A Gruta do Lou

A desistência como forma de ativismo à moda Gruta

Há um grupo na Escola de Redes cujo tema é A Desistência Como Forma de Ativismo. Começar esse blog no final de 2005 e mantendo-o, até hoje com postagens quase diárias, sem economia de palavras e frases, foi uma das boas coisas que fiz em minha vida. Do nada vi surgirem, pouco a pouco, muito leitores, comentários e daí novos bons amigos. Alguns ,talvez a maioria, era formada de blogueiros e, embora não celebrássemos contratos, trocávamos opiniões e crenças. Chegamos a um pico de 500 visitas dia, com um dia anormal de 1800 por causa de um post sobre a morte de Michael Jackson para depois ver a freqüência diminuir, até estabilizar na média atual de uns 150 por dia. No total, ultrapassamos a marca de mais de 270.000 visitas, nada mal.

Gosto de escrever, sobretudo sobre os temas teológicos, o cristianismo e Jesus Cristo com suas idéias subversivas, apesar do tom épico que os sacerdotes lhe deram, ao longo da história. Sinto certa indignação com injustiças, seja do lado que for. Lula não é, nem de longe, o presidente dos meus sonhos, muito menos a candidata que ele elegeu para substituí-lo sob referendo popular, via urnas eletrônicas, mas faço questão de fazer-lhe justiça lembrando que ele foi um pouco melhor que todos os seus antecessores pós golpe militar, esses sim, todos péssimos presidentes. Também faço justiça ao presidente lembrando que ele, nem de longe, foi o melhor presidente do período republicano desse país. Tivemos um ou dois presidentes com bons governos que o superaram intensamente. O mesmo ocorre como os neo pentecostais, eles não fazem parte de minhas listas de preferências, mas possuem qualidades não mensuráveis se comparados aos chamados ortodoxos, mas podem estar cometendo algumas heresias sérias, muitas vezes.

No entanto, ando sentindo um enorme desejo de empreender algum ativismo à minha vida. É verdade que, a certa altura, esperei do blog mais do que ele poderia me dar, tal como, ser uma espécie de tábua ou porta de salvação para este ex-missionário envelhecido e cansado de sofrer indignidades por essa vida a fora. Nunca escondi aqui minha situação financeira precária. Minha família chegou a me solicitar o fim desse tipo de informação, a fim de preservá-la. Com isso, cheguei a acalentar a esperança de encontrar, aqui, meu nirvana. Mas o tempo passou e nada. Apenas algumas migalhas caíram da mesa de Jesus e seus preferidos e, com minha proverbial lentidão, não fui capaz de aproveitá-las.

Então estou pensando que a hora de desistir chegou. Claro que estou no limite em que preciso decidir por não pagar mais o provedor, como forma de economia. Não acredito que conseguiremos viver sem acesso à Internet, se bem que, tecnicamente seria o melhor, pois seria outra economia a mais. Eu estava em certo ostracismo confortável há alguns anos e o blog me trouxe algum prazer com certa popularidade efêmera. Como tal, passou e agora está exalando um odor desconfortável e me incomodando muito. Além do mais, as coisas andam desorganizadas demais, estou perdendo o pouco respeito que ainda tinha de poucos e o desprezo vai se tornando insuportável. Preciso ativar minha vida e desistir para obter me parece o mais acertado, a cada dia.

Desejo saber se sou capaz de viver sem blog, Facebook, Twitter, Orkut, Youtube, Linkedin, etc. Acima de tudo, preciso priorizar a busca por alguma forma de renda, pelo menos para o mínimo necessário, coisa que não tenho experimentado nem proporcionado à família. Estou reativando minha fé através da oração e olhando à meia distância para ver se descubro algo em minhas plantações que valha à pena e, talvez faça algo em favor dos mais carentes.

Quem sabe depois de mudar para São Paulo, levar meu filho a uma significativa melhora, encontrar trabalho digno e dignificante para mim e meus familiares eu me reinvente como blogueiro. Terminarei a apresentação do excelente livro do Nelson Costa e depois sairei da Gruta e entrarei para a história.

Um beijo enorme em cada careca e um abraço estonteante em cada um de vocês. Fiquem com Deus, por favor.

Lou Mello


2 thoughts on “A desistência como forma de ativismo à moda Gruta

    1. Nelson
      Como disse, essa foi uma grande honra para mim. Não sei se você pode imaginar quantas vezes a escrevi e apaguei insatisfeito. Parece que nunca estava no ponto certo e, confesso, ainda não fiquei totalmente satisfeito, pois queria escrever algo a altura de sua boa obra. Usando uma ferramenta de análise conhecida como “os impulsores negativos”, nessas horas o estado predominante do meu ego é o perfeccionista e uma apresentação perfeita era o mínimo que desejava. Melhor do que tudo isso, será ver seu livro deslanchando plenamente pela comunidade. Nada me fará mais feliz e, seguramente, isso não acontecerá pela minha apresentação, mas pelo seu livro que está muito bom, creio. Obrigado mais uma vez pela honra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *