A ressurreição dos mortos

Bill Murray

Soube numerosa multidão dos judeus que Jesus estava ali, e lá foram não só por causa dele, mas também para ver Lázaro, a quem ele ressuscitara dentre os mortos. Mas os principais sacerdotes resolveram matar também a Lázaro; porque muitos judeus por causa dele voltavam crendo em Jesus.”  João 12: 9 – 11

Ainda bem que em nossos dias, algo assim tão vil, não acontece mais. Longe de nós alguém capaz de matar a razão da fé de um povo. Não, em nosso tempo tal pessoa seria preservada e teria lugar garantido, em grande posição de honra, onde quer que fosse.

Deve ser por isso que ninguém mais é ressuscitado. Isso não faria a menor diferença. Um ressuscitado a mais ou a menos, quem ligaria?

Meu amigo pastor Wagner de Avaré costuma orar pela ressurreição do defunto, quando oficia algum enterro. Parece que ninguém o chama mais para esse tipo de evento. Nem os membros da Igreja dele. Quando morre alguém daquela igreja, o povo chama pastores de outras igrejas para fazer o serviço. Não querem arriscar perder a herança ou livrar-se da sogra, com um pastor louco como o Wagner. Já pensaram se, uma hora dessas, ele consegue ressuscitar alguém? Para sorte de todos, ainda não aconteceu. Muito pior será, se tal acontecer, a presença do ressurreto nos serviços dominicais da igreja.

Quando estivemos com o Arno Stiegel, missionário alemão, na África do Sul, havia lá uma moça que fora ressuscitada, segundo eles. Esse senhor tinha esse hábito horroroso de ressuscitar mortos. Eu vi a moça cantando no coro. Claro que não acreditei na história. Essa só vendo. Ainda assim, suspeitaria de trapaça. Quando morava nos Estados Unidos, vi pela TV, em cultos da Igreja do Evangelho Pleno, pessoas abandonando muletas e aparelhos ortopédicos. No fim dos cultos eles mostravam pilhas de aparelhos que seriam de pessoas curadas. Nunca acreditei naquilo, lógico.

Gente que acredita nessas aberrações atrapalha a igreja e desvia cristãos do bom caminho. Melhor matá-los ou enviá-los para bem longe, se possível para o inferno. Culto legal tem que ter louvor (palavra usada para indicar música boa com forte apelo emocional), sermão, oferta e avisos. Nada mais. Esse texto deve ter sido traduzido por tradutores neopentecostais. Jesus não subverteria o culto judaico desse jeito.

Outro tipo de ressurreição que temo seja grande balela é a tal ressurreição da igreja de Cristo. Pessoal fica disputando se será com o mesmo corpo glorificado ou com um novo corpo. Eu não quero ressuscitar com o mesmo corpo, de jeito nenhum. Já chega uma vida inteira carregando essa geringonça para lá e para cá. Outra vida com esse corpo ridículo seria sacanagem celestial demais. Se tiver que ressuscitar que me dêem um corpo novo bem sarado com, pelo menos, 1,90 m e olhos azuis, nariz e orelhas normais e muito cabelo, etc…  Ora bolas!

Enfim, esse negócio de ressuscitar não ta com nada. Por causa disso mataram Jesus e matarão tantos quantos inventarem essa moda. Melhor deixar para lá.