A Gruta do Lou

Não entre no povoado


Não entre no povoado

“Jesus mandou-o para casa dizendo: Não entre no povoado”. Mc 8:26

Quem foi o inventor da evangelização, um dia chamada também de evangelismo? Manifestações grandiosas enaltecendo grandes adensamentos ou buscando atrair multidões para fazer parte da tal Igreja Cristã não me emocionam. Se quer, tão pouco me convencem de seus propósitos. Agora não está mais na moda organizar grandes cruzadas evangelísticas, mas alguns ministérios enriqueceram com elas, no século passado. Isso me deixa em dúvida, buscavam pessoas ou o dinheiro delas?

Jesus acabara de curar um cego. Você tem ideia do tamanho e da possibilidade de impacto desse ato? Se alguém lhe dissesse que ontem eu havia curado um cego com um toque dos meus dedos nos olhos dele, apenas, onde você estaria hoje? E se isso fosse noticiado via Twitter, Facebook e pela TV? Não haveria agora uma multidão na frente da minha casa, clamando por outros milagres, ou simplesmente para ver, mesmo de longe, a minha cara pálida? Mas Jesus evitou a propagação do evangelho e perdeu uma das maiores oportunidades de tornar-se conhecido até o fim do mundo. Rejeitou participar da grande cruzada que poderia ser armada a partir daquela cura milagrosa e, como em tantas outras oportunidades, fez o contrário do que esperavam dele.

Me ocorre que o Nazareno tivesse bem claro, nessa ocasião, que uma situação igual a de hoje, quando somos milhares de cristãos nominais em dúvida se ele existiu mesmo ou foi apenas mais um mito, desses que os norte americanos inventam, de vez em quando, para melhorar a popularidade de algum mau presidente de ocasião, e tenhamos nos tornado uma multidão de imbecis homofóbicos e descontextualizados e tenha preferido manter seus feitos em segredo. Afinal, o propósito dele não era alardear seus feitos miraculosos, mas anunciar uma graça consistente e salvadora.

Durante meus anos de ensino teológico em seminários inexpressivos da vida, insisti com meus alunos diferenciados para refletirem com a razão, deixando de lado a emoção religiosa, nas palavras de Jesus e qual seria a verdadeira missão encomendada por ele a seus discípulos. Cem por cento das vezes, a conclusão democrática foi em favor de uma propagação via discipulado. O Cristo sonhador enviado a nós por Deus, bolou um método de difusão inédito, ou seja, cada um de nós ensinar um grupo de pessoas próximas as mesmas coisas aprendidas de algum outro cristão que, por sua vez, fizera o mesmo conosco. Sem igrejas organizacionais, entidades, hierarquias, eleições, votos e todas essas atividades geradoras de escassez. Repetindo as palavras do Paulo Brabo:

A primeira coisa a fazer, se você ainda não fez, é desiludir-se por completo de todas as iniciativas comunitárias ou governamentais, por mais bem intencionadas que sejam, e raramente são. Esqueça, meu caro discípulo, o coletivo. A salvação não virá de ongs ou ogs, Gogues ou Magogues, poderes ou potestades. A salvação não virá de igrejas, assembleias, organizações de bairro, sindicatos, asilos, orfanatos ou campanhas de assistência. As ongs têm a tremenda virtude de não serem governamentais, mas contam com a imperdoável falha de serem organizações. Repita comigo: as instituições não existem. Só existem pessoas. Se você não fizer, ninguém vai fazer. Absolutamente ninguém vai fazer.

Sei muito bem a quantidade e a importância de motivos e razões contrários que essa proposta de trabalho missionário estapafúrdia de Jesus Cristo possa lhe ocasionar. Entendo o quanto você valoriza a tal comunhão domingueira junto com os “santos”, em torno de boa música gospel, de repente um show com balé e teatro, sem falar na possibilidade de uma ou outra apreciável pregação de três pontos, 1) começam na bíblia, 2) se afastam da bíblia e 3) nunca mais voltam à bíblia, perdendo-se para sempre nas loquacidades frívolas das insanidades psicológicas e contemporâneas.

Vivemos em dias em que tudo é mega ou tera. Ultrapassamos a era dos super e entramos na era da propagação terabytica. Infelizmente Jesus não tinha noção desse nosso tempo de Iphones, Ipads, etc. Ele não foi capaz de prever o aparecimento desses demônios em forma de gente como Steve Jobs, Gates e Zuckerberg. Tão pouco restou entre nós alguém com a força espiritual capaz de expulsar a legião de capetas que possuiu esses caras.

Pode ser que se olharmos sob outra perspectiva possamos adaptar a nossa era das redes ao formato imaginado por Jesus e admitir então, que ele tinha sim, a consciência dos tempos que viriam lá pelo século vinte e um, e tenha bolado o embrião do sistema de redes atual; que esses senhores com cara de diabos, cheios de ambição e cobiça fizeram o serviço mais difícil por nós e basta agora usar essas geringonças que eles inventaram a nosso favor. Não sei. Ainda acho que continuamos pensando em multidões, quando o evangelho só precisa ser compartilhado entre meia dúzia, quem sabe uma dúzia completa, de pessoas de carne e osso, bem próximas a nós, sem organizações e organismos.

Resta ainda o probleminha da falta que nos faz termos sido bem discipulados antes. Nesse caso só nos resta mergulhar em nossas bíblias de novo e tratar de capturar as verdades cristãs verdadeiras, de novo. Quem sabe algumas palavras sábias do John Piper ou do Philip Yancey possam ajudar-nos nesse instante. Alguns, como eu, preferirão a ajuda do Eugene Peterson e sua referência Jacques Ellul. Tanto faz, se você resgatar em sua vida o Cristo original, aquele que curava cegos e ressuscitava mortos. Pessoalmente, ainda acredito na boa e velha oração a um Deus que está em nós, sempre.

Tenho grande dificuldade em compartilhar essas verdades com você. Admiti-las implica em abandonar minha profissão, se bem que nessa altura tanto faz, não tenho mais clientes, só dois ou três contribuintes que se apiedam de mim, por causa da cruz que veem sobre as minhas costas, embora devam lutar com sentimentos contrários motivados pela ética protestante da bíblia em uma mão e a enxada na outra. Não sei se terei a coragem necessária, precisarei de uma mãozinha de Deus, nesse ponto, principalmente nesse momento em que me sinto pelado com as mãos no bolso.

Caso essa mensagem transforme a sua vida, por favor não entre no povoado ou em alguma dessas redes da vida, compartilhe com seus discípulos, apenas.

Capricornio PB

2 thoughts on “Não entre no povoado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *