A Gruta do Lou

Quando ler torna-se um problema


Desde dezembro de 2005 tocando esse blog e algumas outras tentativas menores nesse campo, tenho me defrontado com a dificuldade inesperada de muitas pessoas em ler, sobretudo dos mais jovens. Isso é surpreendente, também, porque em meu imaginário a minha preocupação maior, ao me envolver nesse tipo de empreitada, deveria ser com a questão de escrever e todas as suas nuances. Ledo engano, embora tenha aprendido muito na questão básica, a dificuldade em ler apresentada por muitos leitores sobressai-se de forma importante.

Há pouco, deletei mais um comentário grosseiro e desrespeitoso de alguém que o fez, simplesmente, por não ter conseguido ler e entender um texto relativamente simples, mas contendo minhas habituais ironias e descaminhos sarcásticos. Nunca pensei que uma atividade prazerosa como blogar pudesse me obrigar a atitudes próprias dos autoritários e tiranos. Muito menos, constatar a dificuldade que as pessoas têm em compreender textos.

Se você não escrever de forma assertiva e direta, certamente terá problemas, ainda mais, em temas relacionados às teologias, onde costuma haver sectarismo e dogmas desmedidos aos montes.

Para corroborar ao exposto acima, transplantei um texto escrito por articulistas do Jornal A Folha de São Paulo que versa sobre o problema. Leia e divirta-se ou, se preferir, chore à vontade.

 

Aluno brasileiro tem dificuldade para ler

1/07/2003 – 11h07

Estudos realizados com alunos brasileiros mostram que a maior parte deles tem dificuldade para ler e compreender textos. Entre os alunos do terceiro ano do ensino médio, apenas 5,34% têm habilidade de leitura compatível com a série que cursam. Pouco mais de 42% têm um desempenho considerado crítico ou muito crítico.

Esses dados, levantados pelo Saeb (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) em 2001 e divulgados neste ano, confirmam a deficiência de aprendizado que já havia sido mostrada quando o Brasil ficou na 37ª posição do ranking do Programa Internacional de Avaliação do Estudante, que avaliou o desempenho de leitura de estudantes na faixa dos 15 anos em 41 países, em 2000. Os alunos brasileiros ficam atrás dos chilenos e dos argentinos.

Os resultados do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) também revelam a mesma dificuldade. O relatório final do exame de 2002 diz que “só a leitura superficial e fragmentada pode explicar a opção por alternativas de resposta que revelam leitura de gráficos sem associação com a proposta, escolha de alternativas dissociadas do contexto, dificuldade de estabelecer relações entre linguagens expressas por tabelas, fórmulas e gráficos, escolha de afirmações e argumentos contraditórios e mutuamente excludentes”.

Do 1,8 milhão de participantes do último Enem, 74% tiveram desempenho considerado insuficiente e regular.

“Interpretar um texto é base para entender outras matérias. Às vezes, o aluno não sabe história porque não sabe ler”, diz Carlos Henrique Araújo, diretor de avaliação da educação básica do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais).

Segundo ele, um dos motivos do baixo desempenho em compreensão de textos é a falta do hábito de leitura, problema detectado não só entre os alunos mas também entre os pais e mesmo entre os professores. “Somos um país de não-leitores. O professor lê pouco, a família lê pouco. O contato com o livro só é feito dentro do sistema de ensino e, muitas vezes, de forma desagradável.”



Share this:
Share this page via EmailShare this page via Stumble UponShare this page via Digg thisShare this page via FacebookShare this page via Twitter

2 thoughts on “Quando ler torna-se um problema

  1. Escreveram grosserias pra vc?!?!?! Ahhhh! Tadinho… Vc é tão bonzinho!!! Eu consigo imaginar só uns 37 motivos porque alguém ficaria ofendido com o que vc escreve. O primeiro da lista é: o cara é um tapado. Os outros… deixa pra lá!

    1. Rubinho
      De fato, mando uns (*&(@#$%¨@#) vez por outra e depois de cinco anos, as vítimas devem ser umas dezenas.
      Entretanto, tenho um segredo que desejo compartilhar com você, afinal somos conterrâneos. É o seguinte, obedeço a um principio para espinafrar ou denegrir alguém. Deve haver um proverbio bíblico por aí que diz: Não há como denegrir alguém sem proveito próprio. Assim sendo, aplico esse provérbio em gente do topo da pirâmide, nunca ao pessoal da base, mesmo porque só funciona com os maiorais, mesmo. Quando você denigre alguém da base, vira preconceito e você não leva nada.
      Sei que isso pode parecer ofensivo, também, afinal nunca denegri você, por quem nutro estima e amizade, fora a gratidão e você poderia sentir-se mal, imaginando que o considero apenas mais um da base, embora seja mesmo verdade.
      Mas não se irrite, os últimos serão os primeiros, na lógica do Mestre.
      Abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.