A Gruta do Lou

Controvertido sempre controvertido

Controvertidos
Controvertidos

Atendendo a inúmeros apelos, entrei em 2010 disposto a poupar os grandões. Segundo me informaram, meu filme andava meio queimado por minha insistente menção nada elogiosa a certas figurinhas carimbadas. Isso estaria impedindo alguns interessados em investir em meus textos.

Desde os tempos de criança, com a finalidade de cumprir aquele imenso roteiro da auto afirmação masculina, preferia arranjar encrenca com os valentões, se apanhasse ninguém notaria e ainda achariam natural, mas se batesse, mesmo menos, me notabilizaria. A vida seguiu  e o hábito fez o monge, ou seja, continuei provocando os caras maiorais. Poderia justificar esse pormenor com palavras doces e bem encaixadas padrão psicólogo, mas a verdade é sexual, faço isso por puro prazer.

Sabe, gosto de ler, embora não o faça na dose desejada. Dou muito valor quando ouço alguém citando Nietzsche, Kiekergaard, Borges, Dostoieviski, Schopenhauer, Kafka, Sartre, Camus, etc., especialmente os caras com aquela incrível capacidade de utilizar princípios ensinados por essa gente “the best” sem ser notado. Esses dias, no meio de um diálogo do excelente seriado Good Wife o roteirista enfiou uma das sugestões da Arte da Controvérsia de Arthur Schopenhauer, ensinadas a todos nós por meu amigo Paulo Brabo. Meu, fui ao delírio.

De outro lado, quando entro em um blog e vejo uma lista de livros preferidos, sugerindo a erudição do blogueiro, – e eu sou culpado de crime parecido quando inseri no cabeçalho da Gruta um monte de fotos de famosos e, ao me tocar da prepotência falaciosa, retirei rapidinho; – e não vejo ali menção alguma aos gibis, à coleção dos livros mais famosos de Monteiro Lobato, o Tesouro da Juventude, e outros quitutes da biblioteca miserável dos brasileiros cultos apesar de tudo, lidos pelo prepotente, não lhe dou a mínima, sobretudo quando entre esses autores cults o mancebo insere o livro do pastor e o do co-pastor de sua igreja. Meu, isso pega mal pra caramba.

Mas falávamos mesmo… perdi o fio à meada, quando lembrar volto.011314_0227_Variaesentr2.jpg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *