A Gruta do Lou

A verdade libertadora: por Van Gogh

Sábado, Fevereiro 04, 2006

Sempre apreciei a arte, em qualquer de suas manifestações. Meu pai não era um homem culto, mas, levou-me prlo caminho das coisas belas. Ele próprio, pintou a vida toda e deixou sua arte espalhada por ai. Menino ainda, experimentei tintas, pinceis, goivas, etc… Depois veio a experiência no Ginásio Vocacional, fortalecendo meus laços, ainda mais. Nunca dediquei-me de forma específica, limitando-me a apreciar e encantar-me com as belas obras.
Na pintura, Van Gogh sempre foi o “The best”, para mim. Também, gosto muito de Renoir, Monet e muito mais. Mas Van Gogh causou em mim grande impacto. Minha professora de Artes plásticas no GV apresentou-nos uma série de slides das obras dele e em determinado momento relatou o período onde, mesmo internado, continuou produzindo sua belíssima obra, encontrando seus motivos através de uma única janela, em seu quarto de repouso.
A obra de Van Gogh é toda dramática. Por onde quer que olhava, ele via almas aprisionadas.

Ele próprio sentia-se aprisionado em si mesmo e, como ninguém, denunciava seu sentimento insuportável, através de sua obra. Lindas flores em vasos que logo murchariam por não possuir a seiva da vida, plantações fustigadas pelo vento, construções onde viviam seres encarcerados, objetos aos quais o ser humano se aprisionara, duas garrafas em pé e uma deitada com uma gota caindo lembrando alguém que dela lançara a mão, vários auto-retratos inclusive o da orelha cortada, sua visão através das janelas possíveis e vai por ai.
No evangelho apócrifo de Tomé há um verso dizendo: “ Se manifestarem aquilo que tem em si, isso que manifestarem os salvará. E se não manifestarem aquilo que tem em si, isso que não manifestarem os destruirá.” Ou se preferirem, “Conhecereis a verdade e a verdade os libertará.” João 8:32.

A verdade, cada um a tem dentro de si mesmo.
A missão de Jesus Cristo até o ocaso no calvário, desenhou a imagem mais conhecida e dramática em favor da libertação do ser humano.
Foi a verdade revelada no esplendor da expressão pela arte.
# posted by Lou @ 5:20 PM

2 thoughts on “A verdade libertadora: por Van Gogh

  1. Sua reflexão sobre verdade, arte e auto-expressão me fez recordar outra de Jung, talvez ainda mais ortodoxa do que a sua:

    “Nós protestantes teremos mais cedo ou mais tarde de enfrentar a seguinte questão: devemos entender a Imitação de Cristo no sentido de que devemos copiar sua vida e, se é que posso usar essa expressão, simular seus estigmas; ou no sentido mais profundo de que devemos viver nossas próprias vidas de forma tão verdadeira quanto ele viveu a sua em todas as suas implicações? Não é coisa fácil viver uma vida modelada na de Cristo, mas é indizivelmente mais difícil viver nossa própria vida de forma tão verdadeira quanto Cristo viveu a dele.”

    E, naturalmente, Tolkien, que na sua análise dos “contos de fadas” concluiu que a obra de Cristo é a comprovação da arte.
    # posted by Paulo Brabo : 2/05/2006 8:51 AM

  2. Temas mais abstratos são menos passíveis da participação. Entretanto, valem pela provocação e incentivo à reflexão. O pessoal passa e lê. Não opina, mas, sai penando no assunto. Isso é bom.
    # posted by Luiz Henrique Mello : 2/05/2006 3:28 PM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *