A Gruta do Lou

A REGRA DE OURO

( Baseado no livro: A Lei do Triunfo de Napoleon Hill)

Depois de ler o excelente texto A fraternidade das letras do Brabo, lá na Bacia das Almas onde as ideias não descansam, muito mais depois que os comentários foram fechados, onde ele nos narra sua autobiografia bibliográfica e revela quanto o escritor argentino Jorge Luís Borges foi responsável por sua senda à margem dos livros, minhas ideias ficaram tão agitadas que não consegui mais controlá-las.

Anos atrás, por razões que não têm o menor interesse agora, conheci um senhor cujo nome é Martin Claret, dono de uma editora com o mesmo nome. Ele estava editando uma série de livros que eram resumos biográficos dos autores mais famosos. Nessa época, esse velhinho danado desafiou o Zenon a escrever sobre o Albert Schweitzer e estava às voltas com o livrinho sobre o Borges. Logo que ficou pronto ele fez questão de me presentear com um exemplar e descobri que o Borges não admitia que os livros fossem guardados ao lado de outros que lhes fossem discordantes, pois acreditava que os livros tinham vida própria e sentimentos. Tive que mudar todos os meus livros de lugar, por causa disso. Descobri que tinha colocado Keneth Hagin junto com Spurgeon e Ruben Alves em cima das Institutas de Calvino, por exemplo. Essa deve ter sido a razão de certos barulhos estranhos que ouvíamos em casa, durante as madrugadas. Depois que os separei, os ruídos diminuíram cem por cento.

O Martin estava doido para editar algo sobre o Napoleon Hill e eu caí na besteira de dizer a ele que tinha um exemplar de A Lei do Triunfo. Ele me pediu emprestado e nunca mais me devolveu. Talvez tenha entendido que além do Borges e alguns resumos biográficos, mais o exemplar de A Vida de Jesus de Ernest Renan, que ele me deu, pagavam o livro do Hill. Doce ilusão. A Lei do Triunfo do Hill foi conquistado a duras penas e seu valor era inestimável, para mim e para Livraria Cultura, onde foi adquirido. Trata-se do Best Seller dos livros de Auto-Ajuda. Quem pensa que leu livros de Auto-Ajuda e não leu o livro do Hill, não leu nada, nessa área.

Descobri que o livro do Hill, mesmo tendo na prateleira o Alan Watts, Herman Hesse, Eric Fromm, Gandhi, Martin Luther King, Thoreau e tantos outros pacificadores, era o único que não tinha opositores. Aquele livro podia ficar ao lado, em baixo ou sobre qualquer outro livro. Ninguém lhe guardava mágoas.

Talvez a razão seja a própria Lei do Triunfo, abaixo:

1. A Regra de Ouro: Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o também a eles; porque esta é a lei e os profetas. (O antigo e o Novo testamento)

2. Ser absolutamente honesto comigo e com os outros.

3. Perdão incondicional a mim e aos outros.

4. Serei justo, generoso e sincero para com os outros.

5. Serei responsável por minha própria vida e não interferirei na vida dos outros.

6. Não falarei mal de ninguém.

7. Reconhecerei a importância do pensamento. O homem é resultado daquilo que pensa.

8. Dominarei a tendência humana para o ódio, a inveja, o egoísmo, o ciúme, a malícia, o pessimismo, a insegurança e o medo.

9. Manterei minha mente com pensamentos voltados para meu objetivo principal.

10. Praticarei a lei da semeadura. Sempre colhemos o que plantamos. Ser justo, honesto, benigno, bondoso, compassivo e perdoador com os outros atrai a mesma consideração para nós mesmos.

Se viver mais cem anos, acho que conseguirei praticá-la integralmente.

6 thoughts on “A REGRA DE OURO

  1. …Oi Lou ! ….lendo assim essas leis até que parecem fáceis de cumprir. Bem, fáceis se eu tiver um um pouco mais do que os seus 100 anos para realizá-las, quem sabe 300 ?
    Aliás, esse é o grande segredo da santificação – sobreviver (para alguns até mais de 300 anos)
    para conquistá-la.
    abraços
    Alice

  2. Gostei do post.
    Quem pode dizer que pratica sempre, todos os dias, todas as horas e minutos, estas leis?
    Quanto a mim, “não que já a tenha alcançado ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus.”
    Continuemos a caminhar na estrada da graça, caindo e levantando, sabendo que o prémio é certo para aqueles seguem amando a Deus e o seu próximo.

    Abraços

  3. Ah, finalmente o netvibes encontrou o caminho do seu RSS e você ressuscitou na minha leitura diária. Quanto à Lei do Triunfo eu ia comentar, mas “6. Não falarei mal de ninguém” .)

  4. Paulo, pois é, não estava entendendo por que, mesmo falando mal de você pra caramba, você não dava as caras. Por isso, passei o dia todo procurando o defeito nos meus feeds até o trem voltar a funcionar. Não que tenha achado, consegui resolver instalando um plugin. Deu certo!

  5. Pingback: Lou Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *