A Gruta do Lou

José de Arimatéia

Esse senhor, cujo feito foi relatado através dos evangelhos, me encanta.

Vivemos dias em que assistimos, a meu ver, uma enorme campanha com extensão mundial ou universal com o objetivo de denegrir a fé cristã. Durante algum tempo, duas ou três décadas, os arautos mambembes do evangelho resolveram dar às “Boas Novas” um caráter puramente utilitarista e atiraram Jesus ao mercado, como já haviam feito naquele fatídico dia na presença de Pôncio Pilatos. A diferença obvia diz respeito ao fim, naquela época Jesus foi encomendado para a morte e agora, o transformaram em uma espécie de gênio da lâmpada atendendo os três pedidos de todos os pedintes sofredores espalhados pelos quatro cantos da terra.

Sou daqueles incrédulos movidos a conspirações, afinal foram tantas ao longo da história da civilização universal, e não posso ser culpado por não acreditar em historinhas da carochinha. Pelo menos, é bom que se diga, é imprescindível deixar bem claro o quanto interessaria a diversos grupos interessados em manipular a malta humana, seja ela como for, enfraquecer a Fé dos discípulos de Cristo e evitar que o povo venha a se arvorar em contestá-los em seus objetivos sórdidos, sempre voltado em tirar proveitos egoístas e cobiçosos. A história está cheia de exemplos dos estragos que gente assim fez nos propósitos malditos desses lobos, geralmente cobertos com pele de cordeiro, alguns com Bíblias em baixo do braço, seja da prosperidade, do Dr. Shedd ou a NVI.

Então, quando olho para o Arimatéia, essa figura singela, cuja única intenção seria dar ao seu Mestre querido um enterro digno, como ele teria dado ao seu próprio pai. Arriscou a pele apresentando-se diante daquele déspota com autoridade para mandar dar-lhe algumas boas chicotadas ou até dar-lhe o mesmo fim daquele que agora desejava dignificar a mortalha. Depois comprou um fino tecido com grana do próprio bolso ou bolsa e embalou o corpo sem vida nele. Depois de depositar o Corpo de Cristo no tumulo que provavelmente construíra para a própria família cerrou a entrada com uma pedra enorme e muito pesada. Os romanos deram ainda um toque de importância enviando soldados para montar guarda na entrada vedada desse sepulcro.

Essa foi a participação singela desse personagem nos evangelhos de ninguém menos do que Jesus Cristo. Não pediu nada, não teve e não poderia ter tido qualquer segunda intenção com sua atitude. Deu de si o máximo que podia sem esperar nada em troca.

Gostaria muito de comungar com uma igreja cristã cheia de Arimatéias, aos quais eu não precisasse pedir nada, certo de que eles também não estariam ali esperando por nada, além do fortalecimento de sua fé. Mas quando fosse necessário, estarem todos dispostos a dignificar a Cristo e seus seguidores.

Ave Zé de Arimatéia!

[lomadeewpro category=’77’ keywords=”]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *