar por suas orações e atitude piedosa, mas aproveitam-se da piedade só para vangloriar-se diante dos outros e confirmarem sua própria infalibilidade.

Para o monge Poimen, o caminho espiritual começa nas paixões da alma que devem ser observadas e é com elas que se deve lutar. Para ele, o tratamento das paixões é o caminho para Deus. Diria ainda, as paixões são material essencial na atividade do tentador.

Talvez por isso, Jesus tenha ensinado seus discípulos a orarem pedindo a Deus para não nos deixar cair em tentação. Isso só será possível se conseguirmos administrar nossas paixões e tentações (entre elas a pior de nossos dias, a tentação de consumir) e sermos capazes de não sucumbir a elas.

A escada para o reino dos céus está escondida em tua alma. Quando for capaz de administrar nosso eu, corpo e alma, então perceberemos a presença do Espírito de Deus em nós, formando uma criatura única.

Não é aconselhável aos mais jovens a prática da meditação e o caminhar místico cedo demais. É essencial aos jovens saber distinguir como se constitui sua própria realidade. Eles devem, antes de tudo, encarar suas paixões e lutar com elas. Só depois disso elas serão capazes de fixar seu coração em Deus, plenamente. O caminho da espiritualidade é fascinante e alguns pensam poder seguir por esse caminho antes de passar pelo difícil caminho do autoconhecimento e do necessário encontro com o seu próprio lado sombrio.

Também não ouso minimizar ou ridicularizar seus pensamentos ou atos piedosos, afinal não tenho nada a ver com isso. Afinal, há em sua piedade certa ansiedade bem autêntica. Mas é importante trazer sua piedade para seu cotidiano e fazê-la penetrar todas as suas atividades do dia a dia.

O paradoxo do nosso caminho espiritual está no fato de nos aproximarmos de Deus à medida que nos rebaixamos na direção de nossa própria realidade. E lembra o monge de Lucas 14: 11 e 18:14: “Quem humilha a si mesmo, será exaltado”.

Texto adaptado do livro ” O céu começa em você” de Anselm Grüm