A Gruta do Lou

A Duda partiu para a eternidade.

Aprendi, muitos anos atrás, que a morte é uma decisão. Pouco antes de ir dormir, por volta das quatro e meia da manhã, ajoelhei ao lado da Duda e tive meu ultimo papo com ela. Disse-lhe palavras de conforto enquanto ela me transmitia sua derradeira mensagem, através de um olhar sereno e conformado, de alguém que diz: “Fique tranqüilo, estou pronta para partir em direção à minha nova morada”.

De qualquer modo, percebi que mesmo em seus últimos momentos ela estava mais preocupada comigo do que com ela mesma. É mais uma qualidade rara em nós humanos, enquanto os cães a tem em abundância.

Lembro que cheguei a pensar que Deus não havia atendido minhas orações, mais uma vez. Mas prefiro me consolar imaginando que do jeito dele, elas foram atendidas.

Ela viveu uma vida normal de cadela. Foram quase doze anos e morreu tranqüila, então, em sua casa e ao lado das pessoas que mais amava. Bom, eu penso assim. Tento não ser egoísta nesse momento. Estou preocupado com a Dedé, Carolina, Pedro e Thomas, eles estão sentindo muito. Entretanto, a consciência de que não vou tê-la em minha cama todas as manhãs, sempre vindo para me desejar bom dia e lembrar-me de seu amor incondicional por esse picareta, incapaz de dar-lhe, pelo menos,  mais conforto em seus últimos momentos, não acontecerá mais.

Imagino que não deve ser nada fácil ser Deus. Ter que levar a cadela de estimação de uma família a fim de poupar, não só o cão, mas as pessoas também, em que pese o sofrimento inevitável de todos. Espero que seja isso. Ele precisou decidir perder seu Filho amado para o bem de todos e deve saber bem o que fazer nessas horas. Nós nunca estamos preparados para lidar com a morte, seja de nossos entes queridos, de nossos animais de estimação e muito menos a própria. Para esse fato não há consolo, só conformação.

Nessas ocasiões, fica absolutamente claro o quanto essas questões relacionadas à Igreja, relacionamentos, crenças, dogmas, sentimentos, dinheiro, etc., não tem nenhuma importância diante da vida. Espero não precisar perder mais nada, nem ninguém para aprender sobre ela, e os caprichos do criador dela.

Agradeço a todos que se preocuparam, uniram suas orações às nossas e estão tristes conosco. Que Deus abençoe a todos nós.

7 thoughts on “A Duda partiu para a eternidade.

  1. …quando um ser,um amigo sai dessa vida,de forma serena…eu prefiro aceitar a idéia que Deus teve um último cuidado com ele..

    Recebam o meu abraço.

    A Duda é linda!!!!

    Obrigado! Deus cuidou dela, sim, não como queriamos, mas do forma mais acertada, embora doa e muito. Seu carinho conosco também é lindo. Valeu!

  2. Pingback: Roger
  3. Puxa, Lou! Triste notícia essa. Solidarizo-me a você e sua família nessa dor. Os dogs nos ensinam o principal: amar incondicionalmente e sem reservas. Essa amor fica e por ele vale a pena ter convivido com as Dudas, os Bobs, as Pinks…. mesmo que por certo tempo.

    Obrigado! Vai durar para sempre. De certeza.

  4. Triste notícia.

    A dor da perda nos remete a pensar na vida.

    Abraços aconchegantes.

    E muito, e como nunca. Obrigado, abraço para você também.

  5. Qndo vc me ligou na 6a. feira, achei fosse essa a notícia… Lamento. Estou em situação semelhante com o meu, da mesma raça, com 11 anos e uma severa infecção de ouvido. Sei que com essa idade – 11, 12 anos – os pastores alemães já estão no fim de suas gloriosas carreiras, mas é meio difícil aceitar: são os melhores cães do mundo! Deviam durar mais do que a gente…

    É verdade. Deus precisa enviar ao congresso celestial um projeto de lei que modifique o tempo de vida dos cães pastores alemães para uns oitenta anos, pelo menos. Certo?

  6. A morte de um animal doméstico, comporta sempre muita dor e pesar. Por muitos animais que se venham a ter a seguir, aquele será sempre especial e insubstituível. Ficam connosco os tempos bons e as recordações guardadas para sempre.

    Um abraço para toda a família.

    É verdade. Nesse caso, a Duda nos acompanhou durante doze anos e foi mesmo uma companhia muito especial, por várias razões e sua partida nos causou grande pesar. Obrigado por suas palavras, sempre oportunas e por sua atenção, uma honra. Abraços

  7. A morte de qualquer “todo ser que respire, louve ao Senhor”, quer seja animal ou humano, é realmente uma perda que nao sabemos reparar.
    Lamento. Sei que dói mesmo porque também já passei por isso. Mas como tu, eu também entendo que a morte é a unica coisa do que, realmente, temos certeza que acontecerá um dia.
    Abracos

    E quando ela acontece, dificilmente estamos preparados para ela, o que é um paradoxo, já que é a única certeza. Obrigado pelas palavras. Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *