Feliz Dia das Mães

Bem amigos, quero lhes contar uma história baseada em fatos reais. Domingo próximo, comemoraremos mais um dia das mães e esse fato ensejou meu texto. Tomei o cuidado em mudar os nomes dos personagens envolvidos a fim de preservá-los, exceto no caso dos vilões, como veremos. Os leitores assíduos da Gruta saberão entender melhor minhas palavras, privilégios adquiridos por fidelidade.

A coisa toda aconteceu com Tomate, um jovem com vinte e poucos anos e portador de um mal congênito que o impede de levar uma vida normal e o tem mantido em casa, como se vivesse em uma bolha, desde seu nascimento. Poucos meses atrás, Tomate foi agraciado por um programa governamental que lhe concede um benefício mensal no valor de um salário mínimo vigente.

Assim depois de mais de vinte anos, Tomate vislumbrou sua primeira oportunidade real para presentear sua mãe por seus próprios meios. Dentre as necessidades, que não eram poucas, Tomate entendeu que uma televisão nova seria um presente adequado a quem tanto lhe tem dedicado, em seus difíceis dias. Afinal, quem lhe trouxe ao mundo, alimentou, banhou, vestiu e todas essas coisas que todas as mães fazem? Mas em seu caso, essa mãe também viveu duas cirurgias complexas e amargou três longas UTIs a seu lado, às vezes sentada e outras em pé, engolindo todo tipo de sapos do gentil pessoal de saúde, salvo raras exceções. Pior, o processo ainda promete novos capítulos, em futuro próximo.

A TV velha, da década de noventa, teve som próprio por poucos meses, mesmo substituído, não foi capaz de funcionar como deveria e acabou sendo trocado por um aparelho de som que mora ao lado dela. Geralmente, ela custa a trazer as imagens até a tela e suas possibilidades para acessórios e periféricos atuais são bastante limitadas. Tomate calculou que poderia dispor de 10 a 20% de sua minuscula renda mensal para alegrar um pouco mais os dias de sua mãe.

Nesses dias que precedem o “Dia das Mães” Tomate, mesmo andando com dificuldade, mamãe e papai dirigiram-se a um shopping center da cidade onde residem e entraram em uma unidade das Casas Bahia, existente no local. Em pouco tempo escolheram a TV que cumpria as exigências e cabia em seu orçamento. Então, entregou os documentos novinhos em folha ao pessoal da loja para as providências de crédito necessárias. Tomate estava a alguns minutos de sua primeira compra a crédito, nesse nosso glorioso sistema capitalista, capaz de fazer a alegria de jovens com graves problemas congênitos e suas mamães, heroínas militantes. Depois de algumas escaramuças via redes informatizadas, uma jovem de aspecto cansado, certamente mal remunerada e pouco amada, lascou o veredito: Seu cartão foi negado pela financeira que opera nosso sistema, a saber a pródiga Financeira Bradesco. Papai perguntou o motivo, afinal Tomate nunca comprou a crédito antes, ou nunca havia realizado um negócio tão importante em seus parcos mais de vinte anos de vida, um milagre desenganado pelos médicos em seus primeiros dias. A operadora informou não ser capaz de determinar a razão da negativa, mostrando a tela onde não havia qualquer indício capaz de satisfazer a curiosidade daquele pai perplexo.

Outra opção se apresentou, fazer o negócio financiado pelos sistema de crédito da própria rede Casas Bahia, através de carnê de pagamentos. Nova rodada de fichas, pesquisas, telefonemas para a casa do vizinho, perguntas idiotas tais como o tipo do mal que acompanha Tomate desde seu nascimento, etc. Enquanto isso, mamãe já sentia em seu corpo os efeitos das emoções à flor da pele e papai, mesmo quieto e conciliador, provavelmente, já estava a ponto de esmurrar alguém com cara e crachá das Casas Bahia ou Bradesco. Então chegou o veredito final, as Casas Bahia, mesmo conhecendo as intenções de Tomate, ofereciam um crédito no valor da metade do solicitado para a compra da TV destinada à mamãe do Tomate, com uma entrada de 50 % de sua renda mensal e uma observação: Tal regalo das Casas Bahia para Tomate lhe permitiria demonstrar sua pontualidade no cumprimento de prestações mensais e assim conquistar confiança para futuros negócios.

Tomate e seus pais voltaram para casa sem TV, obviamente, e isso nunca será o ponto mais importante. A insensibilidade de um sistema montado sobre a Lei da Darwin, esse gênio ateu que deu aos donos do capital tudo que era necessário para jamais tratarem a humanidade como filhos de Deus. Dizem que Darwin se inspirou em Jacó e suas ovelhas listradas, mas não acredito nisso.

Feliz dia das mães a todos, inclusive às mamães do pessoal das Casas Bahia e do Bradesco, de quem já retirei a minha benção.