Volney Faustini

Amigo é coisa para se guardar…

Ontem, enquanto caminhávamos para o supermercado maior, mais caro e distante, a Dedé me lembrava das correspondências recebidas nos tempos passados nos Estados Unidos. Dentre tantas, o Volney nos enviou uma carta significativa, talvez ele nem se lembre disso. Foi importante para nós. Quando se está longe de casa, em outra cultura, gestos como esse funcionam como bálsamos de Deus. Interessante assistir essa dança do criador, mesmo contra o senso comum, ele usa seus escolhidos como lhe apraz.

Hoje é o dia do aniversário do Volney e creio ser oportuníssimo lembrar nossas aventuras juntos, desde os tempos de Portas Abertas, passando pela Germine, Força para Viver, Walking Through The Bible e os tempos modernos. Grandes feitos e belas vitórias.

Nem sempre concordamos e nem tudo saiu como esperávamos. O legal é que conseguimos esquecer, essa parte, rápido e seguimos em frente. De tantos que passaram e fizeram parte de nossas histórias, ainda nos encontramos para um jantar, um café e bons papos. Da última vez, incluímos o Daniel Fresnot e tivemos um momento ótimo, regado a frango a passarinho, calzone e uma saborosa garrafa de Periquita.

Creio que as forças inimigas lutam desesperadamente para impedir que nós dois estejamos à frente de algum empreendimento em favor do Senhor. Desculpem pela falta de modéstia, mas seria como Pelé e Garrincha jogando no mesmo time, ou seja, nunca perdemos.

Nas palavras dele mesmo, você vai falando e ele já está montando o plano de ação enquanto te ouve. Ave Volney ! Vida longa!