A Gruta do Lou

Eminência parda

pere-josephFaltam 6 dias

Eminência parda (no Francês, Eminence Grise) era como chamavam François Leclerc, Marquês de Tremblay (1577-1638), que se retirou da vida mundana e ingressou na ordem dos Capuchinhos, com o nome de Père Joseph (Frei José), tornando-se o secretário particular, conselheiro e confidente do Cardeal Richelieu, o verdadeiro homem forte da França de Luis XIII.

A influência que Père Joseph exercia sobre o Cardeal fez dele um das mais poderosas figuras do reino, embora não ocupasse nenhum cargo oficial. É interessante ver o que Alexandre Dumas diz sobre ele no 1o. capítulo de Os Três Mosqueteiros, quando roubam de D’Artagnan a carta que ele levava para o Senhor de Tréville, Comandante dos Mosqueteiros do Rei:

“Depois do rei e do senhor cardeal, era o Sr. de Tréville o homem cujo nome talvez fosse mais frequentemente pronunciado pelos militares e até pelos burgueses. É verdade que havia também Père Joseph, mas o nome deste último só era proferido baixinho, tão grande terror inspirava a Eminência Parda, como chamavam ao secretário do cardeal”.

Eminência é, até hoje, o tratamento dispensado aos cardeais. Richelieu, que usava o tradicional hábito púrpura tradicional, era conhecido como a Eminence Rouge, enquanto Père Joseph, por causa da cor do hábito dos capuchinhos, era apelidado, um tanto ironicamente, de Eminence Grise. Esta expressão serve hoje para designar qualquer pessoa que se mantém nos bastidores da vida pública mas exerce secretamente o poder. É o que realmente manda, mas não aparece.

Clonado aqui

Entre os livros que vendi, em tempos de vacas magras, muitos me fazem sofrer até hoje. Um deles era a Biografia do Frei José de Paris, sob o título: Eminência Parda de Aldus Huxley. Essa figura emblemática causou-me enorme impacto. Poucos levaram vida tão acética quanto ele e, ao mesmo tempo, conseguiram causar tanta dor, guerras, mortes, miséria e desgraças incontáveis quanto esse monge capuchinho.

cropped-Capricornio-PB.jpg

1 thought on “Eminência parda

  1. Pingback: Lou Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *