Não creio, gostaria mas…


“Se alguém me provasse que Cristo não estava na verdade […] então preferiria permanecer com Cristo a permanecer com a verdade”.

Dostoievski citado por P. Yancey em “O Jesus que eu nunca conheci”

Dostoievski era outro grande fanfarrão. Ele nunca cumpriria uma promessa dessas, nem mesmo se o próprio Deus Pai em pessoa lhe provasse o desvio do Filho único. Como eu faria, ele jamais se desviaria da verdade. Afinal, quem é Jesus diante da verdade?

Bom, se ele faria ou não, pouco me importa. Não acredito nele, assim como não acredito ou sequer cogito da possibilidade de Jesus não conter a verdade. O cara pode escrever bem, ter escrito os Irmãos Karamazov e Crime e Castigo, não interessa, hoje mais do que nunca, fico com Cristo, mesmo que isso me custe a verdade ou mais. Além do mais, a verdade é mais uma dessas bobagens relativas. Trouxas somos nós com essas tolices nada práticas. Veja como o escritor russo foi mais esperto. Sou mesmo um bobo alegre ou nem tanto. Mas amanhã voltarei a ler os livros dele. Hoje preciso estar com Jesus Cristo.

Na verdade mesmo, precisaria passar muito tempo com Jesus e sua verdade para chegar ao ponto de confiar nele e nela totalmente. Seria necessário muitas grutas e muitas cabanas para chegar a ser convencido. Se há uma verdade em mim, é o fato de não acreditar completamente, nem em Cristo e nem na verdade. Claro, ando como tal, falo com tal e escrevo como tal. Mas não sou confiável. Quando olho no espelho vejo um traidor falso e hipócrita. A única oração possível para um crápula como eu seria: Deus ajuda-me a crer. Se ele tiver bom senso, não me atenderia nunca.

Capricornio PB