As redes sócio patas.

GrutaNet

 


 

 

A questão do atual cansaço de muitas pessoas com as instituições, os processos viciados, escassez por todo lado, etc., também anda me pegando de jeito. Some-se a isso uma trollagem insistente de um monte de representantes da falida sociedade industrial, que não se cansa de enviar seus representantes com base na superada ética protestante que os rege, e você terá alguém de saco bem cheio e sem saber para onde correr.

Para não reclamar só, tive uma tarde diferente e agradável. Uma pessoa me solicitou opiniões profissionais sobre o Terceiro Setor a fim de obter subsídios para uma provável migração ao nosso meio de vida.

Perdi completamente a motivação com as redes sociais das quais fazia parte. Me refiro às Netwings que pilotava, primeiro a evolução natural desse blog, a GrutaNet e depois uma evolução do meu desenvolvimento profissional que descambou na Salvem as Crianças. Sabe, nessa plataforma poderiamos exercitar relacionamentos mais saudáveis do que a relação possível em um blog. O blog é mais egoísta, mais sociedade industrial, mais ética protestante. A Rede Social distribuída é desenvolvida, socializada, democrática e permite interações intensas em todos os níveis, ou seja, todos podem escrever, comentar e conversar uns com os outros. Dá para postar material estocado onde ninguém pode ver hoje, ou seja, seu computador, e permitir o acesso irrestrito da galera grutense toda. Que igreja faria isso?

Infelizmente, a Ning, empresa que fornecia a plataforma gratuitamente, roeu a corda e passou a cobrar pelo serviço e não foi só isso, sem representação nesse fim de semana, só dava para pagar as anuidade com cartão de crédito internacional ou Pay-Pal. Opções inviáveis para mim. Ainda no tempo em que recebíamos algumas doações pelo Pay-Pal conseguimos sustentar, completando o que faltava, apenas. Mesmo assim, pagávamos sempre com atraso. Mas esse tempo acabou e as nossas redes foram para o saco.

Por enquanto, continuamos com o nosso bom e velho blog, aqui mesmo onde você  encontrará facilmente o caminho para ler os meus textos. Pretendo, ou talvez seja inevitável, chegar ao ponto de só escrever aqui e deixar o material da Gruta para consulta nos computadores da WordPress, sob o domínio “agruta.wordpress.com”.

Mas isso acontecerá em algum lugar do futuro, por enquanto continuarei escrevendo aqui sempre que possível. Se tivéssemos a rede você já aproveitaria para ler os outros grutenses, participaria dos grupos e fóruns, baixar textos, livros, etc., além de postar os seus também. Também poderia postar fotos e vídeos, desde que tivessem a ver com o tema da Gruta.

Do contrário, você pode ficar no tango, um eufemismo de saudosismo de uma Gruta silenciosa, reflexiva e superada, onde todo mundo curtia sua fossa. Não que a gente vá deixar nossas dores de cotovelo p’ra lá. As minhas são relacionadas com o meu insucesso e sucesso alheio, essa coisa que causa ciúmes e inveja à pampa.

Ainda bem que minhas vítimas estão na picaretagem e isso me dá motivo para avacalhar-los e ainda posar de bonzinho, coisa da qual estou longe de ser. Outras, digo, outros precisavam amenizar perdas amorosas ou a falta delas, fora os principais, grupo do qual também faço parte, os endividados, desempregados e lamentadores, o que nos concede o cumprimento perfeito do modelo davídico e sua caverna de Adulão.

Bom, acho que você já entendeu a ideia, aliás venho martelando nessa tecla faz tempo. Claro que o projeto GrutaNet roeu, mas isso não é novidade, comigo viver é sempre uma grande aventura. O fato é que solicitei isenção de pagamento à Ning, tanto para a GrutaNet quanto para a Salvem as Crianças e eles não concederam.  Como diria uma velha amiga, se for da vontade de Deus, Ele proverá. Tem gente inocente ainda nesse mundo, né?

Esse post foi escrito originalmente em 05 de maio de 2011, ocasião em que eu alimentava muitas esperanças. Infelizmente, todas elas se mostraram infundadas e hoje curto imensa frustração por isso. Muito menos pelas redes e muito mais pelas pessoas perdidas, por morte ou desafetos mesmo.

Mas fique tranquilo, o saco de maldades dessa vida bandida é inesgotável e nem quero pensar no que ainda virá por aí. Espero que não seja assim com você. Caso seja, sempre estaremos aqui para lamentar juntos, ter vivido.

Seja e feliz e fique me paz, se puder, pois eu já não tenho essas expectativas ufanistas.morcego-12