Renascer, Obama e o arrependimento.

Obama e Warren

 

Sei que o evento mais importante, hoje, é a inauguração do governo Obama, cercado de tanta gente boa, sem pecados, o tipo de gente capaz de apedrejar a mulher adúltera sem remorsos. Falei um pouco do desabamento da Igreja Renascer. De fato ela ruiu por inteiro. Acho que o pessoal do céu nem contou nada para o chefão deles, para não azedar o humor de Jeová.

Mas não estou com muito apetite para ficar nesse lugar comum, como se a Gruta fosse um desses blogs veiculadores dos estereótipos da hora. Não estou dizendo que somos melhores ou piores, apenas essa não é nossa praia. O papo aqui gira mais em torno das tragédias mais crônicas, não de umas cento e poucas pessoas sob escombros, mas de milhares de seres esquecidos pelo universo sob as colunas desabadas pelas atrocidades cometidas por um bando de loucos ateus ou não.

Faz tempo que espero um novo governo capaz de dizer no discurso da cerimônia de posse algo como: nosso ministério mais importante é o da justiça e não o da economia. Mas morrerei sem ouvir tal disparate, creio. Alguém capaz de cancelar todo tipo de lista de nomes incluídos por não fazerem aquilo que se esperava deles ou colocar os juízes no banco dos réus, só um pouquinho. Um cabra arretado com coragem de decretar o fim dos processos de despejo e dos vistos de entrada.

Um negro capaz de liquidar com a AIDs da África enquanto deixa os bancos e seus banqueiros praticar o auto salvamento, esse sim seria um negro de alma negra. Me amarro mais no nazareno, hoje. Todo mundo estava preocupado em se livrar do domínio romano e ele queria arrependimento das vítimas. Que tolice. Fosse eu, liderava uma revolta inesquecível, bem terrorista, com flexas flechas e lanças caseiras sendo atiradas naqueles  italianos de Roma vestidos com saias curtas e ridículas, de dia e de noite.

Mas já sei o que vai rolar por aí. Todo mundo ligado na posse do Obama, os evangélicos loucos para ver o Rick com aquela cara de vencedor insuportável enquanto a esperança do pobre, do mendigo, do endividado e do estressado continuará além de tudo que se pode sonhar, para nunca chegar.

7 thoughts on “Renascer, Obama e o arrependimento.

  1. “…a esperança do pobre, do mendigo, do endividado e do estressado…” é achar uma gruta onde possa se abrigar, sem cobranças, sem censuras, sem apelos.

    Falando nisso, o que choveu de gente me perguntando se o negócio da Renascer foi obra divina. Melhor ficar por aqui, abrigado sem cobranças, censuras ou apelos.

  2. …eu acharia legal se os homens usassem saias, pernonas peludas à mostra. Lindão!

    Olha, Lou, eu não vejo a hora de passar essas novidadezinhas obâmicas, pros nossos blogues, principalmente a Gruta, voltarem às questões comezinhas de sempre: desemprego, dívidas, oficial de justiça, cortes de ligações telefônicas, empresas de cobrança ligando pra gente, enfim, nossa vidinha boba.

    Pior que amanhã tem mais. O cara me mandou um E-mail e não resisti. Respondi. Não perca.

  3. A tendência do ser humano é se entusiasmar com as novidades.
    É munição farta para os períodos ruins, onde sempre podemos
    responsabilizar alguém.

    O Bode expiatório deve ter sido obra da alguma encarnação anterior do Freud. Sempre buscamos o culpado, que não seja nós mesmos.

  4. É uma pena,mas a maioria incauta acredita que o Obama é realmente o salvador da Pátria,ou melhor,do mundo.Os brasileiros todos contentes de ver o Rick na posse, afinal o que tem de gente aqui com propósitos não é brincadeira.Os Estados Unidos numa crise econômica imensa e os jantares e bailes acontecendo aos borbotões,cheios de gente chique e políticamente correta.Quem dera realmente fosse feita alguma coisa pelos pobres do mundo…

  5. é Lou… faz parte…
    toda semana tem sua “grande notícia”!
    sempre foi assim!
    mas o melhor é
    que existe a
    contramão!
    🙂
    🙂
    beijos,
    alê

  6. Não sei como uma pessoa consegue falar horas, sozinha, pra milhares, ou milhões de pessoas! Ou é mto entusiasmo, ou é mta hipocrisia, ou quem sabe, os dois juntos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *