A Gruta do Lou

Onis

Caro Wormwood

Passo toda a vida acreditando que uma coisa é uma coisa. Daí, sem aviso prévio, me dou conta que uma coisa nunca foi uma coisa. Aprendi primeiro com o catolicismo e depois com o protestantismo a oração “falando com Deus”, como se Ele estivesse presente em qualquer lugar e pronto a escutar esses cretinos a qualquer tempo; chamam isso de onipresença; depois, aprendi a levar todos os problemas ao Velhinho de barba branca, grandes e pequenos baseado em sua capacidade de resolver todos eles, a tal da onipotência; e solicitar ao Maioral todos os tipos de informações, crente na tal da onisciência divina. Entretanto, a vida e seus fatos irrefutáveis demonstraram, de forma cabal, a inconsistência das tais onis.

Deus não está em todos os lugares, muito menos em todas as coisas, não ouve orações, não resolve problemas alheios, nem pode e desconhece a maioria dos conhecimentos. Chego a desconfiar, inclusive, da tal bondade de Deus. Provavelmente a visão do Senhor de Branco sobre o bem e o mal dista miríades de quilômetros da nossa. Já cansei de ver pessoas obstinadas prevalecerem sobre os fracos sem vontade, ambiciosos sobrepujarem os desapegados, ricos oprimindo pobres, os sem ética ocupando os postos de comando e massacrando os éticos, os soberbos sumindo com os humildes e vai por ai. O tal do oni isso e oni aquilo deve ser um “oniomisso.” Salvo algum grande engano.

Se não for isso, então eu sou um grande miserável sem saber a causa. Só as minhas orações nunca foram ouvidas. Só eu levo pua por não ter sido bonzinho aqui e ali. Só eu tenho que pagar nessa vida por minhas transgressõeszinhas? Os caras roubam e depois matam pessoas de forma indiscriminada e escondidos atrás de uniformes ou títulos e tudo bem. Os inimigos de Deus freqüentam os palácios para tirar Tarot, jogar os búzios e fazer mapa astral dos políticos impunemente, gente que não faz uma única oração, a vida toda, e vive blasfemando contra o Divino. No entanto, tudo vai bem.

Ah! Mas eles irão arder no fogo do inferno. Essa é a grande lorota da história, inventada pelos sacerdotes serviçais dessa turma de ímpios. Quando morrem, seus corpos são enterrados a fim de que o cheiro não incomode as pessoas vivas. É só. Não há mais nada depois disso. A menos que eu me equivoque, neste detalhe.

As pessoas são o que conseguem fazer ou extrair desse mundo sem se ferrar durante suas ações. Não tem nenhum oni alguma coisa para salva-las, caso metam os pés pelas mãos. Nesse mundo é preciso mesmo cuidar para não infringir a lei dos homens ou ter bons advogados, caso o façam. A tal da Lei de Deus não serve para nada, a não ser para manter um bando de imbecis prostrados e indecisos.

Onipotência, só se for em Marte. Na terra manda quem pode e obedece quem tem juízo, o resto come pãozinho de sessenta dias, se muito.

Continuem orando e lendo esse livro horroroso, cheio de inverdades conhecido como bíblia, enquanto os verdadeiros onis pegam o que é deles e não deixam nada para vocês, é o que devemos dizer às pessoas. Na lápide de sua cova estará a inscrição: Aqui Jaz o onitrouxa, completando a prédica.

Está tudo caminhando segundo nossos melhores interesses. Mantenha as coisas como estão. Até aos profetas estão aconselhando a se tornarem humoristas ou sararem da síndrome de salvadores da humanidade, para nosso delírio.

Ass: Screwtape

2 thoughts on “Onis

  1. Cara, sabe que acabei de assistir à minissérie da Globo que reconstituiu a morte de Chico Mendes. Depois, veio o Jornal da Globo falando do relatório da ONU sobre o aquecimento global dizendo que as coisas são [muito] piores do que se imaginava. Enquanto isso a turma do Tonicodemus fica dizendo que esse negócio de aquecimento é tudo balela da esquerda anti-americana e dos teólogos da libertação.
    Fico com as palavras do Leonardo Boff:

    “Não era esse o sonho de Jesus”.

    Sabe de uma coisa, você tem razão. Esse “deus onitudo” não existe. O Deus que conheço é um homem que foi crucificado e morreu em fraqueza, vítima de tudo isso que você falou. Ele foi mais um derrotado. Ele disse que são felizes os derrotados deste mundo. Alguns de seus discípulos também tinham essa mania de acreditar que sofrimento é privilégio; que deveríamos agradecer por ser desgraçados. Um deles disse ainda que deveríamos nos alegrar com nossas misérias.
    Não quero nenhum Deus todo poderoso. Quero o deus fraco, pois a fraqueza de Deus é mais forte que os homens e quando somos fracos, então é que somos fortes.
    Força e fraqueza pra ti amigo.

  2. Hernan Palavras como essas me emocionam e, como você sabe, velhinhos como eu devem evitar as emoções muito fortes. Na minha idade isso é muito perigoso. Mas agradeço sua sensibilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *