A Gruta do Lou

Propaganda, poderes e potestades

[social_share style=”bar” align=”horizontal” heading_align=”inline” facebook=”1″ twitter=”1″ google_plus=”1″ linkedin=”1″ pinterest=”1″ /]”A propaganda nas igrejas é, sob vários aspectos, semelhante à utilizada pelos comunistas, pois apresenta às pessoas um sonho falso, que não reconhece a existência do sofrimento, da humanidade pecaminosa, dos perigos do sucesso também falso e se esquece do alto custo do discipulado.”

Marva Dawn em O Pastor Desnecessário,

escrito em parceria com Eugene Peterson,

citando seus estudos sobre

a obra de Jacques Ellul

Propaganda, poderes e potestades estão interligadas. Quando trabalhei em um laboratório como propagandista aprendi muito, coisas boas e outras nem tanto. Entre elas, me ensinaram o que chamavam de propaganda ética, um artifício pelo qual os laboratórios se comprometem a não fazer propaganda de seus medicamentos pelos meios de comunicação, dando aos médicos o privilégio do receituário. Os deuses de roupa branca, em contrapartida, se comprometem a receitar os medicamentos não propagados. Isso evita a automedicação e garante aos profissionais da medicina a exclusividade na arte do curandeirismo.

Do outro lado, os medicamentos conhecidos pela população não precisam de propaganda, pois todo mundo os conhece. Basta ir à farmácia mais próxima e adquiri-los. Geralmente, eles dispensam receitas. A receita não é uma defesa do cidadão como pensam os incautos, ela defende o médico e seu trabalho. Já imaginou se não houvesse essa obrigatoriedade? Estariam ferrados. Se bem que nos países menos desenvolvidos as farmácias sacaneiam bem os deuses da cura, enquanto nos países mais desenvolvidos é quase impossível adquirir um medicamento específico sem a receita de um deus médico.

O que o Ellul profetiza, segundo a Marva, em relação à propaganda, é o fato dela ser um dos tais “principados e poderes” do nosso mundinho atual. Nossos pastores também buscam vender a ideia de sua imprescindibilidade, tanto quanto os médicos, advogados e psicólogos. Como se não pudéssemos viver sem esses crápulas.

Na verdade, todos fazem a mesma coisa, até os professores de educação física com viés para a administração de organizações não lucrativas e metidos a consultores de ONGs. Todo dia inventam uma formação obrigatória para tanto. De tal forma que mestrado e doutorado caíram em vala comum. Agora é preciso pós doutorado e amanhã virá o pós pós doutorado.

Pouco tempo atrás, conheci uma jovem em uma igreja onde fui devidamente menosprezado, como sempre, que não sabia nada sobre Desenvolvimento (Captação de Recursos e Comunicações) e vivia me abordando em busca de dicas capazes de ajudá-la em seu trabalho na área. Nossas poucas conversas sobre o assunto foram difíceis, pois precisava recitar o bê-á-bá da coisa para ela, o tempo todo. Bom, agora ela é a catedrática de uma grande escola de formação superior na matéria. Das duas uma, ou ela é um gênio mil vezes superior ao tolo do Eistein ou uma tremenda enganadora, para não dizer uma legítima representante dos Poderes e Potestades. Tudo bem, ainda tenho esperanças de salvá-la.

A conclusão me parece óbvia, o que é bom e funciona já é conhecido. Jesus vivo fugia das multidões que teimavam em segui-lo. Morto, conseguiu mais adeptos do que a matemática conseguiria registrar. Bastou um sermãozinho conservador, em um monte qualquer e uma morte exótica para tanto.

Capricornio PB

Share this:
Share this page via EmailShare this page via Stumble UponShare this page via Digg thisShare this page via FacebookShare this page via Twitter

9 thoughts on “Propaganda, poderes e potestades

  1. Pingback: Lou Mello
  2. Se tal como os médicos, fizessemos propaganda do Médico Jesus, certamente os Laboratórios Emocionais Intrinsecos estariam em melhores condições Financeiras.
    God bless you,
    T.

    Definitivamente Jesus não requer propaganda, mas vivê-lo. Os outros nos imitarão.
    Deus te abençoe muito e obrigado por sua fidelidade e sinceridade.

  3. olá, Lou, gostei mto do texto: mas vc recomenda ler o livro todo? aqi onde moro é terrível: Itaipú e Niterói:tem uma igreja q fica lotada aqui e tem um cartaz enorme na entrada c/o título: ” PROXIMA ATRAÇÃO”!QUE HORROR! ou então a da IURD:”SESSÃO DE DESCARREGO”!! onde vamos parar? se o livro vale à pena ser comprado ,me fale,ok? abçs! Isabel

    Claro, recomendo sim. É barbaro. A Editora é a Mundo Cristão e basta solicitar pela Internet. Deve custar uns R$ 29,00. Obrigado pela visita.

  4. Deuses de roupa branca? Eu chego a ver uma certa aurea
    resplandecente em alguns…não sei se por mérito, ou
    se é aquela velha informação formada sobre tudo…
    a gente acredita.

    Se eu precisar responsabilizar uma classe naquele dia, sem dúvida sobrará para eles.

  5. Quanto a mudanças, a gente já está acostumada, mas
    esse requisito “cultos”, sei não, dessa vez tô sentindo
    a minha” batata assando ”

    Bobagem. Não há nada definitivo e ninguém capaz de prever nem o tempo que fará amanhã. Na verdade, todas as nossas batatas estão assando, mas não sabemos qual assará primeiro.

  6. Há muitos anos foi lançado um livro “Onde não há médico” que ensinava qualquer plebeu a curar 90% das doenças do terceiro mundo sem recorrer a hospitais, equipamentos, laboratórios e etc… impressionante! Ainda tenho o meu…

    Informação muito relevante. Há médicos, e você conhece uma em especial, imprescindíveis. Gente que não permitiu o domínio da soberba e da prepotência. Continua humano e fazendo grande trabalho pró doentes. Mas, no espírito do texto, estamos falando dos caras que acham que viraram deuses depois de fazer uma faculdade de ciências médicas, obviamente. Isso acontece em todas as profissões, inclusive entre os professores de E. Física consultores de ONGs. Acredita? 🙂

  7. Pingback: prjulio
  8. No último trecho da resposta ao Rubens:”isso acontece em todas as profissões, inclusive entre professores de E.Física,consultores de ONGs. Acredita?”
    Eu continuo: Blogueiros e alguns de seus seguidores…rsssss

    Bom, eu não queria dizer, mas…

  9. Tive um professor que dizia em suas aulas que a função dele era nos levar até a linha do limite do que ele também sabia, e que dali iríamos por nossa própria conta. Que a sua função era nos transmitir exatamente todos os seus próprios conhecimentos, e ele falava sério. Doação de conhecimento. Mas o que acontece é que o povo sonega. Passa uma informação e esconde duas. E o medo de se tornar desnecessário, onde fica?

    Seu professor era muito mais corajoso que eu. Nessa função procurei sempre esconder meus parcos conhecimentos. Tudo que buscava era ajudar as pessoas a descobrir Deus dentro delas mesmas e pensar por si próprias. Uma velha máxima socrática, praticada por Galileu por exemplo. Coisas há muito ultrapassadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.