A Gruta do Lou

Imitando a Cristo

No último domingo, dei andamento ao meu projeto imitação de Cristo, que consiste em imitar o Ricardo Barbosa, que imita o John Stott, que imita o C. S. Lewis, que imitava a Paulo, que imitava Cristo. Imitar o que? Na atitude de colocar-se à disposição de Deus e do filho único dele, caso precise de alguém mais desprendido para um sacrificiozinho básico e, para tanto, lemos a bílbia e oramos diariamente ou sempre que possível, vamos à igreja aos domingos (às vezes), especialmente naqueles em que há celebração da ceia, de forma discreta, para não dizer camuflada. Ah! Não há uma igreja definida para tanto.

Sendo assim, me camuflei de Lou Mello e fui. Bom informar que combinei  previamente minha missão secreta com o pastor da igreja, um amigo, e ficou acertado que assistiria o culto escondido atrás de alguma coluna e ele sugeriu a sala de mídia (M3), onde só entram os autorizados e você tem ampla visão de tudo que acontece. Essa é só uma igrejinha na periferia em Sorocaba, perto da minha casa atual. Se bem que o pastor me citou umas vinte vezes durante o serviço e me convidou para cantar com ele um hino em espanhol, no fim do culto, convite que declinei, obviamente.

O profeta de Nazaré da Galiléia era um mestre errante; não era membro de uma igreja definida, não portava uma bíblia (nem aquela da prosperidade  ou uma NVI), não cumprimentava com a paz do Senhor e era meio “low profile”. Praticou a ofensa vertical, intensamente. Bastava os caras serem bem sucedidos nos meios eclesiásticos para ele chamá-los de raça de víboras. Mas orava como gente grande, lia a bíblia em sinagogas, as quais visitava discretamente de forma esporádica. Provavelmente, trazia a palavra em seu peito e mente.

Como se vê, o privilégio não é meu, nosso irmão mais velho deu o tom há mais de dois mil anos. Gente com pouca credibilidade como o Ricardo Barbosa, C. S. Lewis, John Stott e Paulo perceberam esses detalhes. Sou apenas um reles imitador.

7 thoughts on “Imitando a Cristo

  1. Nossa senhora!!! Que celebridade vc é….eu nem imaginava…(saco)

    Uma celebridade da periferia, inclusive já fui diretor de creche em um buraco da Freguesia do Ó, um funk da periferia! 🙂

  2. Você pulou um ou dois degraus. C. S. Lewis, por exemplo, imitava Chesterton e não Paulo. Eram Agostinho e Aquino imitados por Chesterton quem imitavam Paulo.

    Ih! Pulei muitos degraus, esse espaço não comportaria fazer justiça a todos, sem dúvida. Sua ordem é boa, mas sou mais o Lewis por me identificar mais com o rebelde, meio marginal, vindo de fora e considerado um anátema, por alguns, enquanto o Chesterton é uma unanimidade ortodoxa, embora deve estar a milhares de lugares na minha frente, nessa fila, lá pertinho do mestre.

  3. Pr Julio tirou minhas palavras, mas vou ignorar e dizer (rs):

    Não acredito, Lou é famoso… Droga!
    (Soquinho de raiva no ar)

    Na igreja do meu amigo aqui perto acho que sou, sim. Uma pena.

  4. Quem já brincou de telefone sem fio sabe das distorçoes causadas pelos “receptores” da mensagem e, em assim sendo, imitar os irmãos gera uma possibilidade de perdermos o bonde ou deixar de estar com o “Eu Sou”. Mas é sempre questão de escolha, afinal o Ricardo Barbosa é bem engraçadinho!

    Mas a idéia era essa mesmo, seguir a Cristo e creio que tanto o Ricardo quanto o Stott e Paulo estavam falando isso mesmo.

  5. “Sejam meus imitadores, assim como eu sou de Cristo Jesus”. Isso é chamar atenção para si, e desviar a atenção das pessoas. Não há sabedoria nisso. Quem envereda por este caminho, perdi o bonde, ou pega o bonde errado. Não devemos desviar o olhar daquele que disse “Eu Sou”.

    Lou, a GS captou bem a mensagem.

    Se acrescentarmos algo depois da frase de Paulo como “ou seja, siga a Cristo”, a idéia tornar-se-a mais clara. Todos os caras mencionados estão gritando: Siga o Mestre! Até eu, imagine. Nem Paulo nem o resto da fila desejou convencer os outros a segui-los ao invés de Jesus. Há muitos por aí buscando tal insanidade, eu sei, mas esses não estão na fila que conduz ao Reino de Deus, creia-me.

  6. Ok Lou, Paulo não se expressou com clareza. Neste aspecto o clérigo leva vantagem em relação ao leigo, que fica vulnerável, em total submissão a autoridade eclesiástica.

    Essa a idéia, não só de clérigos como de pastores e presidentes tiranos candidatos a ditadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *