A Gruta do Lou

São Paulo

Devido a problemas técnicos, não fui para Campestre MG, esta semana.

Hoje, estou em São Paulo a trabalho. A cidade onde nasci e passei 48 anos de minha vida. A cidade de minha esposa e onde nasceram nossos filhos.

Há de tudo nela. A melhor comida, sobretudo pizza, muita pizza e de excelente qualidade, opções de lazer para todos os gostos, um sistema de metrô bem razoável, sem dúvida o melhor do país e melhor que o de Portugal (que anda em circulo e é uma luta tirar as pessoas dele, pois, estão sempre esperando sua estação chegar e as vezes ficam dias nisso), hospitais fantásticos, hotéis luxuosíssimos, parques, um cinturão de riqueza comparável aos maiores do mundo e muito, muito mais.

Uma coisa bem legal aqui é a quantidade de sebos. Devo ter gasto milhares de horas neles. Achei obras incríveis. Uma, em especial, “Minha vida e minhas idéias” de Albert Schweitzer .Passei alguns anos na Faculdade Batista de Teologia e nunca ouvi ninguém mencionar este nome.

Esta é uma vida a ser conhecida, sem dúvida, comparável a Martin Luther King, Gandhi e Mandela. Por causa dele, acalento o sonho de escrever sobre Jesus.

Mas, voltemos a São Paulo. Tem as Igrejas, também. Poucos lugares no mundo têm tantas e variadas como aqui. O que mais tem em São Paulo é gente.

Pessoas de todos os lugares do país e do mundo. Provavelmente não falta representante de nenhum lugar. Aqui nasceu e viveu gente incrível como Paulo Vanzolini, Guilherme de Almeida, Jorge Andrade, Maria Nilde Masccellani e tantos outros.

São Paulo é linda. Tem arquitetura, tem história, tem música, pintura, escultura, teatro e dança.

Gosto de andar pelas ruas respirando seu ar. Sinto-me renovado. Pertenço a ela e ninguém me convencerá a deixar de amá-la. Um dia, estarei de volta. Me aguardem.

# posted by Lou @ 6:25 PM

4 thoughts on “São Paulo

  1. Caramba, tenho uma relação de amor-ódio com Sampa, passando pelos alternados estágios de admiração, repulsa, empolgação e desprezo. São Paulo me apavora pelo sheer size of it – dá impressão de que estamos diante (ou dentro) de um interminável monstro nietzschiano, inteiramente acima do bem e do mal. Apesar de tudo a cidade me intriga e interessa, especialmente por ter tanta gente dentro dela.

    E concordo com você – precisamos escrever Em Busca do Schweitzer Histórico.
    # posted by Paulo Brabo : 1/21/2006 9:27 AM

  2. Volney estou antenado em seu Blog e o link está legal in both ways. Mas, preciso de suas dicas para seguir esse caminho. You are my master. Sobre S.Paulo, minha ótica é do apaixonado, mesmo. Mas, você e eu sabemos que ela é uma grande cidade. Precisamos muito nos orgulhar dela. O Paulo Brabo acerta em cheio, de novo, quando sente que ela intriga e interessa. Sobre o Schweitzer , há o livro do Zenon Lotufo para a Ed. Martin Claret, mas, concordo, precisamos resgatá-lo.
    # posted by Luiz Henrique Mello : 1/21/2006 11:30 AM

  3. Well my brother,
    Nem me teleligou?

    Poluição, pobreza, Violência, pobreza, Tráfego, pobreza, Excesso de gente, pobreza, Calor, pobreza, barulho, pobreza …

    Onde é que vc passou o dia? Prá onde ce quer voltar?
    # posted by Volney Faustini : 1/21/2006 12:21 AM

  4. Embora eu tenha nascido lá e goste de tudo que você mencionou,o que o Volney fala também faz parte do cotidiano/história de Sampa.As coisas são pretas também por aquelas paragens.Gosto daquela cidade pra desfrutar das coisas que não encontramos em outras,sei que lá as coisas acontecem,mas pra morar,nem pensar.Sufocante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.