A Gruta do Lou

A Perspectiva Mítica do NT

“A cosmologia do NT é essencialmente mítica em seu caráter. O mundo é considerado como estruturado em três andares, tendo a terra no centro, o céu em cima e o submundo em baixo. O céu é a morada de Deus e dos seres celestiais – os anjos. O submundo é o inferno, o lugar de tormento. Mesmo a terra é mais do que simplesmente a cena de eventos naturais, cotidianos, da sucessão trivial e da tarefa comum. É a cena da atividade sobrenatural de Deus e seus anjos de um lado, e de Satanás e seus demônios de outro. Estas forças sobrenaturais intervêm no curso da natureza e em tudo que os homens pensam, querem e fazem. Os milagres de modo algum são raros. O homem não tem controle de sua própria vida. Espíritos maus podem tomar posse dele. Tanto Satanás pode inspirar-lhe maus pensamentos, como Deus pode inspirar seus pensamentos e guiar seus propósitos. Deus pode conceder-lhe visões celestiais. Pode permitir que o homem ouça sua voz que consola ou exige. Pode dar-lhe o poder sobrenatural de seu Espírito. A história não segue em suave curso contínuo; é colocada em movimento e controlada por estes poderes sobrenaturais. Este aeon está escravizado por Satanás, pelo pecado e pela morte (pois exatamente estas coisas é que são “poderes”) e aproximar-se ràpidamente do seu fim. Este fim virá logo em forma de uma catástrofe cósmica, sendo inaugurado pelos “ais” dos últimos tempos. Então o juiz virá do céu, os mortos ressuscitarão, haverá o juízo final, e os homens receberão salvação ou perdição eterna. É esta então a perspectiva mítica do mundo que o NT pressupõe quando apresenta o evento da redenção que é o assunto de sua pregação.”

Rudolf Karl Bultmann

CENTRO ACADÊMICO OITO DE SETEMBRO
Campinas, 18-10-65.
Diretor: Uilean Fonceca de Carvalho.
Tradutor: Eduardo Oscar Chaves.
Revisor: Dr. Osmundo A. Miranda.

4 thoughts on “A Perspectiva Mítica do NT

  1. Ele não crê que podemos controlar nossas próprias vidas?

    Na verdade, ele defendia exatamente o contrário, ou seja, as posições existenciais e o livre arbítrio em detrimento das fábulas e da mitologia bíblica.

  2. Creio que Deus atua aqui e agora, mas Sua ação é oculta, porque não é diretamente idêntica ao acontecimento visível. Ainda não sei o que Deus está fazendo, e talvez nunca chegue a sabê-lo, mas creio firmemente que é importante para minha existência pessoal, e devo perguntar-me o que é que Deus está me dizendo. Talvez esteja me dizendo apenas que devo aguentar em silêncio.

    Sua posição, se comparada ao posicionamento de Bultmann, seria um meio termo, ou como diria nosso professor de dogmática, Richard Sturz: a vida é como estarmos em um transatlântico onde temos liberdade para fazer, mas o navio tem destino certo e nisso não podemos interferir. Um calvinismo menos radical.

  3. Agora você passou recibo de liberal. A turma da ortodoxia tomará essa citação de Bultmann como mais uma das vastas provas de sua apostasia.

    São Bultmann. Que Deus o tenha.

    Talvez a intenção fosse outra, mas se não sou um liberal, seguramente estou muito distante de ser um ortodoxo. Mas muitos liberais me tomaram por ortodoxo, especialmente nos tempos de militância entre os evangelicais de São Paulo.

  4. Lou

    Não pode ser um meio termo: essa frase que eu postei é do próprio Bultmann, a menos que ele seja meio termo com ele mesmo

    Bom, achei que a frase fosse sua porque ela não quer ser radical, provavelmente como Bultmann não desejava ser, salvo engano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *