Blog, blogar
Local onde o santo bloga.

É estranho. De repente parece que a maioria do pessoal ficou sem assunto. Já estou com saudades da Norma. O Ed escreveu e ela nem tchum. Ai ele espertou e blogou um post do Brabo (esse não para). Decepcionei. Quase mandei um texto bem heterodoxo e de esquerda para ele publicar como se fosse dele. Mas, conhecendo-o sei que jamais aceitaria esse papel. Entre outras qualidades ele é um tremendo Caxias.

O pessoal de Portugal (Canto do Jo, Vilma, Raquel, Flá, Paula, Tinoca) está preocupado com o projeto de lei que permitirá o aborto, por lá. Não é pouco. E já inclui a questão em minhas orações, durante o período recluso na cela entre as 4 e as 6 horas da manhã. (Pensam que eu não sou meio monge, também é?)

A Dáuvanny está escondidinha, provavelmente, atrás de uma montanha de processos (sinto falta dos comentários dela) e a Lussandra anda tímida e fazendo muita falta, apesar de dar uma aparecidas nos comentários, sempre pertinentes.

O Tempora e a turma deles não comparece há dias. Tenho um prazer mórbido nas bobagens que leio lá. Apesar de ser um grupo privilegiado em termos de preparação.

O Volney desapareceu há tempos. Não comparece com posts e muito menos com comentários. E pensar que foi ele o responsável por minha funesta presença na blogosfera.

O Rubinho e o Hernan estão por ai, mas, o último anda gastando muito fosfato com maus defuntos, apesar de comentar muito por ai e pouco por aqui. Desculpe meu amigo, mas Lula lá é demais para mim (e o outro idem).

Até a Rosana Herman, embora não pare de postar, está devagar. Ao contrário dela, os posts andam bem magrinhos.

A Soninha (que adora mandar em homens) depois do revés na eleição ficou miudinha, mais ainda, tadinha.

Desse jeito, vou partir para alguma atitude radical, tal como, sair por ai procurando emprego ou outra loucura qualquer.

Nada ainda da grana para meu projeto. Eles não sabem o que estão perdendo.

Claro que tem milhares de blogs bons por ai. Não sei porque, os melhores estão em inglês. Gente ignorante incapaz de movimentar-se por línguas mais nobres como a nossa.

Adoro e me encho de prazer quando recebo comentários e principalmente de novos comentaristas, mesmo que sejam alfinetadas. Humm! Aquelas picadinhas deliciosas…