War

War
War

 

Em nosso tempo, adorávamos jogar esse jogo. Ao invés de sair no sábado, para algum tipo de balada (ainda não tinha esse nome ridículo), nos reuníamos para jogar War. Quem jogou sabe que se trata de um jogo de estratégia. Não entrarei em detalhes aqui, porque se alguém resolver experimentar, não quero estragar seu prazer.

O fato é que acabei com o prazer de nossa turma, naquela época. Descobri uma estratégia e me tornei invencível, acabando com graça do negócio. Alguns amigos chegaram a ficar sem falar comigo um tempão, outros atravessavam para o outro lado da rua para não me encontrar e minha namorada, da época, ameaçou romper comigo.

Sei, exatamente, a razão de tudo isso. Temos uma tendência incontrolável para estabelecer padrões. Qualquer acontecimento pode virar um padrão. Lembro de quando o Ray Bake esteve conosco em São Paulo e citou esse fato com bastante humor. Jesus curou um cego com cuspe e aí fundaram a Primeira Igreja Batista dos cristãos que creem que Jesus cura com cuspe. Parece que era um tal de um cuspir no outro e a igreja era um horror. Imaginem.

Há padrões estabelecidos para tudo, orar, louvar, cultuar, jejuar, ler, estudar, falar, etc, etc, etc…. Basta dar o tema e lá vem padrão. Não Deus não faz assim, está na Bíblia. Ele só faz assado. Deus isso e aquilo. Alguns se arvoram em senhores dos padrões de Deus. São campeões do padrão divino. Tornam-se, rapidinho, chatos como eu fui com meus amigos, ao estabelecer um padrão vencedor para jogar War. Descobri, com certa dor, que o negócio mais importante era cultivar a amizade e não vencer jogos. Fiquei conhecido como o imbatível jogador de War sem amigos (e quase sem namorada). Se não me engano, o único padrão que Deus tem é não ter padrão algum. É dificílimo identificar e entender uma resposta à oração.

Quantas vezes testemunhei orações respondidas cuja vítima não se apercebera do fato? Não responder pode ser a resposta, mas nunca será um padrão. Ouvia alguém se lamentando pelo fato de Deus a ter envergonhado, ao longo da vida, de muitas maneiras. Assumimos responsabilidades em nome de Deus. Muitas vezes, disse às pessoas em sofrimento que Deus viria em socorro. Quando foi que o Divino me deu esse direito ou me nomeou seu procurador? Não há padrão. Não sei se Ele faz ou fará e ou quando e como fará. Pode ser que sim, pode ser que não. Pois a relação com o Criador é uma relação de fé. Se pudéssemos estabelecer padrões, como fiz ao jogar War, não seria necessário a fé. Uma estratégiazinha perrengue já seria suficiente.

É preciso ter coragem e fé para agradecer pelo que Deus não fez, crendo que essa é a resposta dele. Em outras circunstâncias, nos assustaremos com a intervenção não solicitada do Velhinho Bondoso. Sem regras humanas, sem padrões a estabelecer, mas mantendo o vínculo de amor e fé. Ah! Nunca me convide para jogar War, é morte anunciada.

morcego-12

Author: Lou

8 thoughts on “War

  1. Se tivesse o jogo War nos tempos do divino, com certeza já teriam canonizado e transformado em denominação eclesiástica!
    “Assembléia Warniana”
    “Primeira Igreja Warniana”
    “São War”
    Eita joguinho que nunca ganhei!

  2. Pois.. por isso Jesus curava sempre de maneiras diferentes. Para não criar padrões.
    Mas a nossa tendencia é essa.. e pior quando achamos que Deus também é.
    Aprendeste uma boa lição: o importante não era ganhar o jogo, mas sim, não perder as amizades! 😉

  3. Lou,
    sempre escapei de jogar war…
    e de camarote eu assistia a rivalidade crescendo… é interessante observar isso de fora – e num jogo.
    invencível no war, é?
    não sei não hein?! fiquei curiosa quanto ao seu truque…
    beijos,
    alê

  4. Eu nao conheco esse jogo…
    Texto muito apropriado. Em nome de Deus se anda fazendo cada coisa neste terra… ai!ai!ai!

    Gostei muito do comentário da Vilma.

    Boa semana e tô lendo embora bem devagar seu livro. É que estava pintando o subterrâneo e tenho tinta por todo o cabelo, hahahahah!!!

  5. Por isso que digo que Deus é estranho. Ele usa cada jeito diferente pra agir em pessoas diferentes. Mas prefiro não descobrir o padrão dEle ou fazer Ele ter padrão…sei lá! Prefiro as surpresas.

    Ah! já ganhei no War, mas não sou invencível. Graças a Deus!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *