A Gruta do Lou

Em nosso lugar

Dudley Moore

O Professor Karl Lachler contou, em uma das aulas de aconselhamento, uma história que nunca esqueci. Era sobre uma moça em grande depressão. Conversando com ela, ficou sabendo que ela perdera o pai em um acidente. Eles eram fazendeiros, o velho saiu com o caminhão e rolou em uma ribanceira da estrada que dava acesso à cidade mais próxima, perdendo a vida. A jovem não teve tempo de dizer adeus, obviamente, e isso não era tudo, o pior é que ela não pode dizer a seu pai que estava grávida de seu primeiro neto. Por essas razões, não se conformava e entrara em depressão. 

Nosso professor perguntou à garota por que ela não ia lá, no caminhão, momentos antes do acidente para dizer essas coisas ao pai, antes dele acidentar-se. Diante da perplexidade dela, ele explicou: Você pode fazer isso através de Jesus. Claro que isso é impossível para nós, mas ele pode. Vamos imaginar a cena. E nos próximos dez minutos representou, com ela, Jesus conversando com o pai naquele caminhão e contando a ele que a filha estava grávida do primeiro neto e que lhe dava o adeus desejado, terminando com as últimas palavras que o pai teria dito: Deus abençoe e guarde minha filha e meu neto. 

A jovem saiu consolada e renovada.

 Capricornio PB

11 thoughts on “Em nosso lugar

  1. Interessante!
    Parte das nossas depressões são causadas por coisas assim.
    Feridas, dores, etc.
    E nos esquecemos que para Deus o ontem é hoje, e só Ele pode ir ao passado resolver feridas causadas no tempo.
    Para reflectir.

  2. Bom dia, Lou! Desejo bons fluidos e tenha um bom apetite. Ah, tio! Faça gargarejos com agua e romã, compre no mercado aí pertinho… hj sua voz está parecida com aqueles comandantes de aeronaves. (rs).

  3. Oi Lou, tive uma experiência parecida. Claro que nao me levou a depressao, mas eu tinha um medo terrível de temporal. Por causa de um desses perdi minha primeira gravidez num susto terrível qdo um raio caiu numa das casas vizinhas onde eu morava.
    Um dia ouvi um pastor pregando algo com essa experiência que vc narrou. E naquela noite eu procurei lembrar-me qdo foi que passei a ter medo de temporais. Qdo crianca eu ia buscar minha irma na escola e num dia desses no caminho da escola o temporal me pegou. Eu tive muito medo de nao chegar em tempo de pegar a minha irma e que os portoes da escola se fechassem e tudo o que eu via a minha frente eram os relâmpagos. Orei por aquele dia e pedi a Jesus que estivesse comigo e desde entao nao sinto mais medo. Essa minha história virou hist. no Manancial da Sociedade Feminina.

    Grande abraco

  4. Alysson

    Salvo engano, e talvez algum (a) psicólogo de plantão possa nos ajudar (como a Flávia que sempre aparece, mas comenta pouco), o Lachler tirou a idéia desse exercício da Gestalt terapia ou trata-se de grande coincidência. O Frederic Pearls poderia nos ajudar, também.

    Francisco

    Eu tenho gravado essas mensagens de madrugada e, devido ao meu studio ter virado casa, tenho que sussurrar para não acordar a turma, inclusivo gravo com o volume fechado e o microfone grudado na boca. De fato dá para notar algo na voz. Eu diria que é vecciaia, se você me entende. Abraço pro ceis.

  5. Socaram em Sorocaba e não Tampan

    “Um pequeno acidente de trânsito despertou o comportamento selvagem em dois rapazes de Sorocaba, no interior de S.P. Após breve discussão eles socaram, derrubaram e chutaram à exaustão um senhor de 67 anos que dirigia um ônibus. Jaime Rangel, a vítima, foi internado com fraturas. Luciano Ferreira, de 25 anos e Kléber Cristiano da Silva, de 22, prestaram depoimento e foram liberados”. (23/07/07 – Época pág.24)

    Cuidado amigo eles estão soltos, vi a cara da vítima e está estragada, não quero ter que aconselhar ninguém para perdão. Ok?!

    Abraço

  6. Junior
    Eu estava tentando evitar que os leitores soubessem desse fato. Mas, como se vê, não consegui. Portanto, em nome de Sorocaba (à qual sou o mais digno representante) e de todos os sorocabanos (embora não seja sorocabano, apenas um réles morador na cidade e em vias de despejo) peço perdão a todos os leitores pela agressão descabida e covarde desses dois jovens (que nunca vi na vida e espero não ver, como me aconselha meu amigo) contra o indefeso senhor Jaime.

  7. Perdoado, mas de qualquer forma deixo os meus serviços à sua disposição, Tae Kwon Do e Jiu-Jitsu, para uma eventualidade qualquer. rsrsrs

    Rareô!!! kiri!!! Tekwon!!!

    Leitor e amigo

  8. Esse tipo de violencia barbara tem em qq lugar Lou..
    O ideal é torcer para cruzar com eles…
    Ou se cruzar, ter mto folego para correr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *