A Gruta do Lou

A Auto Ajuda com a cabeça na guilhotina

Essa semana, li no informativo da Ultimato, mais exatamente no editorial escrito por um cara chamado Marcos Bontempo, pessoa que não tive o prazer de conhecer e dificilmente terei, pois gente como eu não pisa em lugares sagrados como o dessa revista e seus desdobramentos (editora, seminário, etc.), com dizia, há nesse documento mais uma menção desonrosa aos livros de Auto-Ajuda, uma espécie de horóscopo que ninguém gosta, mas todo mundo lê. Aliás, o referido editorial é uma justificativa meio safada na tentativa de justificar um livro editado pela Editora Ultimato, de autoria do Elienai Cabral, outro que não estou autorizado a conhecer, e intitulado “Salvos da Perfeição” que não li, mas que foi altamente referendado por ninguém menos que meu amigo Paulo Brabo, grande ganhador do Prêmiro Areté 2010, no corte evangélico-teológico. Ocorre que o livro citado foi, equivocadamente, agraciado com o mesmo prêmio, só que justamente na categoria de melhor livro de Auto-Ajuda evangélico. Então, o Marcos, tentou festejar o prêmio sem parecer que o fazia e não propagar o livro que a editora dele editou, propagando, sem dar a entender sua real intenção, ou seja, vender o livro. Entendeu? Pois é, nem eu.

A Ultimato, em todas as suas manifestações, funciona como um farol do politicamente correto, ou em minha melhor opção, do religiosamente correto, na opinião da turma deles. As outras turmas, fazem a mesma coisa, diga-se de passagem. Sabe aquele grupo que sempre está em cima do muro, cujo lema é: Não se comprometa jamais? Então, pelo menos para mim, é isso que eles representam. Basta conferir suas publicações, seus editorialistas e suas posturas. A linha da Ultimato situa-se na chamada neo ortodoxia. Não que eu condene tudo ou todos ligados à organização. Já li coisas boas editadas por eles e conheço e admiro alguns escritores que já trabalharam ou trabalham para eles. Não citarei os nomes para não comprometê-los, sempre há o risco deles serem cortados por terem tido qualquer laço de amizade com gente de minha laia. Não posso deixar de lembrar que as outras correntes fazem exatamente a mesma coisa, ou seja, patrulhar os opostos.

Ninguém, nem os pastores, nem os psicólogos (esses então…), nem os psiquiatras, muito menos o Lula e sua cria defeituosa, faz melhor trabalho na área da manutenção da sanidade popular que os livros de Auto-Ajuda. Claro, nem tudo que reluz é ouro, e há um monte de porcarias misturadas; lembro aqui dos livros do Lobsang Rampa, Shirley Maclaine, Dalai Lama e do lado dos leitores da Bíblia, Caio Fábio, Rick Warren e Ed Rene, que escreveu a versão dele dos propósitos, e não precisava disso. Entretanto, não me surpreenderei se aparecer alguém aqui, entre os três ou quatros comentários costumeiros, para defender essas drogas. Sempre tem alguém a favor da liberação delas e eles tem direito a conviver com gente boa como nós.

Já sei, você me dirá outra vez, que não devia falar mal desses caras, sob o risco de não conseguir publicar meus livros, caso termine de escrevê-los. Lembro apenas que, disseram a mesma coisa para o Bispo Edir Macedo e ninguém pública mais livros do que ele no meio. Na verdade, nenhum desses caras é totalmente mal, são todos humanos e, como eu e você, também pisam na bola e nem todo mundo nasceu com talento para escrever. Sobre o Ed, preciso lembrar que não conheci pastor mais honesto do que ele, e olha que conheço porção considerável dessa raça de víboras, sem falar que foi um dos dois pastores, por mim visitados na época da Missão, que lembrou do insignificante detalhe do missionário propagandista de uma organização rica ser humano com contas para pagar e salário incompatível e, ao invés de contribuir com a Missão, contribuiu com o missionário. Deviam todos imitá-lo, em minha opinião, mas por favor, não escrevam livros cujo título inclua as palavras propósitos ou prosperidade, pois elas têm donos.

Graças aos livros de Auto-Ajuda, e há livros muito bons entre eles, alguns excelentes, de tal forma que milhares de pessoas em sofrimento, mundo afora, foram consoladas e assistidas em seus momentos difíceis, por essa literatura proscrita pela Ultimato e outros bons patrulheiros da moral. Terapeutas responsáveis os prescrevem a seus clientes ao invés de praticar charlatanismos como a tal terapia das vidas passadas, regressão à vida intra-uterina e outras bobagens do mesmo quilate. Não pense você que estou tentando esconder meu verdadeiro motivo em refutar essa grosseria do Marcos, seja lá qual for o tempo dele. Na verdade, estou tentando escrever um livro de Auto-Ajuda para pessoas com dificuldade em administrar as finanças pessoais, defeito do qual sou um dos maiores portadores. Pretendo fazê-lo em bom estilo, com bases cristãs, pois considero a Bíblia um excelente manual, nessa área também, e usar coisas consistentes da psicologia, como princípios da Análise Transacional, da terapia cognitiva nos moldes de Friedrich Perls e meus testemunhos para ensinar pelo erro e dar o tom bem humorado da obra. Não é a toa que estou chamando a coisa de Finanças Ok na visão de quem esteve do outro lado, mesmo título que tenho usado para os seminários e palestras sobre o assunto.

Apesar disso, se você for contra a Auto-Ajuda, adepto das coisas religiosamente corretas, neo ortodoxo e desejar assinar a Revista Ultimato e consumir os produtos deles, apesar de eu não recomendá-los, clique aqui. Aviso antecipadamente, que eles não têm o desprendimento de um Ed Rene.

6 thoughts on “A Auto Ajuda com a cabeça na guilhotina

  1. Não assino a ultimato nem se a vaca tossir…e olhe que as vacas tossem nesse meio.

    Como você disse, eles nunca se comprometem, e pior, com nada.

    Abraço Lou

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *