A Gruta do Lou

Sou cristão e você?

Mais que vencedor

Mais que vencedor

Quero iniciar fazendo uma ousada afirmação, coisa que faço raramente: Pode haver cristão tão bom quanto eu, e há, mas melhor será difícil achar. Uau!

O cara é um insano, deveria estar escrevendo no blog do Adiron. Mas peço-lhe um instante ou o benefício da dúvida e analisaremos os fatos.

Quem crê no seguinte: O Reino dos céus é: Dos arrependidos, dos pobres, dos perseguidos, dos cumpridores e ensinadores dos mandamentos judaicos (não matar, não roubar, não mentir, etc.); dos mais justos que escribas e fariseus; dos fazedores da vontade do Pai (leia-se igreja, pastor); dos iguais a João Batista, o melhor modelo de pobre que já existiu; dos semeadores (agricultores); dos que tudo dão pelo reino; dos que são capazes de se tornarem como crianças; dos absolutamente não ricos (que dificilmente entrarão); das virgens sensatas (não contestadores); ou seja, dos fracos, dos pobres, dos tristes, dos enjeitados e dos aleijados. Se você respondeu: o cristão, acertou.

Você conhece alguém com esse perfil? Se respondeu, sem pensar muito: o Lou Mello da Gruta, acertou em cheio. Aliás, só faltou dizer que gente assim vive em cavernas, digo, grutas.

Dito isso, quero informar aos meus detratores, que andam aumentando, que estou a espera da volta de Cristo, apenas. Não pense que essa demora me assusta, a espera é a certeza de sofrimento e quanto mais sofrer mais apto ao Reino estarei, pelo menos pela ótica ortodoxa.

Caso você não concorde com essas palavras, lembre-se que elas estão na Bíblia. Qualquer dúvida, leia o livro de Mateus, agora, por exemplo. Difícil encontrar alguém mais bíblico do que eu. Poderia até atenuar escrevendo que estou assim, tão cristão, mais pelas circunstâncias, mas isso não é verdade. Tenho ao meu lado todos os psicólogos, eles podem avalizar minha mais completa compulsão ao cristianismo niilista. Estou marchando para o céu, a passos largos.

Minha esposa não gosta que eu escreva essas coisas, só que ela não entende minhas preocupações. Se eu escrevesse sobre aquelas bobagens calvinistas, como fazem e creem os norte americanos e a legião brasileira pendurada, para justificar seu modo de vida anti-bíblico, perderia minha audiência.

Antes de qualquer coisa, precisaria mudar o nome do blog, talvez Castelo Forte, ao invés de Gruta  Fraca (o mesmo que Lou). Na intimidade, estou me lixando para a opinião pública, só não sou louco de escrever isso aqui.

Sei que meus mais fiéis leitores ficarão horrorizados com esse post, entretanto, é bom lembrar que eles estão prontinhos para entrar no Reino dos Céus, tanto quanto eu. Afinal, com essa moral não há como viver nessa terra.

Veja quem domina a blogosfera, o Twitter, as editoras evangélicas, a mídia cristã, se não são os calvinistas. A maioria deles provem das igrejas da zona oeste e da zona sul, onde estão a Batista do Morumbi, Betesda, IBAB, Raízes, Mackenzie, etc. Difícil haver outra igreja, no país, que exerça tanto domínio, quanto essas.

E não fique pensando que quero mal a essa gente, só porque me bloqueiam no Twiter, Facebook, etc. Já frequentei a maioria desses lugares, e se a corrente que estou fazendo, atualmente, der certo, voltarei ao convívio com eles. Jamais me sujeitaria a andar com aquela pobreza universal ou outra das tais.  Inclusive porque meus amigos estão todos lá. Assim que meu nome sair da lista dos endividados, eles me desbloquearão, pode crer. Se estou vivo ainda, devo a eles, provavelmente.

Cristãos bíblicos são tremendos “mãos de vaca”, como era João Batista a quem eles imitam. Deus me livre de ter que me levantar da frente desse computador (legado por um amigo calvinista) e superar-me, sair por aí com a bíblia em uma mão e a enxada na outra, pensando positivamente, não esperando nada que não seja a vitória.

Já estou na Gruta, se morrer, basta que coloquem a pedra fechando a porta e estarei feliz ao lado de Cristo. Afinal ele estaria onde?

morcego-12

9 thoughts on “Sou cristão e você?

  1. A igreja mais poderosa no Brasil ainda é a católica e em segundo lugar a IURD do Macedo. A IIGD do RR Soares também está na cola. Depois delas temos ainda as congregacionais como a Lagoinha, além do showbiz gospel que anda ganhando terreno até nos meios “seculares”.
    Os calvinistas são um poder à parte, especialmente por sua capacidade financeira, pois alinhada ao Império Romano, digo, aos EUA.
    A questão, para mim, não é ser ou não ser cristão, mas porque sê-lo.
    Eu ainda o sou, mas não sei exatamente porque. Talvez porque Jesus seja o único mestre dedicado a voltar nossas atenções para o outro, e não apenas ao próximo chegado: “ama o teu inimigo”.
    Em outras paragens, o papo é diferente. As doutrinas estão voltadas para o “auto”: autoconhecimento, autodesenvolvimento, autoajuda etc.
    Acho que é por aí.
    Nas poucas vezes em que me ocorre lembrar das propostas do Nazareno, pois sempre busco esquece-las mesmo que a involuntariamente, tenho a impressão de que é o caminho certo.

  2. Desde que deixei de usar a igreja para me qualificar como cristã,tenho uma ligação mais direta com Ele…
    sem intermediações,acho que Nos entendemos melhor.
    Quanto a ser considerada uma cristã…bem,acho que Ele pode responder melhor a essa pergunta.

  3. Lou

    Realmente tenho dúvidas a respeito desse seu cristianismo que se nutre de ofender as pessoas.

    Adiron

    De todas as pessoas que conheço, certamente você seria a última pessoa que eu ofenderia conscientemente. Não sei se a referência ao seu blog, nesse texto é a causa de sua observação ou outra. Mas gostaria de reparar isso, seja o que for. Por favor me ajude. Todas as pessoas que costumo citar desfavoravelmente, são a meu critério, prestadores de péssimo exemplo ou desserviço à causa cristã, sem falar no prejuízo causado por elas à minha pessoa, sempre atrás dos bastidores, claro.
    Você só me fez bem e o tenho em grande e elevada estima. Quando cito você ou seu blog, estou desejando mantê-lo em mais evidência e importância do que já tem. Fiquei muito triste agora.

  4. Lou

    Primeiro vou ser geral. Acho que você não ganha nada só dando tiros para todos os lados, além de, como você mesmo diz, desafetos.

    Não acho que precise agradar ninguém, mas também não precisa bater o tempo todo e, se for bater, bata nas idéias e não nas pessoas.

    Sendo específico. Eu faço parte da cambada de calvinistas, Como você bem sabe o significado da palavra, que tem como sinônimos corja, canalha, não posso senão ficar ofendido com a referência.

    Acredito que existam vários meios de se discordar. Não acho que esse seja o mais adequado.

    Um abraço

    Fábio Adiron
    Sola gratia, sola fide, solus Christus, sola scriptura, soli Deo Gloria.

    Então, não mencionei ninguém nominalmente, mesmo porque, faço parte da cambada de calvinistas, pois a maior parte das igrejas que freqüentei eram de linha calvinista, se não expressamente, eram de forma velada. Isso está escrito no meu texto. Se fosse indicar uma forma de viver cristão (e tenho feito isso ao longo da vida) sem dúvida, indicaria o modo calvinista e isso eu digo no final do texto, também. Não conheço outra forma de sobreviver melhor, apesar de não levar sorte nela, nos últimos tempos. Minha bronca é com a proposta franciscana hipócrita presente nos discursos, mas que tem raríssimos exemplos por aí, especialmente depois que Madre Tereza morreu. Era sobre isso que eu falava e, como ficou claro, não fui feliz e acabei ofendendo quem menos eu gostaria. Então, peço que me desculpe. Tomarei mais cuidado, prometo. Aliás, nem sabia que cambada significava coisas tão ruins. Sempre usei a palavra de forma descuidada e devo tê-la usada de muitas formas por aí, por exemplo: cambada de pastores, cambada de anjos, etc… Espero que eles todos me desculpem também.

    Uma abraço

    Lou

  5. Tu fica falando que é cristão aos quatro ventos depois terá de, provavelmente, carregar essa cruz por onde andar. hehe

    É só olhar os comentários para constatar que já ficou difícil.

  6. Pra não ficar sem comentário meu – logo eu, o mais intrometido: esse tema é muito incômodo pra mim e a forma como o Lou falou me incomodou mais. Pronto, falei.

    É que o Lou é outro incomodado com o tema, também. Khalil

  7. Só para concluir, esse post e seus cometários atestam o estrago que um texto irônico (inteiro) pode fazer em mentes desavisadas. Nunca esqueça a sabedoria do Homer Simpson quando lembrava a seu filho que ele não era confiável, o meu caso, também. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *