A Gruta do Lou

Líder da igreja protestante no Brasil

Você sabe quem é o líder da igreja protestante no Brasil? Alguém como um presidente da AEVB (Associação Evangélica Brasileira) ou coisa parecida?

Pois é, eu também não fazia a menor idéia, até ler a notícia sobre a nova série sobre religiões, denominada Sagrado que será levada ao ar pela poderosa e parcial Rede Globo de Televisão e o canal Futura, conhecido líder de audiência, por aqui. Nela aparecem os representantes de cada grupo religioso e pasmem, o representante dos protestantes é, ninguém menos, do que o pastor Israel Belo, o cabra com roupa de presidiário e bico de pastor reacionário, na foto acima.

Se você pensou o mesmo que eu, está se perguntando What the hell is that? Pois é, nunca ouvi falar. Certamente deva ser um pastor muito conhecido no meio batista. Meu amigão, o pastor eterno na Igreja Batista da Água Branca e destacado líder da Convenção Batista Brasileira anda perdendo prestígio em seu próprio meio. Acho que vou parar de fazer ofensa vertical com ele. Alguém anda levando a coisa a sério. Por outro lado, pode ser que a Globo ou o pai da matéria, tal de antropólogo Emerson Giumbelli, que declarou:

“Sagrado é um convite para o telespectador aprofundar seu interesse pela diversidade que caracteriza o mundo religioso no Brasil. Proliferam na sociedade preconceitos e desinformações sobre esse mundo. A série procura dar uma contribuição para o estabelecimento de uma relação mais igualitária entre diferentes tradições religiosas, ao propiciar as várias delas visibilidade e expressão públicas.”

tenha feito suas escolhas por mera conveniência. Elaborar essa série, nesse momento, quando os ânimos andam meio acirrados entre ela e a rede Record, sabidamente propulsionada com grana de cristãos da Igreja Universal, o que a torna uma rede evangélica, no entender da Globo, é um tanto suspeito e nos leva a colocar as barbas de molho. Embora a Rede Globo não despreze a audiência evangélica, provavelmente a segunda parcela mais importante do bolo formado pela massa auditiva desinformada, ela sempre sonhará em trazer de volta os tempos em que este país curvava-se ao Papa em uníssono.

Tempos atrás, as principais lideranças protestantes e evangélicas reuniram-se no auditório do Centro do Professorado, no bairro da Liberdade em São Paulo e fundaram uma associação que funcionasse como uma convergência das várias matizes cristãs evangélicas, não alinhada com o chefão do Vaticano. Estive lá e vi gente importante envolvida nessa transa. Fundada a dita cuja, elegeram a primeira diretoria onde o digníssimo irmão manauara Caio Fábio D’Araujo Fº figurava como presidente. A partir daí, esse senhor passou a ocupar o cargo de representante dos cristãos não alinhados ao Papa, em terras brasilis. Sempre que a Globo precisava ouvir uma opinião desse lado e que primava por sua independência em relação aos primos universais, corria para Caio.

Por uma dessas coincidências universalmente inexplicáveis, Caio caiu em desgraça primeiro por se ver envolvido em um rolo onde foi apontado como vendedor de um tal Dossiê Cayman, contra figuras exponenciais do PSDB. Se era culpado ou não, não faço a menor idéia, mas para completar a sua derrocada, ele atirou no próprio pé e imitou seu irmão e amigo pernambucano Robinson Cavalcanti comunicando à comunidade que tinha outra mulher (além da esposa titular), no caso a secretária. Salvo engano. Com essas e outras posteriores, a associação (AEVB) dos evangélicos perdeu sua voz, além do seu presidente. Tentaram guindar o meu amigo Ariovaldo Ramos ao cargo, mas não deu pé,  por razões que não consegui identificar. Talvez Caio tenha arrastado a entidade com ele para a vala comum dos desgraçados.

Chegaram a me perguntar o que eu tinha contra esse irmão. A rigor não tenho quase nada. Tanto faz se ele vende dossiês na feira ou nas assembléias e muito menos quantas mulheres ele possa ter. Davi e Salomão tinham muitas mais do que ele e me amarro nesses caras. Nem o conheço pessoalmente. Tirando o fato de tê-lo visto lá pelos lados da igreja do Tio Cássio, no inicio de sua carreira, logo após o Geração 79, e ter usado um celular dele, durante algum tempo, a única queixa é justamente por ele ter sido egoísta e não ter pensado como líder da nação evangélica protestante em terras verde amarelas, onde além de cantar o sabiá, haverá as Olimpíadas de 2016, se Jesus não vier estragar a festa antes, como costuma fazer e ninguém capaz de nos guiar pelo deserto.

Com essas e outras, agora nosso líder é o famoso pastor Israel Belo, da Igreja Batista de Itacuruçá, cidade conhecida por sua pujança no cenário nacional e suas bela praia onde já banhei esse corpinho sarado, conforme decisão da Rede Globo, que alem de querer mandar no nosso combalido futebol tupiniquim, no país e em nossa moral, agora deseja dar as cartas em solo Sagrado. Provavelmente, eles não tirarão as sandálias.

Do alto do púlpito de nossa humilde Gruta, desejo repudiar tal escolha citada, e propor já, a eleição democrática para um líder da nação protestante brasileira. Aproveito para lançar meu candidato e para quem, certamente, darei meu voto: o pastor da Igreja Batista da Água Branca, um lugarzinho que não tem praias, mas trabalha pacas em favor de nosso Brasil varonil e cristão.

18 thoughts on “Líder da igreja protestante no Brasil

  1. Pingback: Lou Mello
  2. Segundo Russell Shedd, em Revista refletir“>entrevista para Revista refletir, “Além de Caio Fábio? Nunca houve nenhuma dúvida que ele era o grande nome. Agora quem fica no lugar dele? Talvez o Ricardo Gondim…”
    Não tenho razão para duvidar do velhinho.
    Revista refletir

    O Dr. Shedd estava na formação da AEVB e deu todo apoio ao Caio, inclusive depois que ele se enrolou, mas o cara não costuma escutar, prefere mais falar. Agora, sugeri o Ed porque o conheço pessoalmente e sei que ele é integro. O Ricardo eu não conheço, além de algumas trombadas em corredores onde havia algum evento

    .

  3. Ri muito, lendo este post, Lou! O Israel é um teólogo muito inteligente, mas não dá pra ser líder dos protestantes tupiniquins.
    Só um perguntinha: Quando menciona o líder da IBAB, falas do Ed René? Se for, já tens o meu voto…embora, curta muito, muitíssimo o Gondim!

    Abços! Bjo no coração!!

    Claro, estou citando o Ed.

  4. Todo mundo querendo parecer o maior do reino dos céus na telinha da Globo… Só pode ser coisa de religiosos mesmo ou de apóstolo que ainda náo entendeu a mensagem do chefe. No fim, terminam fazendo o que a Globo quer.
    O negócio é aparecer tanto quanto o Papa, nada de novo debaixo do ceu… Mas tu fazendo campanha me surpreende!

    É, antes que me venham com alguem de outras bandas mais reacionárias.

  5. A série nem começou ainda…mas a briga por lideranças,status,no mundo evangélico,já existe há tanto tempo…
    Acredito que a proposta da série,seja justamente,mais para esclarecimento sobre a diversidade dos credos,quase sempre mal interpretados,ou analisados com olhares preconceituosos.
    Bem,é esperar pra ver.

    O evangelho segundo a Gruta diz: “Nunca confiareis na Globo”. 🙂

  6. A Globo deve ter escolhido o Sr.Israel,de forma aleatória,pois liderança não se escolhe,ela se sobresai naturalmente,se conquista com o desempenho digno e fiel daquilo que se quer representar…e isso,está difícil de ser notado no mundo evangélico.

    Exato.

  7. Eu proponho o Lou.

    Claro que fico lisonjeado, mas é melhor você deixar-me fora dessa. Sabe, sou até mais egoista que o Caio. Me falta aquela coisa do estadista de, na hora H, pensar nas pessoas que ele representa. Eu falho diariamente em representar a mim mesmo, ou a minha família, imagine. De repente eu me traio e as pessoas a quem mais amo, por um mero meio prato de lentilhas. Isso é coisa para um Ed, Gondim e essa gente cujo coração é capaz de abrigar um número não mensuravel de pessoas e por elas ser capaz de dar a própria vida. Aquele lance de imitar Paulo como ele imitou a Cristo. Definitivamente, não tenho essa vocação.

  8. Essa foto é medonha. Talvez devido o pano de fundo.
    O Cristão não deve exibir símbolos religiosos, nem mesmo a cruz. é preciso destruir os muros que nos separa das outras pessoas.

    A idéia da Globo deve passar longe de qualquer coisa agregadora.

  9. Não precisa muito critério pra eleger um líder protestante, evangélico ou católico. Qualquer segmento religioso que considere Jesus um deus de segunda classe, deve ser considerado também um segmento de segunda classe.

    Apesar que, não estamos buscando um papa, mas alguém que fale por nós. Seria mais um Relações Públicas ou Porta Voz.

  10. Não quero ver o Lou, o Ricardo ou o Ed, envolvidos com esse tipo de eclesiasticismo. Eu quero ver é todo mundo na gruta e Jesus também.

    Apoiado!

  11. Cara, vai ser mais fácil que você pensa. O pessoal começa com lentilhas, mas depois as ofertas vão melhorando. Quando vê um land rover.

    E quando começamos? 🙂

  12. Meu caro Lou, eu só tinha pensado em Jesus, o Cristo… Ele anda tão esquecido que na hora de representar a igreja dele o povo só pensa nos estrelas… Nesse caso o mais bem sucedido nessas ONG´s que usam e faturam em nome do Rei, e o mais criativo também, é o Edir… Afinal, tá todo mundo, de mansinho, imitando ele mesmo. O produto jesus tá em alta, mas o Cristo nunca esteve tão lá em baixo. E como está! Ele já previa isso, sinal dos tempos!

    Bom, o Edir é uma estrela e isso não podemos negar, mas por opção dele mesmo, só representa a IURD. No caso, a Globo está incluindo ele entre os protestantes, se não me engano e nomeando um porta voz que não tem credenciais para falar pela IURD e nem por qualquer outra igreja da linha dele. Isso significa não ouvir o que a grande maioria dos protestantes têm a dizer. Certo? Os batistas são uma grande minoria, se isso for possivel e a nossa indicação (meio calhorda) só representaria esse grupo. O Caio também não representava a maioria dos protestantes e batia de frente com o bispo. Não sei se existe alguém com a longanimidade suficiente para representar todo esse universo. Talvez Jesus se candidate, apesar que nem ele seria uma unanimidade, se não me engano.

  13. Embora eu seja um maricas e tenha receio de qualquer iniciativa política interna em grupos cristãos, tenho dado mais crédito a coisas do tipo “Interclesial de CEB’s”, em que é colocada em xeque a própria idéia de estrutura hierárquica, o que me parece ser a forma menos alinhada com o Papão.

    Espero que você não precise chegar à minha idade para descobrir que nenhuma organização funcionará. Jesus profetizou isso dizendo que elas sempre se enrolariam com as coisas desse mundo. Não existe na Bíblia, nenhuma referência às CEBs e muito menos a algo parecido com uma igreja, como a conhecemos.

  14. Israel? Ele é reitor do Seminário Batista do Sul, no RJ…O meio batista o conhece muito bem, muito embora, como bem salientado, não seja o melhor representante para tal.

    Cá entre nós, grutenses, colocar o Ed nessa não seria uma ofensa vertical?

    Abraço Lou

    Sempre que citamos um peso pesado, estamos praticando a ofensa vertical e isso não é privilégio nosso, claro. Dizem que adular esses caras faz o mesmo efeito, não sei se é verdade, ainda não experimentei. 🙂 Você tocou em ponto delicado escondido nesse texto. A Globo é uma empresa de comunicações com uma visão de mundo parcial e, por isso, deturpada. O mundo não cabe na cidade do Rio de Janeiro e eles parecem não notar esse detalhe. Se o Niemayer não colocasse Niterói no mapa construindo aquele enorme museu em forma de taça do outro lado da baia da Guanabara, eles continuariam não divulgando imagens do lado de lá. Não surpreende que eles façam uma série com esse tema e só incluam representantes radicados na cidade que um dia já foi maravilhosa e quiça voltará a ser com as Olimpiadas 2016, acontecendo lá. O Brasil inteiro precisará ajudar a fiscalizar e cobrar para que isso aconteça a bem da cidade. O Seminário Batista do Sul, bem como JUERP e a própria FTBSP tiveram alguma importância em decadas passadas. Hoje, como parte do todo da denominação, caminham com pernas trêmulas. Isso me lembra um discurso do Dr. Shedd em um grande Seminário para Pastores acontecido no Nordeste, cujo tema era “Crescimento de Igreja” e pretendia-se louvar Rick Warren e Bill Hybbels, ele disse: “Eu conheci uma pastor norte americano que viveu no Rio de Janeiro. O nome dele era Roberto Macklyster e seu grande sonho era criar um grande ministério evangélico televisivo. Ele morreu sem conseguir alcançar seu intento, mas deixou-nos dois de seus diaconos que trataram de levar o sonho de Macklyster adiante e criaram as duas igrejas que mais crescem no mundo, via TV. O nome deles, Edir Macedo e R. R. Soares”. Mas não se iluda, o objetivo Global é detonar o Bispo, que é considerado nos corredores globais como o inimigo a ser batido e nós temos contribuido com a família Marinho, nesse intento.

  15. A principal questão ainda é mais embaixo…Jesus não disse que seria representado na terra e, portanto na telinha tb, por nenhum líder evangélico. Antes nos deixou claro que iriamos encontrá-Lo nos desassistidos, pobres e aprisionados. Essa seria a minha sugestão, mas claro que a Globo não aprovaria e as igrejas evangélicas tb não… Então, manda quem pode e obedece quem tem juízo… Será?

    É importante levantar a bola para o pessoal ir pensando, tanto na escolha arbitrária da Globo, e ela não se fará de rogada, como no seguimento da vida religiosa no país. Como disse o Rubinho, mesmo o Caio foi um representante meia boca, parcial, pois não representava a maioria. Nosso negócio é provocar, a decisão fica com a galera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *