A Gruta do Lou

Acreditar em si mesmo

Acreditem em si mesmos
Acreditem em si mesmos

Se você consultasse sua experiência profissional em vez de sua horrível filosofia individualista, saberia que acreditar em si mesmo é uma das marcas mais comuns de um patife. Atores que não sabem representar acreditam em si mesmos; e os devedores que não pagarão, também. Seria muito mais verdadeiro dizer que um homem certamente fracassará por acreditar em si mesmo.

G. K. Chesterton conversando com seu editor em Ortodoxia.

021114_1613_Enfimarevel2.jpg

20 thoughts on “Acreditar em si mesmo

  1. Mas… se uma pessoa não acredita nela mesma, quem então acreditará?

    Se eu fosse o Chesterton, diria que acreditar em si mesmo tem o mesmo valor de uma nota rasgada ao meio. Ele achava que acreditar em si mesmo não servia para quase nada, a não ser para nos meter em grandes encrencas ou algo assim. Seria mais um desses mitos idiotas plantados pelos ilusionistas da psicologia. Nas últimas Olimpiadas (China) enquanto nossos atletas brazucas faziam terapia motivacional com alguns desses enganadores, os atletas vencedores estavam tomando Viagra, antes das provas. Se não me engano.

  2. A “lindinha”, deve ser profissional, e essa linha, provavelmente
    está desativada.

    Exatamente.

  3. Eu não acredito em mim mesmo, as vezes!

    Me sinto um patife em todas elas.

    Acredito muito em mim mesmo. Como meus filhos costumam dizer: não sou confiável.

  4. Oxente, e desde quando cristão acredita em si mesmo? Ainda não conseguem nem acreditar que o ES habita em cada um de nós e que não precisamos de papa, padres, pastores, mestres ou guias…

    Putz! Você acaba de resolver um grande problema teológico. Estamos há anos tentando decidir se o ES habita o crente ou a igreja. Se for a segunda opção, esses senhores que você menciona serão necessários, mas se for como você diz, de fato, eles são descartáveis. Eu não tinha muitas opções e agora, com essa, piorou um pouco mais. 🙂

  5. Não sejamos tão Ortodoxos. Creio que o Roger tenha colocado o acreditar em nós mesmos, no sentido de ir em frente com a vida, algo parecido com auto-estima boa, sem a qual não dá não nem pra lidar com o próximo. “Ama a teu próximo como a ti mesmo”; senão viveremos ostrificados, engessados, engaiolados. Existe um outro lado. Confesso que muitas vezes acreditei muito no meu taco e ainda hoje caio na besteira de achar que posso alguma coisa. Prepotência pura…caímos na cilada armada por nós mesmos, cadê nossa dependência do Pai?

    Não pode haver algo como um cristão com auto estima. Como nos ensina o mestre Nietzsche, o cristianismo é niilista e depende de pessoas sem auto estima alguma para sobreviver. Se você acreditar em si mesma e tiver alguma auto estima deixará de ser cristã, muito provavelmente.

  6. Deus nos deu a capacidade para acreditarmos em nós mesmos, mas
    somos fracos, não nos achamos merecedores ou melhor: não acreditamos que Ele nos deu.

    “Você crê que eu te amo ?”

    É isso.

  7. Na maior parte das ferrovias brasileiras a distância entre os trilhos (bitola) é de um metro. Quando muito, tem 1,60 m. Ou a moça é estrangeira ou o fotógrafo quer que eu acredite em hobbits.

    Tentei seguir o caminho do Google para encontrar mais informação da foto, mas não adiantou muito. Pelo meu conhecimento em antropologia e anatomia, ela é uma mulher do tipo brevilíneo. Com essa estrutura ela poderia caber entre os trilhos ou em qualquer lugar. 🙂

  8. Perguntado se acreditava na vida após a morte, Hagar, o horrível, responde : Não sei nem se existe vida depois dos 40…

    E você vem com esse papo furado de acreditar em si mesmo, quando eu não sei nem se acredito em filósofos (que dizem que acreditam no escrevem)….

    Resposta para o Brabo : photoshop cara…faz milagres

    Quem disse isso foi o ortodoxo Chesterton. 🙂

  9. Pois é Lou,

    enquanto os teólogos estudam a questão vão mantendo a escravidão, mas as portas do inferno não prevalecerão… Alguém disse isso e eu acredito plenamente Nele!!

    Os teólogos são todos niilistas.

  10. Lou, então explica, essa pra mim, Por que “Ama ao teu próximo como a ti mesmo? “Ou sou mesmo muito burra, mas me parece que amar a ti, ou a si significa auto-estima. E sabe, nunca gostei de Niestzche mesmo, aquele filósolo maluco, que fez a sua doença/loucura transformar-se em Filosofia. Realmente o cristianismo é niilista porém eu não sou nem sequer cristã, procuro seguir o evangelho de Cristo. Meus filósofos preferidos são Soren Kierkgaard Kierkegaard e Jacques Ellul. Prefiro psicanálise/psicologia.

    Faz muito bem. Se bem que os psicólogos são pouco confiáveis. Talvez ele tenha enfatizado isso devido à uma certa dificuldade nossa em termos de auto-estima. Mas o mais certo é que ele sabia de nossa tendência ao ego centrismo narcisista, então tentou fazer disso uma virtude. Coisas de Deus. Sei lá.

  11. Lou, meu caro, acho que você e a Raquel mataram a charada.
    A nota rasgada ao meio significa que Deus tem a outra metade.

    Como alguém já disse a questão não é se homem acredita em Deus, mas se Deus acredita no homem. Acho que a vinda de Cristo e cada criança que chega a esse nosso planeta é uma prova desta confiança divina, ou não?

    Enfim, as duas metades juntas dão uma valor equilibrado de até onde podemos confiar nessa parceria maluca homo-divina, que somos cada um de nós.

    Estou me sentido muito bem, ao viver um dia como se fosse o Chesterton. Creio sim que era isso mesmo que ele tinha em mente.
    Minha sugestão é que todos tenham um exemplar do livro em casa. Amanhã ligarei para a Mundo Cristão para tratar da minha comissão. Na terça, todos podem começar a comprar.

  12. Dificuldade em termos de auto-estima? Quer conhecer uma pessoa? Basta prestar bastante atenção aos discursos dela. Gosto dos folósofos que citei pois, principalmente Kierkegaard lutou profunda e visceralmente contra a Filosofia. Foi uma pessoa não sistêmica no mundo filosófico. Jacques Ellul- Pra mim, Filósofo que tem saída, não é filósofo, porque o homem que pensa, sabe que não tem saída, e gosto dele pela honestidade dele com a não saída humana.

    Auto-estima e auto-imagem disfuncionais são comuns, especialmente em países subdesenvolvidos. Nos países desenvolvidos impera a prepotência e o narcisismo. Difícil achar um Jesus de Nazaré, por aí.

  13. Tu: “Os teólogos são todos niilistas.”

    Eu: Desconfio que não…

    Aí o negócio é com o Nietzsche.

  14. Puxa! Nem posso falar com ele, já morreu!

    Afinal, a morte tem suas vantagens. Não seria fácil falar com você, depois de tudo que ele escreveu.

  15. Não sei,não…só você mesmo pra rir com Nietzsche. Vai ver é aquela sua doença não catalogada no CID-10 ou 11 sei lá.Agora com relação às falácias da igreja, não precisa ler nada nem ninguém pra ser Phd.

    Só Cervantes me fez rir mais. Imaginar Aristóteles dando purgante a quem sentia compaixão é hilário demais.

  16. Essas mulheres são boas de debate não?

    Bom, Lou, o cheiro de queimado da cozinha saiu, vou lá botar novas lentilhas no fogo. Valeu passar um tempinho aqui na Gruta.

    Boa noite.

    A seu pedido, comentarei só esse, o último dessa leva. Se o Conselho da Gruta não tivesse retirado provisoriamente o Top Comments, você teria levado o prêmio, essa semana. Não sei se você sabe, mas secretamente acalentava o sonho de receber uns livrinhos de uma editora gospel (Nelson Publishers) para sortear e presentear por aqui. Mas o cara lá sumiu e não me deu mais atenção. Deve ter achado a Gruta pouca porcaria para o padrão deles. Por isso você e os outros ganhadores ficaram a ver navios ou icebergs, sei lá. O pessoal não some por não entender meus posts, embora não entendam mesmo. Tudo tem a ver com a moda, a estética e o way of life. Legal é estar no Twitter, replicando textos do Gondim, citando Ed e esses estereótipos todos, sem falar nos gringos. Nós fazemos a mesma coisa e nem nos damos conta de estar entristecendo alguns com nosso pouco caso e ausência. C’est la vie.

Deixe uma resposta para Adiron Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *