A Gruta do Lou

Estatuto do Cristão

050210_1914_EstatutodoC1

Ultimamente, “como nunca antes na história desse país”, produziram-se tantos códigos e estatutos como agora. Sei que já perdeu a graça mencionar essa frase e que ela tem servido a todos os detratores do nosso astuto presidente, sempre que pretendem avacalhar nosso caudilho, mas nesse caso, fará sentido, como veremos.

Uma primeira consideração, antes do tema central propriamente dito, seria conclamar nossos leitores ligados às leis para nos ajudar com as definições e ritos processuais. Primeira questão se refere a essas titulações estranhas do tipo: estatutos, códigos, regulamentos, etc., enfim, essas geringonças teriam o mesmo peso de, digamos, lei? Ou teriam esses nomes justamente para significar: “Não, nós ainda não temos status de algo tão nobre quanto ela, a lei”.

Nesse caso, nossos digníssimos legisladores teriam presenteado os idosos, as crianças, os consumidores e os torcedores com algo menor, e eles mesmos pouco a fim de cumprir.

Como diria o finado Viktor Frankl (O homem em busca de um significado) tudo tem dois significados, pelo menos, e cabe-nos optar pelo que for mais conveniente. No caso, se tudo não passou das questões semânticas e a ideia para tudo isso tenha sido mesmo criar leis protetoras e capazes de tornar nossas vidas (dos velhinhos, das crianças, dos consumidores e dos torcedores) melhor.

Sendo assim, então fizeram algo bom e não há porque não seguir esse caminho propondo a criação do nosso tão almejado e necessário estatuto, ou seja, “O Estatuto do Cristão”.

Logo depois dessa ideia genial, muitas outras sub ideias começaram a dançar em meu imaginário. Em princípio, pretendia pinçar algumas… digamos… incoerências desses documentos nada coerentes, mas lembrei, antes de mais ninguém, dos nossos leitores psicólogos e como eles amam o ECA e o Estatuto do Idoso, que resolveram de uma vez todos os problemas desses segmentos populacionais tão esquecidos, e achei que não ficaria de bom tom.

Nenhum blog perdeu tantos irmãos psicólogos e em vias de sê-lo como a Gruta, mesmo aqueles que tentaram me suportar até o limite máximo, acabaram nos deixando. Então resolvi dar asas a outras possibilidades, tais como fazer uma grande campanha nacional em favor dos direitos dos cristãos.

Provavelmente temos tantos direitos quanto esses outros grupos de segregados citados acima, assim não fosse, não seria necessário dar-lhes esses libelos dos direitos, bastariam os velhos e bons códigos(é eles também são códigos) o penal e o civil. Talvez haja aí um prenúncio de resposta à nossa questão, chamam-nos assim por ser uma preferência dos defensores da lei. Menos mal.

Como não sou do ramo, pretendo deixar o texto do nosso estatuto a critérios… digamos… mais democráticos, ou seja, imaginei iniciarmos um movimento através do site Avaaz.org, o mesmo que foi utilizado para a campanha do Ficha Limpa, e todos os interessados em contribuir com ideias para artigos e parágrafos únicos os deixariam registrados lá. Quando tivéssemos um montante adequado dos tais, com força para causar um Estatuto, iniciaríamos a campanha para pressionar o Congresso Nacional em relação aos trâmites necessários a transformar o nosso em mais um deles, com a eficácia de sempre.

O resultado esperado seria uma completa, ampla, geral e irrestrita mudança no tratamento dispensado a nós, cristãos desse país. Nossos deveres e direitos devidamente explicitados, a ponto de fazer nossa boa e velha bíblia, tão massacrada com traduções e versões de toda ordem e interesses, corar. Daria tudo para ver a cara de nossos detratores quando isso tudo fosse aprovado e re-aprovado em forma do Estatuto do Cristão, na Câmara e no Congresso.

Quando tudo estiver pronto e o nosso Estatuto do Cristão estiver devidamente sancionado pelo digníssimo Presidente da República, talvez presidenta, diremos com a boca cheia: Nunca antes na história desse país, ou de outro qualquer nesse mundo de Deus ou deuses, os cristãos estiveram tão amparados. Cristãos, olhem para a situação dos idosos, crianças, consumidores e torcedores e babem de inveja.

Se esse der certo, já estou prevendo o lançamento do Estatuto do Branco, do Negro e dos gays. Nada como uma constituição bem explicitada em seus mínimos detalhes.

OPS:

1)Enquanto não há o site para tanto, deixe sua contribuição ao Estatuto dos Cristãos via comentários mesmo, prometo transportar todas as contribuições para lá, depois.

2) Nesta segunda feira ligarei para o Silas e solicitarei a transferência de duas ou três daquelas doações de R$ 1.000,00, talvez aquelas realizadas por irmãos grutenses da gema. Se houver postagem nos dias subsequentes, então você saberá que obtive êxito e sobrevivi a mais um desses Tsunamis da vida.

lousign

6 thoughts on “Estatuto do Cristão

  1. Ué? Mas cristão já tem a bíblia como estatuto…qualquer coisa além disso,só milagre ao vivo,tipo ganhar na mega sena,receber uma herança surpresa…essas bobeirinhas que acontecem toda hora,na casa dos outros…

  2. art. 1° O Estatuto do Cristão adotará como parâmetro de interpretação a versão Lou Mello na linguagem de hoje.

    rs.

    Do jeito que a vida segue, sei não se isso não emplaca.
    Abraço Lou.

  3. art. 3° O Estatuto do Cristão – Será válido apenas a quem houver carteirinha de Cristão com o número de batismo.
    PS: Carteira de grutense poderá substitui-la.

    Muito bom lou

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *