A Gruta do Lou

Lágrimas valorosas

lagrimas-valorosas
Nesta semana pude experimentar, várias vezes, o prazer do convite. Fui convidado para várias canecas e xícaras de café expresso, puro, capuccino, whatever. Fico feliz, pelos convites, antecipo boas prosas e garanto risadas em profusão. Tudo dependerá do sucesso do meu plano em retornar à violenta e apreciada São Paulo.

Depois os caras querem tirar o sucesso de minha religião. Não é possível viver sem sucesso. Nem Jesus conseguiu. Garanto que nem ele gostou desse negócio de sucesso “post mortem”. Se é assim, para que viver? Não seria melhor economizar e pular essa etapa? Enfim, não é de bom tom a um grande intelectual ler Warren , The Secret , Peale, Paul J. Mayer, vocês devem ler gente otimista como Nietzsche, Borges e Kierkgaard como eu faço e vivo de vitória em vitória. Comigo é só alegria. Bom, chega de enrolação. Peque sua bíblia, tire o pó, coloque os óculos e leia Mateus capítulo 5 versículo 4.

“Bem-aventurados os que choram, pois serão consolados.”

O Evangelho segundo Khalil

Quando o Mestre ensinou dizendo (Jesus ensinava através da palavra falada) que os chorões seriam consolados, senti várias sensações correndo por meu corpo e indo e vindo de e para a minha alma. Sorri, chorei, alegrei-me e entristeci-me, tudo ao mesmo tempo.

Ele disse essas palavras pausadamente. Entre uma bem aventurança e outra houve intervalos bem acentuados. Ele falava uma e silenciava. O povo perplexo aguardava e, enquanto isso, experimentava essas sensações malucas correndo freneticamente pelas veias e artérias, como eu.

O mundo não convive bem com os que choram. Geralmente são considerados sujeira a ser empurrada para baixo do tapete. Junto com os humildes de espírito seu futuro será glorioso. Serão consolados e habitarão o Reino dos Céus como proprietários (mudar o estado vivente).

Não se trata aqui de algo a ser dicotomizado entre essa vida e aquela vida. Garanto-lhes que o Homem de Nazaré não via a divisão entre vida eterna e vida limitada. Segundo ele, na criação, Deus considerou só a possibilidade de vida eterna.

Essa enigmática passagem pela terra é fruto do pecado e deve ser interpretada metafisicamente como um estado de rebeldia pós erro de alvo. O pecado não nos permite ver a realidade. Não é um ato ou a soma de atos pecaminosos, é um estado alcançado depois da burrada adâmica, presente em todos nós por solidariedade e co-participação.

Sei que em tempos futuros, o ditado: Não adianta chorar o leite derramado: será muito popular. Mas eis um exemplo em que esse ditado está furado. Chorar por nossa condição nesse estado humano, nessa passagem triste que equivocadamente denominamos vida, é muito bem vindo por Jesus e sua turma celeste.

Aliado à humildade, o choro (desde que sincero e motivado por nossa condição espiritual) traduz o sentimento capaz de nos transportar de volta ao estado real, como se fosse um antídoto anulador do veneno inoculado pelo pecado.

Diante dos revezes da vida que temos diante de nossos olhos, choramos por várias razões, mas quando nosso choro alcança e traduz a nossa miséria espiritual (os tais pobres) alcançamos a graça da consolação e nos tornamos seres iluminados capazes de sermos vistos pelos habitantes do Reino de Deus.

Nesse caso é mesmo bom não chorar pelo leite perdido, chore ao constatar sua condição. Se não está bom aqui, nessa tal de vida, não há nisso nenhuma novidade. Esse estado não é nada bom mesmo. Aqui só teremos aflições, pois esse mundo jaz no maligno. Todos esses acontecimentos desconfortáveis estão dizendo-lhe uma coisa só: você está no lugar errado e fez por onde.

Jesus venceu o mundo, saiu desse estado para o real e planejado estado, por seu pai, para todos nós. Não se iluda, esse é o único caminho de volta. “Eu sou o caminho, a verdade e a vida.”

O choro, quando é fruto dessa constatação, é bom. Diante da morte, das dívidas, do desamor, ou qualquer uma das milhares de desgraças possíveis, podemos ver e constatar esse estado equivocado de vida. Se chorarmos só aquela perda pontual, em si, não haverá valor nisso. Mas chorar nossa condição é libertador. Bom choro a todos.

Leia mais em O Evangelho Segundo Khalil:

לּהּמּ

10 thoughts on “Lágrimas valorosas

  1. Ás vezes não sei o que é chorar. E mesmo triste, ainda assim não sei. Creio nisso como um área a ser preenchida.

    Quando mais jovenzinho ou já acima de jovenzinho, sabia o que era lamuriar e sentir auto-piedade. Mas as lágrimas não representavam o choro. Era outra coisa.

    Senhor, ensina-me a chorar …

  2. Volney

    Seria bom que não houvesse por que chorar. Minha oração será para Deus não permitir que você tenha motivos para chorar. Mas, se chorar, que seja pela consciência em relação ao pecado, para que receba a consolação.

  3. Alice

    Agradeço. Realmente estou contando com a benção de Deus para nossos planos. Também espero que eles estejam em sintonia com a vontade do Pai celeste.
    Deus abençoe vocÊ e toda a sua família também.

    Fique me paz

    Abraço a todos.

  4. uau, Lou, que lindo post…
    sabe, sou uma chorona.
    choro mesmo muito fácil.
    por coisas pequeninas. pequenininhas mesmo, e por coisas
    grandes e sérias.
    mas nao me forço a mudar não (na verdade acho que não consigo :)).
    Acho que o choro tem seu lugar e cumpre seu papel.
    beijos e bom início de semana,
    alê

  5. Alê

    Chorar lembra tristeza, na maioria das vezes. Mas o choro é uma tradução física de nossas emoções. É comum chorar quando vemos uma cena de grande felicidade, mesmo que seja em um filme, mas que nos emociona e nos faz chorar. Essa é uma reação correta. O choro mencionado por Jesus nas bem-aventuranças tem a ver com nossa situação nesse mundo em termos espirituais. Chorar essa condição liberta e ele promete o consolo. Está muito ligada a anterior dos humildes herdando o Reino dos céus.
    Tudo de bom para você e sua família nessa semana, também.
    abração em todos

  6. Francisco

    Esse post faz parte da minha tentativa em narrar os evangelhos a partir de minha experiência e entendimento na Palavra de Deus. Na verdade, mais uma das vantagens da narrativa é permitir que as belezas do texto bíblico superem nossas medíocres opiniões. Pena que o pessoal parece não estar aproveitando, talvez por estar postando essa série aos domingos. Decidi assim para contemplar o pessoal que não vai à igreja ou vai e se sente como se não tivesse ido. Agradeço seu comentário, vindo de você é sempre uma grande honra. Abraço

  7. Muito bom texto. Admirar-se, alegrar-se e ter esperança através das lágrimas é uma prática (ou deveria ser) reveladora do que todos nós somos feitos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *