A Gruta do Lou

Fantasmas Persistentes


Universidade de Tubingen onde o atual Papa (Joseph Ratzinger) estudou e lecionou.

“Na verdade, tudo isso começou quando assisti a um vídeo do Leonardo Boff (cujo nome verdadeiro é Genésio Darci) e o cara me soa de uma hipocrisia digna de um Paulo Evaristo Arns, então me perguntei se não estaria sendo e fazendo igual,tentando parecer um santarrão, quando estou mais para o inferno do que para o céu. Pelo menos, da parte deles (céu) acho que está tudo resolvido, pois eles me abandonaram completamente, enquanto o pessoal dos chifres e tridentes parece cada vez mais ansioso em me ter como hóspede eterno. Só isso. O FB é só mais uma porta larga à nossa disposição, onde posso ser o que não sou, no meio de milhares de pessoas que parecem ser o que não são, se não me engano”. (parte de uma conversa no meu perfil Facebook)

A vida me ensinou, às duras penas, que o velho e surrado aforisma “Nem tudo que reluz é ouro” era verdadeiro. O John Travolta repete várias vezes outro aforisma importante “As pessoas acreditam no que vêm”, no ótimo filme A Senha: Swordfish e eu iria mais longe, acrescentando que as pessoas acreditam em tudo que ouvem, também. Quando as duas coisas se unem, ou seja, as pessoas vêm e ouvem ao mesmo tempo, então a desgraça pode tornar-se inevitável.

Não sei como você se sente, mas posso falar dos meus sentimentos. Sei que pode não ser de bom tom ficar me expondo em um blog onde não tenho como controlar de forma ditatorial ou firewall quem lerá ou quem não lerá minhas bobagens. Mas, ao contrário de outros, não tenho porque enganar os leitores, pelo menos não nessa altura do campeonato. O que tinha de ser já aconteceu, dificilmente me tornarei qualquer outra pessoa a partir de agora, mesmo que desejasse, secretamente. A minha vaca foi brejo com força e não há como tirá-la.

Então afirmo, sou inseguro e inconstante, posso dizer algo hoje e amanhã aderir à idéia contraria. Posso não gostar da Dilma e começar a achar ela bonitinha, na semana que vem, se bem que acho essa hipótese pouco provável. Mais fácil eu começar a ver alguma beleza na Cristina Kirchner. Não tenho muitas crenças fechadas, aliás, não confio em pessoas fundamentalistas, dessas que já estão hermeticamente fechadas para tudo, que têm opinião formada sobre quase tudo, e as acho bem chatinhas também. Gosto mesmo é de gente insegura, verdadeira e que consegue expressar suas fraquezas sem medo do que possa acontecer.

O fato é que essa cambada de hipócritas, malditos bem sucedidos do meu mundo, que durante anos se deram bem, enquanto eu lutava com meus moinhos de vento, não foram devidamente excluídos com a globalização e a revolução da informação. Ao contrário, seus fantasmas voltaram a me assombrar a agora com muito mais contundência. Antes os via de vez em quando e agora sou obrigado a vê-los todos os dias. Se não visito seus sites ou perfis, logo me aparece um puxa saco deles para me aporrinhar. Meu, você leu o versinho dele, gostou então pronto. Precisa retwitar para mim e para o resto dos seus infelizes seguidos? Viu o vídeo dele? Gostou? Então fique na sua, envie para sua mãezinha ver, mas poupe a mim e todos os menores de cinco anos dessas porcarias, por favor.

Quando montei meu primeiro site, comecei a navegar no Orkut e depois passei a escrever A Gruta (o blog) tive a sensação que, pela primeira vez, começava deixar essa raça de víboras para trás, com grande chance de não vê-los mais no meu raio de visão. Afinal, a rede cibernética parecia ser a minha praia particular, onde, pelo menos esses vampiros, não entrariam pessoas limitadas aos pecados relacionados no decálogo. Pensei: Agora chegou a minha vez, finalmente.

Ledo engano, continuamos na mesma ou pior. Esses trogloditas não são tolos românticos desses que deixam cair migalhas de suas mesas e graças aos puxa-sacos de plantão, gente que não tem muita coisa para fazer, os programas de acesso facilitadores foram surgindo e, em pouco tempo, aí estão eles todos, roubando toda a minha possibilidade de comer uma fatiazinha mínima que fosse, no bolo do sucesso.

Até o excomungado (oficialmente) do Genésio Darci Boff (Leonardo), como se já não bastassem meus ex-colegas de seminário e outros que migraram do Amazonas e de universidades meia boca norte americanas, estão infestando a rede com suas frases bonitas e vazias de realidade. Esses caras dão palestras sobre missões e nunca entraram em uma favela, nem aqui e muito menos na África, México ou Índia, nem para uma visitinha básica, só para constar. Nada neles vale um real furado, sequer. A não ser a Harley, os Ipods e as La Costes, esses trecos que eles adoram.

Engraçado, nenhum desses senhores de sucesso em terras tupiniquins estudou no Wheaton College, Harvard ou Yale. Muito menos no continente europeu, em Cambridge, Sorborne ou Tubingen. Até meus quarenta anos acalentei o desejo de fazer um curso de verão em Antigo Testamento em Tubingen, ou caligrafia em Cambridge, só para constar no meu currículo. Nem na GV, PUC ou USP essa gente teve peito e/ou competência para cursar. Quase todos foram preparados sob a batuta batista lá dá faculdade teológica, se muito.

Os católicos estudam em escolas quase secretas, mas a bem da verdade, eles formam bons teólogos. Talvez o ambiente estritamente masculino ajude. Mas é duro ouvir ou ver um cara que pode ter mexido ou sentado nos pingulins dos meninos da vida, sob meios perversos, querendo me ensinar alguma coisa sobre Deus.

Como você pode ver, sou um tremendo invejoso incorrigível. Além do mais, não cheguei a lugar nenhum e me encontro pior do que Cristovão Colombo depois de suas malditas descobertas, ou seja, duro, só e esquecido. Até o pessoal aqui de casa, às vezes, esquece de minha existência ou sonha com isso. Sei que deveria ficar de boca fechada, digo, com a pena, ou melhor, o teclado trancado, mas não resisto, pelo menos, posso me vingar um pouquinho, entre um cobrador e outro.

Uma coisa você pode confiar, tentei escrever tudo isso sem rodeios ou falsidades. É isso aí mesmo, pelo menos agora. Amanhã…



1 thought on “Fantasmas Persistentes

  1. Mais uma vez mandou muito bem Lou. Achei muito sutil e ao mesmo tempo um “tapanacara” a assertiva: estão infestando a rede com suas frases bonitas e vazias de realidade.
    Só posso concordar!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *