A Gruta do Lou

Questão de Imagem

Sábado, Fevereiro 11, 2006

O que o bom Filme “A Senha” tem a ver com o que aconteceu no World Trade Center?

O escritor americano, Gore Vidal chega a sugerir uma conspiração americana como responsável por esse acontecimento. Não sei.
O personagem do Excelente ator John Travolta no filme “A Senha” repete, várias vezes, o refrão: “As pessoas acreditam naquilo que vêem”. É uma questão de imagem. Todo mundo sabe como uma imagem pode ser forte. Geralmente, uma imagem vale por mil palavras. Certo? Ou Errado?

O grande ilusionista David Coperfield cansou de demonstrar como, muitas vezes, o que pensamos ver não é de fato algo real ou um acontecimento real. Uma imagem pode ser produzida para desviar a atenção ou para provar uma tese. Dificilmente, alguém suspeitaria não ser verdadeiro aquilo que seus olhos viram. Mas o que é o cinema, se não cenas irreais produzidas para parecerem reais.

Todo mundo viu os filmes do assassinato do ex-presidente americano John Kennedy. Poucos questionaram, no primeiro momento, que Lee Harvey Oswald não fosse o assassino. Engraçado, a primeira vez em que vi um filme, com a cena do presidente sendo alvejado, meu pai estava comigo vendo pela televisão, em branco e preto. Passaram o filme e seguiu-se a reportagem mostrando o Oswald sendo preso e o local de onde ele teria feito os disparos. Em seguida, mostraram o filme outra vez, onde claramente, o presidente recebe um tiro na fronte. Nesse momento, o local em que Oswald estaria estava atrás do carro e a uma distância considerável para um tiro preciso. Meu pai, ao ver o filme pela segunda vez soltou uma observação que jamais esqueci: “Boa a arma utilizada por esse Osvaldo. Ela dá tiro circular.” Dificilmente, alguém diria que o presidente John F. Kennedy não foi assassinado em Dallas por Lee Harvey Oswald. Ninguém dúvida do que viu. Entretanto, todos esquecem o detalhe de que viram uma imagem através da TV.

Outra imagem marcante foi a primeira vez em que o homem pisou na lua. Todo mundo viu pela televisão o astronauta americano (claro) tocando o solo da lua e dizendo aquela frase original. “Um pequeno passo para um homem e um grande passo para a humanidade”. Coisa de cinema, mesmo. Ninguém duvidaria, estavam todos vendo.

Jesus morreu crucificado no Golgota entre dois ladrões. As três cruzes formam uma imagem muito forte, mesmo quem não viu acredita que viu e ninguém dúvida daquilo que viu.

Milhares viram quando Moisés desceu do monte com as tábuas da lei nas mãos. Ninguém colocaria essa imagem em dúvida. Está escrito na Bíblia. As pessoas acreditam naquilo que vêem.

Vivemos em um mundo feito de imagens. Além das imagens naturais, alguns tem dons fantásticos para criar imagens geniais como fizeram Da Vinci, Michelangelo, Van Gogh, Renoir, Monet e tantos outros. No mundo atual, chegamos a era das imagens virtuais que nos permitem criar o que quisermos. Podemos criar de tudo. Motivos para uma guerra, razões para criar um plano econômico novo, fatos para eleger um presidente ou derrubar outro e imagens suficientes para criar ou manter um determinado deus. As pessoas acreditam naquilo que vêem. Contrária à definição bíblica de fé, a imagem é uma certeza adorada por Bush, Hitler, Papas vendedores de indulgências, Chirac, Lyndon Johnson, Warren, Edir, Lula, Fernando Henrique Vaidoso, R.R. Soares, Benny Hinn, Malafaya, etc…

A Madona é um enigma porque é uma imagem indefinida. Ninguém jamais a viu. Mas, todos a viram.

Fico pensando se seriamos capazes de crer em algo que nunca vimos. Bom, mas isso é uma grande bobagem. Nós só temos que crer no que vemos. Afinal as imagens não mentem jamais.
# posted by Lou @ 11:58 PM

Capricornio PB

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

1 thought on “Questão de Imagem

  1. Importa pouco que as nossas palavras sejam divinas, se forem desacompanhadas de obras. A razão disto é porque as palavras ouvem-se, as obras vêem-se; as palavras entram pelos ouvidos, as obras entram pelos olhos, e a nossa alma rende-se muito mais pelos olhos que pelos ouvidos.

    O lúcido Vieira, colocando nos pregadores a culpa pela ineficácia da pregação. Bem-aventurados os que não viram e… e… droga, esqueci. Se tivesse visto com certeza lembraria.
    # posted by Paulo Brabo : 2/12/2006 8:58 AM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.