A igreja já era, eu também.

Rei morto, rei posto. Sai Bush, entra Obama e vamos enfrente em frente. Tenho a sensação que isso não fará nenhuma diferença em minha vidinha pouco importante. Não creio em mudanças a partir da boa vontade política, seja nacional ou internacional. Minha esperança, uns trinta anos atrás, era um ressurgimento de uma igreja cheia do espírito de Deus e uma mudança constrangedora através do amor Agape do bondoso criador. Não funcionou.

Não sei se estou fazendo a leitura correta, mas sinto o pessoal desanimado. Pessoalmente, estou assim e posso tomar os outros por mim mesmo. Não consigo achar o fio à meada e vejo as pessoas, em grupo ou não, feitas baratas tontas, por aí. Esse ano foi pobre em eventos. Com eles, as esperanças se renovavam, sem eles ficou pior. Não gostei. Espero que o Ed, Gondim, Ariovaldo e todos os ministros bem sucedidos invistam mais e retornem com suas falaciosas propostas furadas de esperança e mudanças, no próximo ano. Pelo menos, dormiremos com algum alento nossas noites mal dormidas. Um desses monstros sagrados disse, dia desses, que estava preparado para a perda de seu filho falecido em acidente terrível, quando perguntado. Esse é o verdadeiro super-homem, Clark Kent que se cuide. O cara está desgovernado. Deve ser o café que ele anda tomando.

Pelo andar da carruagem, o meu ano vindouro não será grande coisa. Precisaria de um plano fantástico e começar pela capacidade de implantá-lo. Essas coisas andam escassas, por aqui. O plano poderia ser concebido, mas fazer isso de novo e sofrer mais uma frustração, por mais um projeto engavetado, não sei se meu coraçãozinho velho suportaria.

Estou solicitando ao Pai de nosso Senhor Jesus Cristo algum favor inusitado. Na verdade, nem sei mais o que pedir e, até isso, deixei por conta dele. Mande o que quiser, mas faça isso logo, pois se esgotaram todas as forças, por aqui. A parentela não quer nem ouvir falar em nós. Os amigos não devem ser incomodados nessas horas, sob o risco de perdê-los. Alem do mais, a única condição imposta ao velhinho barbudo é: Faça o que fizer, permita-me sair dessa andando com as minhas próprias pernas. De tudo que se arrebentou, meu orgulho foi a parte mais atingida. Não suporto mais ser humilhado pela vergonha de não poder suprir meu lar e a mim mesmo. Sabe, Deus anda fazendo um grande milagre aqui. O problema é que Ele insiste em fazer as coisas do jeito dele e me deixa maluco.

Um dia, em algum lugar perdido no passado, sonhei me tornar um ministro. Pregaria o evangelho com ardor, defenderia valores morais firmes, pois isso compete aos ministros sérios, visitaria as viúvas e os órfãos, anunciaria o ano aceitável do senhor, seja lá o que isso signifique e daria conforto aos infelizes em prisão. Todas essas tolices esperadas de um bom pastor. Mas os espinhos e as pedras do caminho enterraram minhas boas intenções. Sinto como se meu projeto não coincidisse com o do maior interessado nesse tipo de serviço. Só que o tempo passou, não fiz muito do que planejei e agora me faz falta o vigor de minha juventude.

Uma coisa prometo: nunca mais incentivarei jovens a buscar a vida ministerial. Tratem de trabalhar, poupar o dinheiro e não se meter em dívidas. Se os políticos não vos perturbarem, quem sabe tenham alguns momentos felizes, em seus dias. Fiquem perto do Ed e escutem as bobagens que ele diz. Chegou a hora de a igreja descansar eternamente, pois seus dias terminaram na terra. Nós tentamos alcançar o céu através dela e isso desagradou ao Chefão. Ele já começou a nos dispersar, confundindo-nos em milhares de línguas estranhas. A idéia não era essa, mas alcançar os homens e mulheres na terra.

Mas se você adquiriu alguma compulsão por ser tapeado, sempre haverá apóstolos, bispos, pastores, padres, profetas, etc., para tomar seu rico dinheirinho a troco de mentiras e afirmações vazias. Você é quem sabe.

Só quero concertar consertar um pouco dos estragos que fiz por aqui e, quando partir, não ser lembrado por eles, pelo menos.

OPS: Nota de repúdio e indignação aqui.